Ambiente Resíduos

Sem agressões ao meio ambiente

Desde agosto de 1997, as indústrias de pilhas e baterias filiadas à ABINEE - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica - têm participado de diversas reuniões com órgãos governamentais (nos âmbitos municipal, estadual e federal), entidades civis e organismos não governamentais para discutir a questão da reciclagem, reutilização e disposição final de pilhas e baterias.

Envie para um amigo

No que depender das indústrias de pilhas e baterias representadas pela ABINEE, o meio ambiente no Brasil estará protegido. Essas empresas investiram em pesquisa e tecnologia e reduziram a quantidade de metais potencialmente perigosos na maioria dos seus produtos. No caso das pilhas e baterias, cuja composição ainda não atenda a legislação, os fabricantes e importadores estão definindo a estratégia de recolhimento do produto esgotado, a partir de julho de 2000. Com tais iniciativas, são atendidas as exigências do CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente, nas Resoluções 257/99 e 263/99.

Desde agosto de 1997, as indústrias de pilhas e baterias filiadas à ABINEE - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica - têm participado de diversas reuniões com órgãos governamentais (nos âmbitos municipal, estadual e federal), entidades civis e organismos não governamentais para discutir a questão da reciclagem, reutilização e disposição final de pilhas e baterias.

O resultado do amplo debate que incluiu diferentes setores da sociedade é a Resolução 257 publicada pelo CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente, em 22 de julho de 1999. Essa regulamentação, complementada em 22 de dezembro de 1999 pela Resolução 263, estabeleceu duas referências que limitam a quantidade de metais potencialmente perigosos usados na composição dos produtos. A primeira está em vigor desde janeiro de 2000 e a segunda será válida a partir de janeiro de 2001.

As pilhas comuns e alcalinas, comercializadas pelas indústrias representadas pela ABINEE, já atendem os limites estabelecidos pelo CONAMA para 2001. Isto aconteceu graças ao investimento realizado pelas empresas que, desde a última década, desenvolveram pesquisas e tecnologia para controlar e reduzir o nível de poluentes desses produtos.

Utilizadas em lanternas, rádios, brinquedos, aparelhos de controle remoto, equipamentos fotográficos, pagers e walkman, as pilhas comuns e alcalinas possuem um mercado no Brasil que soma cerca de 800 milhões de unidades/ano. E como não oferecem risco à saúde e nem ao meio ambiente, depois de esgotadas elas podem ser dispostas junto com os resíduos domiciliares.

O mesmo destino devem ter as pilhas e baterias especiais compostas pelos sistemas níquel-metal-hidreto, íons de lítio, lítio e zinco-ar e, também, as do tipo botão ou miniatura. Elas não produzem nenhum dano e também podem ser dispostas no lixo doméstico.

A recomendação para o descarte desses dois grupos de pilhas vale somente para os produtos em conformidade com as determinações da Resoluções 257 e 263. As empresas alertam para os cuidados que se deve ter com as pilhas e baterias falsificadas ou importadas ilegalmente que, na maioria das vezes, não atendem as especificações corretas.

Fontes: ABINEE, Jorge Alberto Soares Tenório e Denise Crocce Romano Espinosa (www.cepis.ops-oms.org)



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Resíduos Ação Social Acidentes Ambientais Aço ACV Agricultura Água de Coco Alimento Alumínio Amianto Amianto crisotila Análise do Ciclo de Vida ANP Aplicação Arsênio Asbestose Ascaréis Aterro Aterro Controlado Aterro Sanitário Bateria de Ni-Cd Baterias Baterias recarregáveis Benefícios Bibliografia Bifelinas policloradas Biomassa Brasil Cádmio Características Chumbo Classes dos resíduos Classificação Coco Verde Código de Cores Coleta Seletiva Combustível Componentes eletrônicos Compostagem Composto Húmico CONAMA Concreto Asfáltico Contaminação Hospitalar Cuidados Curiosidades Curitiba Decomposição Desperdício Dicas Disposição Final Educação Ambiental Efeito prejudiciais Efeito Tóxico Efluentes Embalagens Embalagens Longa Vida Embalagens plásticas Emissões Atmosféricas Emissões de Poluentes Entulhos Esgoto Estatística EXemplos Experiência Fatores Forro Gerenciamento de Resíduos Gestão ambiental Greenpeace Impactos Ambientais Incineração Índices Industrial Isopor Juiz de Fora Jundiaí Lâmpadas Fluorescentes Lata de Aço Latas de alumínio Legislação Lexiviados Lixão Lixo Lixo comercial Lixo doméstico Lixo Infectante Lixo Tecnológico Lodo Lodo de Esgoto Manejo Manganês Meio Ambiente Mercúrio Metais pesados Metal Monitoramento O que é Óleos Automotivos Óleos Industriais Óleos lubrificantes Óleos usados Óleos Vegetais Papel Periculosidade Perigos PET Pilhas Pilhas alcalinas Pilhas secas Plástico Pneus Polpa moldada Postos de Gasilonas Preservação do Meio Ambiente Processo de re-refino Processo de reciclagem Produtos Produtos Químicos Produtos Recicláveis Programas Projetos Reaproveitamento Reciclagem Reciclagem de Alumínio Reciclagem de òleos Reciclagem de pneus Reciclar Recursos Naturais Redução de Emissão Redução de resíduos Reduzir Resíduo Líquido Resíduos Resíduos gasosos Resíduos Hospitalares Resíduos Inertes Resíduos Não Perigosos Resíduos orgânicos Resíduos Perigosos Resíduos Sólidos Resíduos Tóxicos Resolução Reusar Reutilização Riscos à saúde Riscos Ambientais Rochas Graníticas Saco plástico Sacolas plásticas Saneamento Saúde Serviços de lavanderia Soluções Tempo de degradação Tóxico Tratamento Tratamento de Água Tratamento de Efluentes Tratamento especial Usinas Usos Vantagens Vidro Xisto

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.