Ambiente Educação

Árvore Educacional - Flor

A flor é um aparelho constituído por folhas modificadas que tem a função de produzir e proteger estruturas encarregadas da reprodução sexual dos vegetais superiores.

Envie para um amigo

 

 

q

O que é e sua Função

A flor é um aparelho constituído por folhas modificadas que tem a função de produzir e proteger estruturas encarregadas da reprodução sexual dos vegetais superiores.

 

Suas Partes

  • Pecíolo, pedúnculo ou haste: é a parte que prende a flor no ramo. Ele pode ser:
  • Terminal, quando termina o caule;
  • Axilar, quando situa-se na axila da folha;
  • Caulinar, quando sai diretamente do tronco.
  • Receptáculo: é a extremidade do pedúnculo que serve de sustentação para as demais partes da flor.
  • Cálice: é o conjunto das folhas modificadas chamadas de sépalas, geralmente verdes, que protegem a flor.
  • Corola: é formada por um conjunto de folhas modificadas chamadas pétalas. Geralmente é colorido, sendo a parte mais vistosa da flor. As cores são importantes na polinização, pois atraem os animais que transportam o pólen de uma flor a outra.
  • Androceu: é formado por um conjunto de folhas modificadas chamadas estames, constituindo a parte masculina da flor. Cada estame apresenta três partes: filete, conectivo e antera. O estame tem a função de produzir o grão de pólen (gameta masculino).
  • Gineceu: é formado por um conjunto de folhas modificadas chamadas carpelos, constituindo a parte feminina da flor. Cada carpelo apresenta três partes: estigma, estilete e ovário. O carpelo tem a função de produzir óvulo (gameta feminino), que posteriormente será fecundado pelo grão de pólen para formar a semente que originará uma nova planta.
  • Perianto = cálice + corola
  • Perigônio (genitália) = androceu + gineceu

 

Classificação das Flores

As flores podem ser classificadas quanto a:

 

1. Partes

          1. Completa: pedúnculo, perianto e genitália.

          2. Incompleta: sem pedúnculo, sem cálice ou sem corola, só um sexo.

2. Simetria

          1. Actinomorfa: com simetria radiada (pode ser dividida em várias partes iguais).

          2. Zigomorfa: com simetria bilateral (pode ser dividida em apenas duas partes iguais).

          3. Assimétrica: não possui simetria (não pode ser dividida em partes iguais).

3. Número de partes florais

          1. Flor trímera: com as partes florais em número de três ou múltiplo. Ex.: seis sépalas, seis pétalas, três carpelos e três estames.

          2. Flor dímera: com as partes florais em número de dois.

          3. Flor tetrâmera: partes florais em número de quatro ou múltiplo.

          4. Flor pentâmera: partes florais em número de cinco ou múltiplo.

4. Perianto

          1. Flor aclamídea: sem perianto (sem cálice e sem corola).

          2. Flor monoclamídea: só com cálice ou corola.

          3. Flor diclamídea: com cálice e corola.

              a. Heteroclamídea: quando o cálice e a corola são de cores diferentes.

              b. Homoclamídea: quando o cálice e a corola são da mesma cor, neste caso o conjunto de pétalas e sépatas é chamado de tépalas e o perianto recebe o nome de perigônio.

5. Corola das Dicotiledôneas

          1. Arquiclamídea: quando a flor for aclamídea, monoclamídea ou diclamídea dialipétalas (com pétalas separadas).

          2. Metaclamídea: quando a flor for diclamídea simpétala ou gamopétala (com pétalas unidas).

6. Genitália

          1. Flores bixessuadas, andróginas, hermafroditas ou monóclinas: apresentam estames e carpelos na mesma flor.

          2. Flores unixessuadas ou díclinas: apresentam estames ou carpelos na mesma planta.

7. Androceu

          1. Número de estames em relação ao de pétalas

              a. Isostêmone: nº de estames igual ao nº de pétalas.

              b. Oligostêmone: nº de estames menor ao de pétalas.

              c. Diplostêmone: o dobro do nº de estames em relação ao de pétalas.

              d. Polistêmone: nº de estames maior que o de pétalas.

          2. Quanto ao tipo dos estames

              a. Dialistêmone: os estames são independentes.

              b. Gamostêmone ou sinstêmone: os estames são unidos pela fusão dos filetes ou pelas anteras.

              c. Didínamo: com quatro estames – dois maiores e dois menores.

              d. Tetradidínamo: com seis estames – quatro maiores e dois menores.

8. Gineceu

          1. Quanto ao número de carpelos

              a. Unicarpelar: com apenas um carpelo.

              b. Bicarpelar: com dois carpelos.

              c. Pluricarpelar: com mais de dois carpelos.

