Ir direto para o conteúdo

Ambiente Brasil. O maior Portal de Meio Ambiente da América Latina

 

 Ambiente Mudanças Climáticas

Clima pode extinguir centenas de espécies dentro de 50 anos

O estudo tomou por base a existência de “envelopes” ambientais para cada espécie, ou seja, a idéia de que uma série de condições, como precipitação, temperatura e sazonalidade influem na sobrevivência daquele grupo de seres vivos.

Envie para um amigo

 

 

Um estudo coordenado pelo biólogo britânico Chris Thomas, da Universidade de Leeds, e publicado na revista Nature, reuniu o trabalho de pesquisadores de várias partes do mundo (entre eles, a bióloga brasileira Marinez Ferreira de Siqueira, do Centro de Referência em Informação Ambiental, de Campinas) prevê que com um aumento de 2ºC na temperatura média mundial, poderiam ser extintas até 52% das espécies devido ao desaparecimento dos seus hábitats naturais.

Marinez, ao analisar os efeitos das alterações climáticas nas árvores do Cerrado, identificou a possibilidade de redução desta área em 25% em 50 anos (ao usar um cenário mais conservador, isto é, de aumento de 0,5% ao ano no gás carbônico presente na atmosfera), índice que poderia chegar a 90% num cenário menos conservador (com aumento de 1% no CO2 ao ano).

O estudo tomou por base a existência de “envelopes” ambientais para cada espécie, ou seja, a idéia de que uma série de condições, como precipitação, temperatura e sazonalidade influem na sobrevivência daquele grupo de seres vivos. Numa segunda etapa, foram usados modelos para projetar cenários futuros quanto a estas condições, o que permitiu identificar se tais espécies teriam possibilidade de continuar existindo ou não.

q

Só política global evita a destruição

O trabalho apresentado na revista Nature partiu do pressuposto de que, para cada espécie, existe um tipo de “envelope ambiental” condições de temperatura, precipitação (quantidade de chuva) e sazonalidade (variação das estações do ano) das quais a espécie depende para sobreviver.

A partir disso, os pesquisadores criam modelos matemáticos que levam em conta tais condições e a distribuição atual das espécies numa região. O algoritmo busca, fora dos pontos de ocorrência das espécies, regiões similares onde a espécie poderia ocorrer no presente e no futuro, usando as projeções do IPCC (Painel Internacional de Mudança Climática, órgão da ONU) para daqui a 50 anos. Nós estudamos os efeitos de possíveis alterações sobre espécies de árvores presentes no Cerrado.

O que acontece é que, em diversos casos, e de acordo com a intensidade de mudança ambiental gerada pelo aquecimento nos vários cenários futuristas estimados pelo IPCC, a área disponível para uma espécie pode encolher tanto que ela simplesmente pode ficar sem um ambiente propício para o seu desenvolvimento, podendo, em alguns casos, acabar se extinguindo. No pior dos cenários, isso poderia acabar acontecendo para 75 de um total de 163 espécies de árvores do Cerrado, como a douradinha (Palicourea rigida) ou o murici (Byrsonima coccolobifolia).

No entanto, há esperanças. Há grandes diferenças nas extinções projetadas para aquecimento global mínimo ou máximo, de forma que a ação política global ainda poderia salvar um número enorme de espécies.

As espécies não se tornam extintas no momento em que o clima muda. Portanto, reverter o aquecimento global poderia salvar algumas, ou talvez muitas, dessas espécies.

O trabalho para entender como as variá-veis climáticas e biológicas interagem com a distribuição das espécies está apenas no começo, é claro que com a adição de mais dados biológicos e de variáveis ambientais com resolução mais detalhada, melhoraria muito a qualidade da informação gerada pelas técnicas de modelagem.

Mas o que pode ser feito de concreto para minimizarmos essas previsões? Observando os dados apresentados no trabalho do Cerrado, podemos ver que as melhores áreas, do ponto de vista climático, para preservação dessas espécies, são aquelas mais ao sul da distribuição atual do bioma Cerrado, ou seja, as áreas do Mato Grosso do Sul, São Paulo, Sul de Minas Gerais e Norte do Paraná. Isso porque essas áreas, nas quais a maioria dessas espécies ocorrem hoje, ainda permaneceriam com um clima favorável para essas espécies.

Esses resultados são importantes principalmente para uma tomada de consciência a respeito da necessidade do país continuar (e principalmente ampliar) seus investimentos em pesquisa da biodiversidade. O Brasil é muito grande e muito ainda existe para ser estudado em relação a fauna, flora e microbiota. Além disso, é preciso também investir no desenvolvimento de ferramentas de análises (por exemplo, modelagem) e de ambientes computacionais para que, com o que já temos de informação disponível, podermos gerar subsídios para a tomada de decisão sobre conservação da biodiversidade no Brasil.

 

 

Marinez Ferreira de Siqueira (Bióloga e Pesquisadora do Centro de Referência em Informação Ambiental (CRIA) - Campinas) Revista Eco 21, ano XV, Nº 101, março/2005.



Publicidade

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2011 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.