Ambiente Gestão

Código de Ética

A aplicação deste Código de Ética aos associados parte da indicação do Comitê do Código de Ética ao Conselho Diretor, que julgará o caso e submeterá sua decisão à ratificação da Assembléia, especialmente convocada para isso.

Envie para um amigo

 

Gerenciamento do Código de Ética

O Código de Ética será administrado pelo Comitê de Ética que é indicado pela Diretoria. Ele é composto por 4 (quatro) membros, por um mandato de 3 (três) anos, em base rotativa, de modo que a cada ano um membro seja substituído.

A aplicação deste Código de Ética aos associados parte da indicação do Comitê do Código de Ética ao Conselho Diretor, que julgará o caso e submeterá sua decisão à ratificação da Assembléia, especialmente convocada para isso.

 

O Comitê de Ética deverá:

Rever e avaliar anualmente o Código de Ética e fazer as recomendações que se fizerem necessárias para atualizá-lo.

Refinar o Código de Ética para aplicações específicas, quando a prática recomendar.

Obter a aprovação das alterações no Código de Ética, pelo mesmo quorum necessário à alteração dos estatutos.

 

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas

O GIFE existe para congregar entidades e empresas que, livremente e com recursos próprios, investem tempo, talento e recursos materiais, promovendo e executando atividades sistemáticas de apoio ao desenvolvimento social da nação, pelo estímulo a cidadania participativa, objetivando operar dentro de altos padrões éticos.

O GIFE advoga a dignidade do homem e sua primazia sobre todos os outros valores de ordem material, equiparando assim o desenvolvimento social ao próprio bem comum, o qual é, em última análise, a própria razão de ser do GIFE.

Os conceitos e a prática do investimento social defendidos pelo GIFE derivam da consciência da responsabilidade e reciprocidade para com a sociedade, assumida livremente por institutos, fundações ou empresas, associados ao GIFE.

Sendo assim, as práticas de investimento social são de natureza distinta e não devem ser confundidas nem usadas como ferramentas de comercialização de bens tangíveis e intangíveis (fins lucrativos), por parte da empresa mantenedora, como são, por exemlo, marketing, promoção de vendas ou patrocínio, bem como políticas e procedimentos de recursos humanos, que objetivam o desenvolvimento e o bem estar da própria força de trabalho, portanto no interesse da empresa.

No entanto, é justo que o associado do GIFE espere, como um subproduto de um investimento social exitoso, um maior valor agregado para sua imagem.

Para apoiar a realização desses propósitos, este código declara valores éticos e normas de conduta profissional aos quais os membros do GIFE livremente aderem e, por decorrência, comprometem-se observar, conscientes de sua responsabilidade pela prática correta das atividades de apoio ao desenvolvimento social.

 

1 - Compromissos dos associados do GIFE

1-1 Servir ao ideal do GIFE, zelando pela aplicação profissional e ética dos conceitos e práticas de investimento social, conforme aqui descritas.

1-2 Procurar disseminar esses conceitos e práticas, inspirando outros principalmente através de seu próprio exemplo.

1-3 Adotar sempre uma atitude transparente quanto aos procedimentos e reais motivações de suas práticas de investimento social.

 

2 - A relação dos associados com seus Mantenedores/Doadores

2-1 Zelar para que, na definição e implementação dos programas de desenvolvimento social patrocinados por terceiros, os ideais do GIFE sejam observados, sem distorções.

2-2 Gerenciar eticamente, com competência e eficácia, os recursos a si confiados, cumprindo fielmente as intenções dos doadores, mantendo-os informados quanto aos resultados.

 

3 - A relação dos associados com seus Beneficiários/Parceiros

3-1 Proceder sempre de modo a privilegiar o benefício do parceiro sobre vantagens do próprio associado.

3-2 Colaborar para manter uma relação produtiva entre as partes, tendo por base o respeito, compromisso e confiança, privilegiando o processo de negociação em caso de conflitos.

