Ambiente Gestão

Instrumentos regionais de apoio a projetos de carbono

Ocorre que a compra-e-venda antecipada de toneladas equivalentes de CO2 nesses mercados já promove uma especulação bastante sadia de preços, assim como demonstra os custos de transação, os riscos e as incertezas envolvidos no negócio do carbono.

Envie para um amigo

 

Registram-se alguns avanços em matéria de medidas de mitigação dos efeitos adversos da mudança do clima, notadamente atividades de projeto relacionadas à redução e remoção de gases de efeito estufa, cujos altos e crescentes índices de concentração na atmosfera intensificam o aquecimento global. Apesar da timidez dessa movimentação, além das intempéries institucionais a que está sujeita, são positivas as transações nos chamados mercados de créditos de carbono, que começam a tomar corpo, mantidas por atores que se antecipam ao Protocolo de Kyoto.

Ocorre que a compra-e-venda antecipada de toneladas equivalentes de CO2 nesses mercados já promove uma especulação bastante sadia de preços, assim como demonstra os custos de transação, os riscos e as incertezas envolvidos no negócio do carbono. Um benefício colateral é que oferece um conjunto de lições aprendidas sobre todo o ciclo de projetos, chamando atenção de outros empreendedores e dos governos. É papel dos governos dos países exportadores dos créditos de carbono a adoção de critérios de elegibilidade de projetos que sejam exeqüíveis e procedimentos transparentes para a sua proposição e aprovação, em atendimento às prioridades nacionais de desenvolvimento.

O Brasil ratificou o Protocolo e a sua Autoridade Nacional para o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) aprovou o marco que estabelece aqueles procedimentos. Em que pese o setor privado, algumas empresas brasileiras desenvolvem projetos de MDL e buscam os correspondentes créditos de carbono, não apenas sob o regime de Kyoto. Isto em função de uma genuína responsabilidade ambiental combinada ao natural interesse de explorar os benefícios trazidos aos seus negócios pela comercialização do carbono reduzido e/ou removido em seus empreendimentos. Apesar das indefinições no âmbito da Autoridade Nacional no que concerne à emissão das cartas de aprovação aos projetos de MDL, pode-se dizer que o quadro institucional e comercial para que o Brasil exporte créditos oriundos de projetos sustentáveis de carbono está em gestação.

Entretanto, há ainda que fortalecer as condições objetivas para a operação dos atores interessados e dos mecanismos de mercado, como o MDL. Vêm imediatamente trazer à baila os governos regionais e o empresariado, cuja ação deve ser complementar àquelas dos poderes federais. Seria produtivo que os governos regionais dos países interessados no mercado de carbono estimulassem projetos orientados a ele, conforme a condição de seu país perante os compromissos de redução: se exportador ou comprador de créditos de carbono.

O Brasil é um grande exportador e facilitá-los deveria ser de seu interesse, o que tem de estar traduzido e um ambiente institucional adequado – a prever ainda procedimentos de aprovação que considerem os ganhos trazidos pelo negócio do carbono, além dos indiscutíveis benefícios ambientais.

Vejamos que isto pode e deve ser feito em parte pelos governos regionais e pelo setor privado conjuntamente. Os alvos podem ser a disseminação constante de informações, capacitação, coordenação institucional, apoio na atração de investimentos e identificação e apoio a projetos inovadores para que se repliquem projetos no setor privado – eis que são de atividades empresariais que as reduções virão – e que o processo seja enriquecido com as lições aprendidas. A própria Autoridade Nacional pode sentir-se convidada a tratar com mais flexibilidade a questão da aprovação dos projetos de carbono a partir de um tal desdobramento.

O Estado da Bahia está estruturando atividades voltadas ao estímulo de projetos ligados às mudanças climáticas, tendo uma componente forte nos mercados de comercialização de créditos de carbono. A iniciativa tem o objetivo de aproveitar as potencialidades do Estado em matéria de projetos que tenham alto impacto sobre as componentes do desenvolvimento humano sustentável e que reduzam e/ou removam gases de Efeito Estufa, ao mesmo tempo trazendo recursos e implantando tecnologias limpas.

