Núcleos de Educação Ambiental – Pará

 

O problema da questão ambiental, no estado do Pará, está se agravando a cada dia, sendo notório a necessidade de desenvolver um processo educativo que vise, sobretudo, a formação de agentes multiplicadores nas Unidades de Conservação e Áreas Rurais, a fim de sensibilizar as comunidades para as questões ambientais.

É nesse contexto, que o Núcleo de Educação Ambiental do Pará, em parceria com órgãos governamentais e não-governamentais, vem desenvolvendo suas ações de educação com vistas a promover a Educação Ambiental, dando suporte técnico para a implementação da E.A nas áreas de Unidades de Conservação e Gestão Ambiental. Atualmente, o NEA/PA conta com Projetos , a saber: – Projeto de Carvão de Resíduos de Desmatamento; Projeto de Valorização da Costa Paraense; Projeto Verão Limpo; Projeto de Produção de Sementeiras e Viveiros de Mudas nas Escolas e Comunidades; Projeto Alternativo de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação e Projeto de Desenvolvimento de Técnica Alternativa para Melhorar a Renda da Comunidade do Guajará da costa, Município de Barcarena, através do Estudo Comparativo do Cultivo Experimental do Camarão Canela em Viveiro e Tanques-Rede.

Tais Projetos abrangem desde de Unidades de Conservação como Oriximiná, Parauapebas, Portel, Itaituba, Santarém, Aveiro, Rurópolis, Altamira, Melgaço, Almerim, Cachoeira do Piria do Pará, Floresta Nacional de Tapajós, de Saracá-Taquera, Tapirapé-Aquiri, Caxiuanã, até as Ilhas de Caviana, Simão Grande e os municípios de Soure, Salvaterra, Curuçá, Maracanã, Salinópolis, São João de Pirabas, Augusto Correa, Bragança.

Quanto ao apoio de outros órgãos governamentais e não-governamentais, na execução e implementação dos referidos projetos, a cada ano novas parcerias vão surgindo, prefeituras, Secretaria de Agricultura do Estado – SAGRI, COSIPAR, CEPNOR, CNPT, POCOFS, FCAP etc.

O Projeto ” Proposta de Educação Ambiental de Aproveitamento de Restos de Desmatamento e Madeiras Serradas”, desenvolvido pelo NEA em parceria com a COSIPAR, se fez necessário devido ao grande desperdício de sobra de matéria-prima da floresta e seus subprodutos, tanto provenientes do desmatamento, limpeza de terrenos para roça de subsistência, observados no Sul do Pará. Toda essa biomassa retirada do ecossistema não era reaproveitada, transformada ou beneficiada para garantia de emprego e rendimentos econômicos e sociais às comunidades locais. Dessa forma, tornou-se necessário a elaboração de um projeto para desenvolver um trabalho abrangente e sustentado no aproveitamento dos recursos florestais, abrangendo toda a população e principalmente os agropecuaristas, madereiros e pequenos produtores rurais.

 

Responsável: Raimundo Otávio da Silva Mendes
Fone: (91) 224-5899 – Fax: (91) 223-1299
Fonte: Ibama