Tartaruga-de-Pente

 

q

Você já parou para pensar que os ecossistemas costeiros representam uma importante fonte de alimento, emprego, energia para as nações com aberturas ao mar?

Por este motivo, as questões relacionadas às regiões costeiras assumem importância fundamental para o povo brasileiro.

Nos vários ambientes da costa brasileira povoa uma grande diversidade de organismos marinhos representando importantes recursos econômicos e naturais.

Um dos inúmeros animais explorados e de grande importância para o meio é a Tartaruga-de-pente (Eretmochelys imbricata).

Esta espécie desova no verão e em poucas localidades, podendo ocorrer 1 ou 2 picos na mesma estação. Desova de 2 a 5 vezes por estação, colocando de 73 a 189 ovos por ninho. A incubação ocorre entre 47 a 75 dias, sendo a temperatura “ótima” entre 27°C e 33°C. O período de reprodução das tartarugas marinhas ocorre de setembro a março, no continente, e de dezembro a junho, nas ilhas oceânicas.

A tartaruga possui hábitos alimentares variados, sendo considerada onívora. Com alguns estudos de conteúdo estomacal, verificou-se o conteúdo de sua dieta alimentar. Os animais jovens alimentam-se de anêmonas, medusas, algas, gastrópodes, polvos, lulas, esponjas, caranguejos, ouriços-do-mar, pedras e materiais plásticos. Já os sub-adultos e adultos alimentam-se de lagostas, caranguejos, animais incrustantes, algas, esponjas, moluscos, folhas de mangue, frutas, madeira, mexilhões, lulas e polvos.

A tartaruga-de-pente quase desapareceu devido à caça predatória. Seu nome é devido a sua linda carapaça que foi muito utilizada para fabricação de adornos como pentes, aros de óculos, bijuterias e talheres.

Atualmente esta espécie está protegida devido aos vários programas de educação ambiental nas comunidades e de projetos de ecologia e conservação em prática em toda costa brasileira. Estas atitudes têm ajudado a aumentar o número de indivíduos e a conscientizar a população da importância da tartaruga-de-pente para o meio.

Redação Ambientebrasil