          2. Quanto a posição do ovário (na maioria dos casos é necessário um corte longitudinal para definir)

                a. Súpero: acima do receptáculo floral.

                b. Mediano: uma parte inserida no receptáculo floral.

                c. Ínfero: totalmente inserido no receptáculo floral.

9. Quanto ao tipo dos carpelos

          a. Dialicarpelar: com os carpelos independentes.

          b. Gamocarpelar ou sincarpelar: com os carpelos unidos entre si.

 

Inflorescência: é o conjunto de flores. Podem ser divididas em:

  • Racemosas, monopodiais ou indefinidas: são aquelas cujo eixo tem crescimento teoricamente ilimitado. Exemplos:
  • Cacho: inflorescência que do eixo central partem pedúnculos, de diversos níveis, contendo flores. Variações de cacho:
    • Corimbo: os pedúnculos partem de diferentes nós e terminam na mesma altura.
    • Tirso: os pedúnculos saem de diferentes nós em intervalos definidos, lembrando um cone.
    • Umbela: os pedúnculos partem do mesmo nó e terminam na mesma altura, lembrando um guarda-chuva aberto.
  • Espiga: inflorescência formada por um eixo central do qual saem flores sésseis (sem pedúnculo).
    • Amentilho: semelhante à espadice, mas com a ráquis mais flexível e com mais flores inseridas. Ex.: rabo-de-gato.
    • Capítulo: apresenta o ápice dilatado onde se inserem as flores sésseis. Ex.: girassol.
    • Espádice: apresenta a ráquis (eixo central) entumescido onde se inserem as flores, lembra uma espiga. Ex.: copo-de-leite (apresenta também uma espata).
  • Cimosas, simpodiais ou definidas: são aquelas cujo eixo tem crescimento limitado. Exemplos:
    • Monocásio: de um eixo principal sem flor terminal parte outro eixo secundário, podendo partir eixos terciários.
    • Dicásio: do eixo principal sem flor terminal partem dois eixos secondários.
    • Pleiocásio: do eixo principal partem três secundários.

 

Redação Ambiente Brasil



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Educação 60's 70's 80's 90's Acre Agenda 21 Agricultura Agronomia Água Alagoas Alimento Amapá Amazonas Ambientais Ambiental Ambiente Anos Aproveitamento de água Aquicultura Área de Preservação Arqueologia Arqueólogo Arquiteto Arquitetura Artigo Árvore Educacional Bahia Bibliografia Bibliotecas Biodiversidade Biologo Bioprocessos Biotecnologia Cadeia alimentar Calendário Capacitação Profissional Cartilha Cartografia Caule Ceará Ciências Ciências do mar Combate a pragas Comemorativas Consciência Consciência Ecológica Conservação Conservação Ambiental Consumidores Consumo Sustentável Cultura Data Datas Dengue Desenvolvimento Sustentável Desordenada Dinheiro Distrito Federal Diversidade Biológica Doenças Dúvidas Eclipse Ecologia Economia Ecosistema Educação Educação Ambiental Engenharia Escola Espírito Santo Estações do Ano Estado Fauna Feriado Festa Junina Financiamento Flor Florestal Florestas Foco do mosquito Fogos Fogueiras Folha Fotografia Frutas Nativas Fruto Geofísica Geografia Geologia Gerenciamento Ambiental Gestão ambiental Glossário Goiás História Impactos Ambientais Incorporação do EA Industrial Inserção de critérios ambientais e sociais Inserção Profissional Instituições Interespecíficos Internacional Intra-específicos Legislação Lei Ambiental Leitura Links Livros Madeira Madeireira Manacial Mato Grosso Meio Ambiente Meio-Ambiente Minas Gerais Mundo Núcleos O que é Oceanografia Pantanal Pará Paraíba Paraná Patrimônio Percepção Perguntas Pernambuco Pesca Piauí Políticas Ambientais Praia Prêmio Prêmio Ambiental Preservação Ambiental Preservação do Meio Ambiente Prevenção Profissionais Programa identificado como A3P Projetos Projetos ambientais Proteção Proteção ao meio-ambiente Qualidade Ambiental Qualidade da água Quimica Racismo Raíz Real Reciclagem Recursos Hídricos Recursos Naturais Responsabilidade Ambiental Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul Riscos Ambientais Rondônia Roraima Rural Sanitária Santa Catarina São Paulo Satisfação Selos Sementes Sensibilização Sergipe Socio-ambiental Sustentabilidade Tecnologia Tecnólogo Textos Educativos Tocantins Tráfico de animais Tratamento de Efluentes Urbanização Uso Sustentável de Recursos Naturais Zona Costeira

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.