Ambiente Ecoturismo

Lençõis Maranhenses - MA

Sem dúvida os Lençóis Maranhenses compõem uma das mais belas paisagens brasileiras. Impressionam pela sua beleza exótica: imagine um grande deserto, com dunas de até 40 m.

Envie para um amigo

Agora inclua entre as suas diversas dunas maravilhosas, lagoas azul-turquesa. O Parque, visto de cima, se assemelha a um grande lençol jogado ao vento, dando origem ao nome do Parque. Não é necessário pagar nenhuma taxa para entrar ou acampar no Parque.

 

História e Cultura

São, aproximadamente, 30 mil moradores, sendo que apenas 12 mil vivem na zona urbana. Os outros 18 mil estão espalhados pelos povoados ao redor. O povo de Lençóis é semi-nômade, devido aos dois períodos climáticos existentes nessa região. De dezembro à janeiro é a época de chuvas, quando os habitantes partem para a pesca. Os outros seis meses são dedicados à lavoura e à fabricação de tijolos.

 

Clima

O clima é o tropical, quente e semi-úmido. A temperatura média anual é de 26ºC. A melhor época para visitar o Parque é entre julho e setembro, pois é quando termina o período de chuvas e as lagoas estão cheias.

 

Vegetação e relevo

A vegetação típica dos lençóis maranhenses são os mangues e a restinga. Alguns manguezais, definidos como mangue-vermelho, podem atingir até 12 m de altura.

As dunas avançam até 50 km para o continente e as praias desertas estendem-se por cerca de 70 km.

 

Alimentação

Frutos do mar são típicos em Lençóis. As refeições são, geralmente para duas pessoas. A comida caseira e a caipirinha também fazem parte do cardápio dessa região.

 

Hospedagem

Há opções de hospedagem em Barreirnhas e Tutóia. A infra-estrutura deixa a desejar. O camping selvagem é permitido tanto no Parque quanto nas praias. Outra alternativa de hospedagem é levar uma rede e negociar um abrigo com os moradores.

Dicas gerais

Não é vantajoso alugar um automóvel em São Luís, pois no Parque todos os passeios são feitos de barco ou de jipe. É indispensável a presença de um guia para caminhadas. É muito fácil se perder, devido às paisagens que são praticamente iguais .

 

Atrações

Atins: Atins é um povoado que fica junto à foz do Rio Preguiças. Para chegar até lá é necessário ir de lancha. Já em terra firme são mais quarenta minutos andando entre dunas e lagoas refrescantes.

Atividades noturnas: No município de Barreirinhas todos os fins-de-semana há festas regionais, com algumas danças típicas. É possível também ir ao clube de reggae de Barreirinhas.

Caburé: A pequena vila de Caburé fica perto da Foz do rio Preguiças, incrustada na areia e com simpáticas pousadas pequenos de chalés. Em uma rápida caminhada é possível ir para a praia ou tomar um banho de rio. Passeios com a lancha voadeira pelo rio garantem aventura e boas fotos.

Lagoa Azul: Uma lagoa azul-turquesa extremamente transparente, que em alguns pontos atinge 1,5 m de profundidade, é o destino desse trekking. São, aproximadamente, duas horas de jipe, no sobe e desce das dunas. Depois, ainda é preciso seguir a pé por trinta minutos.

Queimada dos Britos: Considerada o oásis do Parque, Queimada dos Britos é uma das mais longas caminhadas. São quatro horas a pé só de ida a partir do povoado de Sucuruju. Recomenda-se iniciar esse passeio de madrugada para evitar o sol forte. É possível pernoitar nas casas dos moradores, sendo necessário, para isso, uma rede. Durante o percurso pode-se refrescar nas diversas lagoas e também às margens do Rio Negro.

Rio Cardosa: No caminho de Santo Amaro é possível fazer a descida de bóia-cross do Rio Cardosa. As águas calmas e cristalinas proporcionam uma aventura leve, para todas as idades, com cerca de uma hora de duração.

Rio Preguiças: O principal rio da região caracteriza-se por suas águas escuras, tranqüilas e repleta de peixes. Além das garças, as palmeiras, sua vegetação nativa, dão um espetáculo durante o percurso do rio. O Rio Preguiças deságua no Atlântico e até a sua foz são duas horas, aproximadamente. O passeio pode ser feito por embarcações que saem diariamente de Barreirinhas ou por lanchas alugadas no porto.

Santo Amaro: Um vilarejo no extremo oeste do Parque Nacional oferece pousadas charmosas e acesso a lagoas menos populares dos Lençóis Maranhenses. O acesso é apenas de 4x4 e de Barreirinhas até Santo Amaro são cinco horas de viagem, em média. Uma opção para quem quer um roteiro diferenciado.

 

 

 

http://webventure.estadao.com.



Publicidade

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.