Ambiente Natural

Doenças Tropicais - Malária

É uma doença infecciosa, causada por um protozoário, do gênero Plasmodium e transmitida de uma pessoa para outra, através da picada de um mosquito do gênero Anopheles.

Envie para um amigo

 

É uma doença infecciosa, causada por um protozoário, do gênero Plasmodium e transmitida de uma pessoa para outra, através da picada de um mosquito do gênero Anopheles , ou por transfusão de sangue infectado com plasmódios. A malária é também chamada de maleita, febre palustre, impaludismo ou sezão.

Agente etiológico

Existem cerca de 50 espécies de Plasmodium . As espécies que afetam o ser humano são: Plasmodium vivax , P. falciparum , P. malariae , P. ovale. 

Agente transmissor

É um mosquito anofelino, conhecido também como: pernilongo, mosquito prego, carapanã. A fêmea do gênero Anopheles, alimenta-se de sangue para maturação dos ovos, enquanto que o macho, alimenta-se de seiva vegetal. Reproduzem-se em águas de remansos de rios e córregos, lagoas, represas, açudes, valas, valetas de irrigação, alagados, pântanos e em águas coletados em bromélias. 

 

Sintomas

O período de incubação varia de 12 a 30 dias. Depois desse prazo, os sintomas podem ser: um mal-estar que inclui dores de cabeça, dor no corpo, tremores e calafrios; em seguida, vêm os calafrios e tremores intensos, seguidos por febre alta duradoura e vômitos. A pele fica bastante corada e a pessoa às vezes delira e apresenta sudorese. Estes sintomas se repetem com intervalos diferentes, de acordo com a espécie do plasmódio: 

P. vivax - acessos em dias alternados, 48 em 48 horas - terçã benigna;

P. malarie - os acessos se repetem cada 72 horas - febre quartã; 

P. falciparum - com intervalos de 36 a 48 horas - terçã maligna, pode resultar em formas graves da doença, com possibilidade de evoluir para o coma e o êxito letal.

Vários sintomas e sinais indicam que a forma mais grave de malária, causada pelo Plasmodium falciparum: vômitos repetidos; fraqueza aguda; pouca urina, com cor escura; desidratação grave; pressão muito baixa - o que pode acarretar diversos e sérios problemas de saúde, tais como icterícia, insuficiência dos rins, convulsões, coma e morte, daí a importância do tratamento imediato.

 

Profilaxia

Apesar de vários estudos, que vêm sendo feitos há muitos anos, ainda não existe uma vacina que confira proteção contra a malária. Para se obter algum grau de proteção contra a malária, restam, portanto, medidas de ordem pessoal, ou seja, a utilização de repelentes químicos, mosquiteiros sobre as camas ou redes de dormir, telas nas janelas e portas das habitações e evitar a permanência ao ar livre nos horários em que o mosquito se apresenta em maior quantidade, como o amanhecer (crespúsculo matutino) e o anoitecer (crepúsculo vespertino).

Neste sentido, a educação ambiental em conjunto com a saúde, tem-se utilizado de várias estratégias para o envolvimento da população leiga e profissionais da área de saúde , informando sobre a doença (modo de transmissão, quadro clínico, tratamento, etc.), sobre o vetor (seus hábitos, criadouros) e sobre as medidas de prevenção e controle.

A atuação conjunta do poder público - governos federal, estaduais e municipais - e da comunidade (associações de moradores, sindicatos, clubes, igrejas) é fundamental para o sucesso de afastar ou eliminar o mosquito, já que o esforço individual não é suficiente para tal.

 

 

Fonte:Superintendência de Controle de Endemias do Estado de São Paulo (www.sucen.sp.gov.br) e Prefeitura de Foz do Iguaçu (www.fozdoiguacu.pr.gov.br).



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Natural "Barbeiro" "Falso Campo" Abelhas Antártica Apicultura Aquecimento global Aquicultura Arqueologia Artigo Atendimento ao Público Bibliografia Biodiversidade Biogeografia Biomas Briófitas Caatinga Camarão Campina Campinara Campos do Sul Campos Gerais Campos salinos Carta da Terra Cartografia Caverna Centros Arqueológicos Cerrado Classificação Clima Conceito Consciência Ecológica Conservação Controle Costeiro Cuidados Dengue Desmatamento Distribuição Geográfica Diversidade Biológica Doença de Chagas Doenças Doenças Tropicais Ecosistema Educação Ambiental El Niña El Niño Engenho Pacuíba Espécies em Extinção Estações Climatológicas Estações Meteorológicas Estepe Estrada do Colono Etnobotânica Exploração Fauna Febre Amarela Fenômenos Climáticos Fertilização Fitográfica Flor Flora Floresta com Araucária Floresta Estacional Floresta Pluvial Tropical Floresta Tropical Florestas Formação Fotosíntese Fungo Geologia Geomorfologia Hidrografia Legislação Leishmaniose Localização Lua Malária Manguezal Mapa Mata Atlântica Mata de Pinhais Meio Ambiente Mel Memorial Meteorologia Mogno Monitoramento Mudanças Climáticas Museus Natural Ocupação Ombrófila Origem Pantanal Parque Nacional do Iguaçu Planetas Plantas Plantas Carnívoras Pólo sul geográfico Prancha de Surf Pré História Previsão Climática Princípios Profilaxia Programas Projetos ambientais Proteção Protocolo Protocolo de Kyoto Pteridófitas Quilombos Referência Bibliográfica Regiões Fitoecológicas Regulamentação Relevo Restinga Revistas Rio Paraguai Sambaquis Savana Sementes Serra do Mar Sítio Arqueológico Solos Terra Vegetação Veneno Zonemanento Ambiental

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.