Ir direto para o conteúdo

Ambiente Brasil. O maior Portal de Meio Ambiente da América Latina

 

 Ambiente Gestão

Políticas Ambientais e as Organizações Não Governamentais

A SOS Mata Atlântica destaca-se no cenário nacional das ONGs pelas suas sólidas parcerias com o setor privado e pelo seu expressivo número de afiliados.

Envie para um amigo

 

Organização Não Governamental (ONG) é o corpo ativo da sociedade civil organizada. Somente através da força da sociedade é que podemos garantir mudanças concretas e cobrar o papel regulador do estado. A iniciativa privada é o agente que possibilita a atuação das organizações não governamentais, através de apoio aos projetos. Sem o apoio do setor privado, torna-se muito difícil para a organização não governamental sobreviver.

No seu papel regulador do estado, ela não pode depender somente de recursos públicos, portanto é principalmente junto à iniciativa privada que a ONG deve buscar os recursos para sua sobrevivência. Por mais importante que seja sua missão e por mais expressiva que seja a sua atuação, a longo prazo, a ONG precisa de um corpo de conselheiros com real compromisso com a entidade e sua causa, e sólidas parcerias junto ao setor privado, que possibilitem um apoio efetivo aos seus projetos e programas. Temos trabalhado junto às organizações não governamentais há 16 anos, especificamente na área de captação de recursos e promovendo campanhas de marketing.

Nessa trajetória, conhecemos tanto aqui no Brasil como nos Estados Unidos, pessoas muito bem intencionadas e com muita vontade de promover mudanças concretas para uma melhoria na qualidade de vida do planeta. O que pudemos observar, contudo, foi a frustração de muitos grupos e de indivíduos, que sem o apoio da iniciativa privada, tiveram que alterar sua linha de trabalho ou mesmo fechar sua ONG. Analisamos também a SOS nos dias de hoje, 10 anos depois de nossas atividades como coordenadora da entidade, com o objetivo de comprovar seu fortalecimento e sua expressiva participação junto à iniciativa privada e sua importância no cenário das organizações não governamentais ambientalistas no Brasil, como resultado do sucesso de suas parcerias e ações técnicas, científicas, políticas e principalmente, junto à sociedade.

A SOS Mata Atlântica destaca-se no cenário nacional das ONGs pelas suas sólidas parcerias com o setor privado e pelo seu expressivo número de afiliados.

O objetivo deste projeto é estudar o papel das ONGs, avaliando a eficácia das estratégias na abordagem e fortalecimento das parcerias visando a obtenção de recursos. Tentaremos demonstrar que a eficiência dessas organizações se deve ao seu envolvimento com o setor privado. Para tanto, foram selecionadas algumas ONGs como exemplos e objetos deste estudo.

O trabalho realizado para elaborar esta dissertação utilizou as mais diversas fontes de informação, as quais foram avaliadas pela autora em função do interesse principal de sua linha de pesquisa: o papel das organizações não governamentais ambientalistas no campo da gestão do meio ambiente em seus aspectos políticos, sociais e econômicos, bem como sua orientação estratégica para o alcance de seus objetivos.

Como atrair o capital privado para uma ONG? Este é o desafio de toda pessoa que trabalha na captação de recursos junto às organizações não governamentais. O capital privado foge da ignorância, do analfabetismo e doença, mas por outro lado, ele é atraído pelo sucesso e pela excelência. Sucesso atrai sucesso. E nesse sentido, sendo a Fundação SOS Mata Atlântica um marco no movimento ambientalista brasileiro, torna-se factível e viável, atrair-se o capital privado para a entidade. A SOS conta, atualmente, com 100 mil sócios, criou uma geração de lideranças na área ambiental e viabilizou a criação de ONGs, sediando o Fórum Global, na Rio-92.

Ainda hoje, é a entidade coordenadora da Rede de ONGs da Mata Atlântica, sendo importante articuladora da Rede Brasil sobre Instituições Financeiras Multilaterais e do Fórum Social Mundial. Ao longo de seus 15 anos de atividades, a entidade criou sólidas parcerias com o setor privado, desenvolveu projetos técnicos e científicos respeitados no Brasil e no exterior, fortaleceu-se e se profissionalizou. Vale destacar que a entidade vem cumprindo a sua missão de conservar a mata atlântica e, principalmente, trazendo a conscientização da existência e importância deste bioma, para o povo brasileiro.