3-3 Não alimentar expectativas infundadas, nem avançar promessas que não possam ser cumpridas.

 

4 - A relação dos associados com outras Entidades Similares

4-1 Proceder de modo cooperativo, buscando colaborar dentro das possibilidades, interesse e princípios éticos.

4-2 Assumir na crítica, quando esta se fizer necessária, uma atitude construtiva.

4-3 Assumir, em situação de conflitos, uma posição aberta a negociação e entendimento.

 

5 - A relação dos associados com o Poder Público

5-1 Ater-se estritamente dentro da legislação geral e específica.

5-2 Não buscar relações que privilegiem interesses corporativos, em detrimento do bem comum.

5-3 Agir de maneira clara, com transparência quanto aos objetivos e interesse envolvidos.

 

6 - A conduta dos Profissionais pertencentes aos quadros das entidades Associadas do GIFE

6-1 Trabalhar pela efetiva realização da Missão do GIFE, observando os valores éticos que o embasam.

6-2 Conduzir todas as atividades pessoais e profissionais com honestidade e integridade de modo a refletir favoravelmente no setor de investimento social.

6-3 Esforçar-se por agir sempre com competência, definindo objetivos de auto-desenvolvimento permanente.

6-4 Afirmar com atitudes pessoais o compromisso com o desenvolvimento social e seu papel na sociedade.

6-5 Respeitar o sigilo profissional, quando necessário.

 

Redação Ambiente Brasil



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Gestão 14000 ABNT Acidentes Ambientais Ações Ambientais Administração Agenda 21 Água Alternativa Energéticas Amazônia Ambientais Ambiental Aquecimento global Artigo Avaliação Ambiental Barragens Bens Naturais Bibliografia Camada de Ozônio Capacitação Profissional Carbono Certificação de Produtos Certificado Chuva ácida Ciclo do Carbono Clorofluorcarbonos CO2 Código de Ética Comprometimento Conceito Consciência Ecológica Conscientização Conselhos Ambientais Consumo Sustentável Contabilidade Social Controle COP-9 Credenciamento Créditos Créditos de carbono Crescimento Econômico Curiosidades Custos Dano e efeitos ambientais Degradação Desastres Ambientais Descaso Desenvolvimento Limpo Desenvolvimento Sustentável Desmatamento Desordenada Detritos Dióxido de Carbono Direito Direito Ambiental Direitos Humanos Eco 92 Ecologia Ecomarketing Economia Ecosistema Efeito Estufa Emissão de Gases Emissões de Poluentes Energia Energia Alternativa Energia Renovável Erosão Estado Estatuto Financiamento Fluxo Fotosíntese Fronteira Gestão ambiental Globalização Governo IBAMA Impactos Ambientais Implementação Imposto Indústria Instrumentação Internacional ISO ISO 14001 Kyoto Legislação Lei Licenciamento Limpa Maio Marketing Mecanismo Mecanismos Meio Ambiente Meio-Ambiente Mercado Metrologia Mineração Modelo Mudanças Climáticas Negócios Normalização Normas Ambientais O que é ONGs Operação Organismos OSCIP Papeis verdes Paraná Passivo Planejamento ambiental Políticas Ambientais Poluição Problemas ecológicos Produção sustentável Produtos Projetos Projetos ambientais Propriedade Rural Protocolo Protocolo de Kyoto Pública Qualidade Ambiental Reciclagem Recuperação Ambiental Recursos biológicos Recursos Naturais Recursos Renováveis Redução de Emissão Reflorestamento Reforma tributária Relatório Reservas Resíduos Resíduos Sólidos Responsabilidade Ambiental Responsabilidade Social Resseguradoras Rio +10 Rio 92 Riqueza Roteiro Saneamento Ambiental Sequestro de Carbono SGA Sistema Sobrevivência Socio-ambiental Sustentabilidade Tecnologia Tecnologia Renovável Terceiro Setor Termo de Parceria Transgênicos UNFCCC Urbanização Urbano

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.