Não se trata de criar uma instância adicional ao ciclo de projetos, o que não cabe aos estados brasileiros, tampouco de financiar projetos, eis que esta prerrogativa é dos países com compromissos perante Kyoto e seus próprios esquemas nacionais. Trata-se de proporcionar efeito demonstrativo sobre os elementos que conduzirão os projetos de carbono ao mercado, de sorte que se promova uma percepção mais positiva por parte do empresariado e da sociedade civil em geral de que empreendimentos ambientalmente responsáveis podem ser compatíveis com os pressupostos de viabilidade econômica. Ao governo federal demonstra-se a premência de se adotar uma postura mais sensível à aprovação de projetos que de fato interessam ao País.

Na Bahia o trabalho de facilitação está a cargo do Núcleo de Mudanças Climáticas, no contexto do qual se busca complementar, de maneira pioneira, os arranjos globais e nacionais orientados à consecução das metas da Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas. Há sim espaço para a atuação dos governos regionais em matéria de mudança climática: o ambiente e a economia só têm a se beneficiar dessa contribuição.

 

Por Silneiton Favero Supervisor Técnico do Núcleo de Mudanças Climáticas da Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia Fonte: Eco 21 - www.eco21.com.br



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Gestão 14000 ABNT Acidentes Ambientais Ações Ambientais Administração Agenda 21 Água Alternativa Energéticas Amazônia Ambientais Ambiental Aquecimento global Artigo Avaliação Ambiental Barragens Bens Naturais Bibliografia Camada de Ozônio Capacitação Profissional Carbono Certificação de Produtos Certificado Chuva ácida Ciclo do Carbono Clorofluorcarbonos CO2 Código de Ética Comprometimento Conceito Consciência Ecológica Conscientização Conselhos Ambientais Consumo Sustentável Contabilidade Social Controle COP-9 Credenciamento Créditos Créditos de carbono Crescimento Econômico Curiosidades Custos Dano e efeitos ambientais Degradação Desastres Ambientais Descaso Desenvolvimento Limpo Desenvolvimento Sustentável Desmatamento Desordenada Detritos Dióxido de Carbono Direito Direito Ambiental Direitos Humanos Eco 92 Ecologia Ecomarketing Economia Ecosistema Efeito Estufa Emissão de Gases Emissões de Poluentes Energia Energia Alternativa Energia Renovável Erosão Estado Estatuto Financiamento Fluxo Fotosíntese Fronteira Gestão ambiental Globalização Governo IBAMA Impactos Ambientais Implementação Imposto Indústria Instrumentação Internacional ISO ISO 14001 Kyoto Legislação Lei Licenciamento Limpa Maio Marketing Mecanismo Mecanismos Meio Ambiente Meio-Ambiente Mercado Metrologia Mineração Modelo Mudanças Climáticas Negócios Normalização Normas Ambientais O que é ONGs Operação Organismos OSCIP Papeis verdes Paraná Passivo Planejamento ambiental Políticas Ambientais Poluição Problemas ecológicos Produção sustentável Produtos Projetos Projetos ambientais Propriedade Rural Protocolo Protocolo de Kyoto Pública Qualidade Ambiental Reciclagem Recuperação Ambiental Recursos biológicos Recursos Naturais Recursos Renováveis Redução de Emissão Reflorestamento Reforma tributária Relatório Reservas Resíduos Resíduos Sólidos Responsabilidade Ambiental Responsabilidade Social Resseguradoras Rio +10 Rio 92 Riqueza Roteiro Saneamento Ambiental Sequestro de Carbono SGA Sistema Sobrevivência Socio-ambiental Sustentabilidade Tecnologia Tecnologia Renovável Terceiro Setor Termo de Parceria Transgênicos UNFCCC Urbanização Urbano

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.