Sendo o capital privado um covarde, fugindo das políticas e das regiões onde não há incentivo e nem apoio governamental, o nosso trabalho de captação de recursos junto à SOS, há uma década atrás, teve muitos desafios. Num país com pouca ou quase nenhuma cultura de filantropia, era difícil de se implementar campanhas de captação e de se obter efetivo apoio do empresariado. Podemos garantir que o sucesso de qualquer ONG depende das parcerias feitas, em especial, baseado no seu Plano Geral de Trabalho, Ferramentas a serem utilizadas e muito, muito trabalho, em torno dos doadores. Selecionar os possíveis doadores, estimulá-los ao máximo, a fim de se engajarem no trabalho que deve se envolver, todos os participantes, desde o boy ao presidente da empresa. Sem esta iniciativa só pode surgir o fracasso de experiências de curto prazo ou mal sucedidas.

No caso da SOS, nosso principal estudo de caso, a entidade se fortaleceu ao longo dos anos e provou que com um trabalho sério e fiel à sua missão, conseguiu agregar valor à sua marca, firmando sólidas parcerias com a iniciativa privada, governo e com a sociedade civil organizada e é hoje, um expoente no cenário das Organizações Não Governamentais brasileiras. A SOS, segundo nosso ponto de vista, é a organização brasileira que possui o maior potencial para seguir as recomendações que sugerimos.

As conclusões e recomendações foram o produto desta pesquisa, o que é oferecido à comunidade acadêmica e aos setores governamentais, comunitários e empresariais empenhados na proteção e melhoria do nosso meio ambiente.

 

Jeane Capelli Pen - São Paulo, 2003 (Tese de Mestrado - Faculdade de Saúde Pública da USP).



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Gestão 14000 ABNT Acidentes Ambientais Ações Ambientais Administração Agenda 21 Água Alternativa Energéticas Amazônia Ambientais Ambiental Aquecimento global Artigo Avaliação Ambiental Barragens Bens Naturais Bibliografia Camada de Ozônio Capacitação Profissional Carbono Certificação de Produtos Certificado Chuva ácida Ciclo do Carbono Clorofluorcarbonos CO2 Código de Ética Comprometimento Conceito Consciência Ecológica Conscientização Conselhos Ambientais Consumo Sustentável Contabilidade Social Controle COP-9 Credenciamento Créditos Créditos de carbono Crescimento Econômico Curiosidades Custos Dano e efeitos ambientais Degradação Desastres Ambientais Descaso Desenvolvimento Limpo Desenvolvimento Sustentável Desmatamento Desordenada Detritos Dióxido de Carbono Direito Direito Ambiental Direitos Humanos Eco 92 Ecologia Ecomarketing Economia Ecosistema Efeito Estufa Emissão de Gases Emissões de Poluentes Energia Energia Alternativa Energia Renovável Erosão Estado Estatuto Financiamento Fluxo Fotosíntese Fronteira Gestão ambiental Globalização Governo IBAMA Impactos Ambientais Implementação Imposto Indústria Instrumentação Internacional ISO ISO 14001 Kyoto Legislação Lei Licenciamento Limpa Maio Marketing Mecanismo Mecanismos Meio Ambiente Meio-Ambiente Mercado Metrologia Mineração Modelo Mudanças Climáticas Negócios Normalização Normas Ambientais O que é ONGs Operação Organismos OSCIP Papeis verdes Paraná Passivo Planejamento ambiental Políticas Ambientais Poluição Problemas ecológicos Produção sustentável Produtos Projetos Projetos ambientais Propriedade Rural Protocolo Protocolo de Kyoto Pública Qualidade Ambiental Reciclagem Recuperação Ambiental Recursos biológicos Recursos Naturais Recursos Renováveis Redução de Emissão Reflorestamento Reforma tributária Relatório Reservas Resíduos Resíduos Sólidos Responsabilidade Ambiental Responsabilidade Social Resseguradoras Rio +10 Rio 92 Riqueza Roteiro Saneamento Ambiental Sequestro de Carbono SGA Sistema Sobrevivência Socio-ambiental Sustentabilidade Tecnologia Tecnologia Renovável Terceiro Setor Termo de Parceria Transgênicos UNFCCC Urbanização Urbano

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2011 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.