Ambiente Energia

Sistemas Isolados

Esta é a atual busca de companhias de petróleo que ao se reestruturarem para atender um novo perfil de empresas de energia, visualizam a perspectiva da finitude dos combustíveis fósseis e cada vez mais a urgência em zelar por questões ambientais.

Envie para um amigo

 

 

O termo “Sistemas Isolados”, no contexto da energia elétrica, refere-se às regiões geográficas brasileiras não atendidas pelos sistemas de transmissão, os chamados “linhões”. No glossário da Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL, tal expressão não é citada, deixando a critério dos interessados a busca por uma definição.

Segundo o Atlas do Desenvolvimento Humano, 2000, as regiões com menor percentual de domicílios assistidos com energia elétrica são as regiões Norte e Nordeste, onde se verificam municípios com menos de 10% dos domicílios contemplados com este tipo de atendimento.

 

q

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fig. 1 – Evolução do fornecimento e consumo de energia elétrica no Brasil e, nas regiões dos Sistemas Isolados (Norte e Nordeste).

O atual modelo de geração de energia elétrica, nas regiões dos sistemas isolados, é baseado no consumo de combustíveis fósseis (principalmente óleo diesel), através de inúmeras unidades geradoras de pequeno porte e, caracterizado pela grande dificuldade de fornecimento e logística (Eletrobrás, 2004).

As populações encontradas nestas regiões sofrem intensa restrição aos serviços básicos, no caso, a energia elétrica. Conforme ilustrado na figura 1 abaixo, verifica-se que estas regiões encontram-se em total descompasso evolutivo (principalmente a região Norte) quanto ao usufruto dos benefícios que a energia elétrica proporciona.

Principalmente na região Norte verifica-se que o modelo de criação e instalação das grandes centrais hidrelétricas (grandes núcleos de energia) intensificou as desigualdades sociais e econômicas, pois a sua oferta seguiu o mesmo modelo da geração de renda; i.e., destinada àquela parte da sociedade localizada nos principais núcleos populacionais. O chamado “mercado capital”.


Biomassa Florestal e Geração de Energia

O uso dos recursos florestais está diretamente relacionado ao desenvolvimento da espécie humana, desde o uso do fogo, passando pelas construções, papel e finalmente, energia. Óbvio se torna verificar que quanto mais desenvolvida tecnologicamente uma sociedade, maior a relação entre a unidade de matéria prima necessária e o produto resultante. Em outras palavras, quanto maior desenvolvimento tecnológico, menor o consumo de unidades de matéria-prima para a confecção da mesma quantidade de produtos beneficiados.

O imenso desperdício de biomassa florestal extraída e não utilizada anualmente, somente na região Amazônica, pode ser avaliado através do consumo anual de madeira em toras destinadas as indústrias de processamento (serrarias e laminadoras) da madeira, inseridas nos principais pólos madeireiros dos Estados do Pará, Mato Grosso e Rondônia; atualmente da ordem 13,5 milhões de m³. Tal ordem de grandeza em madeira processada anualmente, resulta em aproximadamente 5,5 milhões de m³ de resíduos sem destinação econômica, gerando graves problemas ambientais como fogo e fumaça. Tal volume residual de biomassa florestal tem o potencial de gerar aproximadamente, 254 MWh, o suficiente para atender a demanda energética de cem (100) cidades com 25.000 habitantes cada.

Adicionalmente, a economia propiciada por esta mudança de atitude não seria nada desprezível pois, atualmente, a maior parte das indústrias de processamento da madeira tem custos de disposição destes resíduos, da ordem de R$ 10,00 por tonelada, correspondendo a aproximadamente 1,428 m³.

Considerando que as usinas termelétricas estariam, atualmente, dispostas a remunerar o resíduo gerado pelo processamento da madeira, em até R$ 30,00/ton (colocado no pátio da termelétrica), é factível pressupor que as indústrias de processamento seriam remuneradas em até R$ 28,00/m³ de madeira residual, ou seja, sem qualquer tipo de processamento ou custo, exceto o frete até a planta termelétrica.

Fonte: Orlando de Assumpção Filho Engenheiro Florestal - UFRuRJ especialista em Administração Rural – UFV assessor técnico do MMA



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Energia Ação de Emergência Acidentes Ambientais Acidentes Nucleares Água Águas Profundas Álcool Álcool Etílico Alta pressão Alternativa Energéticas Ambientes Marinhos Angra I Angra II Angra III Aplicação Aproveitamento Armazenamento Arquitetura Bioclimática Artigo Aspectos Socioambientais Aterro Sanitário Atmosfera Modificada Ausência de Emissão Bacias Hidrográficas Biocombutível Biodiesel Biodigestores Biomas Biomassa CaC's Calor da Terra Cana de Açúcar Carvão Carvão Mineral Célula Combustível Célula Fotovoltaica Centro de Defesa Ambiental Césio 137 Chernobyl Co-processamento de resíduos Cogeração Coleta Seletiva Coletor Solar Combustíveis fósseis Combustível Combustível Ecológico Combustível Nuclear Combustível Renovável Combustível Veicular Conservação Ambiental Consumo de Energia Consumo Energético Contaminação Hospitalar Contingências Controle Ambiental Controle de Qualidade Correntes Marítimas Crescimento Econômico Custos Demanda Energética Desenvolvimento Sustentável Distribuição Economia Efeito Fotovoltaico Efluentes Emissão de Gases Emissões de Poluentes Emprego Energia Energia Alternativa Energia Elétrica Energia Eólica Energia Geotérmica Energia Hidrica Energia Limpa Energia Maremotriz Energia não-renovável Energia Nuclear Energia Nucleoelétrica Energia Renovável Energia Solar Energias Renovavéis Engenharia Oceânicas Eólica Etanol Exploração Fauna Flora Marinha Fonte de Combustíveis Fonte não-renovável Fonte Renovável Fontes de Hidrogênio Fontes Energéticas Fontes Orgânicas Fontes Termais Formas de Enxofre Gás Hidrogênio Gás Natural Gases Gases de Efeito Estufa Gases para Embalagens Gasoduto GEE Geração de Energia Gestão ambiental Gestão de Segurança Grau Geotérmico Hidrografia História Horário de Verão Impactos Ambientais Indústria do Carvão Instalação Nuclear Lixo atômico Mar Material radioativo Matriz Energética Medicina Medidas de Segurança Meio Ambiente Mineração Mudanças Climáticas Navios Normas Ambientais O que é Paraná Petróleo Plano de Contingência Plataforma de Exploração Política Energética Potencial Energético Potencial Eólico Potencial Hidrico Potencial Solar Preservação Ambiental PROÁLCOOL Produção de Energia Produção de Gás Produtos Programa de Excelência Projetos ambientais Radiação Nuclear Reciclagem Recuperação Ambiental Recuperação do Óleo Recurso Eólico Recursos Energéticos Recursos Hídricos Recursos Renováveis Redução de Emissão Região Carbonífera Regulamentação Reserva Geológica Reservas Reservatórios Subterrâneos Resfriamento Resíduos Resíduos Agrícolas Resíduos oleosos Resumo Rio Grande do Sul Saneamento Ambiental Setor Agropecuário Setor Transporte Sindicatos Sistema de Cogeração Tecnologia Nuclear Teor de Carbono Termelétrica Three Mile Island Transporte Tratamento de Água Tratamento de Efluentes Tratamento de Resíduos Sólidos Tratamento do Ar Usina Elétrica Usina Nuclear Usinas Eólicas Usinas Termelétricas Vantagens Vazamentos de Óleo Yellow cake Zero Poluição

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.