Ir direto para o conteúdo

Ambiente Brasil. O maior Portal de Meio Ambiente da América Latina

 

 Ambiente Resíduos

Aterros de Resíduos

Aterro é a disposição ou aterramento do lixo sobre o solo e deve ser diferenciado, tecnicamente, em aterro sanitário, aterro controlado e lixão ou vazadouro.

Envie para um amigo



Aterro Sanitário

É um processo utilizado para a disposição de resíduos sólidos no solo, particularmente, lixo domiciliar que fundamentado em critérios de engenharia e normas operacionais específicas, permite a confinação segura em termos de controle de poluição ambiental, proteção à saúde pública; ou, forma de disposição final de resíduos sólidos urbanos no solo, através de confinamento em camadas cobertas com material inerte, geralmente, solo, de acordo com normas operacionais específicas, e de modo a evitar danos ou riscos à saúde pública e à segurança, minimizando os impactos ambientais.

Antes de se projetar o aterro, são feitos estudos geológico e topográfico para selecionar a área a ser destinada para sua instalação não comprometa o meio ambiente. É feita, inicialmente, impermeabilização do solo através de combinação de argila e lona plástica para evitar infiltração dos líquidos percolados, no solo. Os líquidos percolados são captados (drenados) através de tubulações e escoados para lagoa de tratamento. Para evitar o excesso de águas de chuva, são colocados tubos ao redor do aterro, que permitem desvio dessas águas, do aterro.

A quantidade de lixo depositado é controlada na entrada do aterro através de balança. É proibido o acesso de pessoas estranhas. Os gases liberados durante a decomposição são captados e podem ser queimados com sistema de purificação de ar ou ainda utilizados como fonte de energia (aterros energéticos).

Segundo a Norma Técnica NBR 8419 (ABNT, 1984), o aterro sanitário não deve ser construído em áreas sujeitas à inundação. Entre a superfície inferior do aterro e o mais alto nível do lençol freático deve haver uma camada de espessura mínima de 1,5 m de solo insaturado. O nível do solo deve ser medido durante a época de maior precipitação pluviométrica da região. O solo deve ser de baixa permeabilidade (argiloso).

O aterro deve ser localizado a uma distância mínima de 200 metros de qualquer curso d´água. Deve ser de fácil acesso. A arborização deve ser adequada nas redondezas para evitar erosões, espalhamento da poeira e retenção dos odores.

Devem ser construídos poços de monitoramento para avaliar se estão ocorrendo vazamentos e contaminação do lençol freático: no mínimo quatro poços, sendo um a montante e três a jusante, no sentido do fluxo da água do lençol freático. O efluente da lagoa deve ser monitorado pelo menos quatro vezes ao ano.


Aterro Controlado

É uma técnica de disposição de resíduos sólidos urbanos no solo, sem causar danos ou riscos à saúde pública e a sua segurança, minimizando os impactos ambientais. Este método utiliza princípios de engenharia para confinar os resíduos sólidos, cobrindo-os com uma camada de material inerte na conclusão de cada jornada de trabalho.

Esta forma de disposição produz, em geral, poluição localizada, pois similarmente ao aterro sanitário, a extensão da área de disposição é minimizada. Porém, geralmente não dispõe de impermeabilização de base (comprometendo a qualidade das águas subterrâneas), nem sistemas de tratamento de chorume ou de dispersão dos gases gerados. Este método é preferível ao lixão, mas, devido aos problemas ambientais que causa e aos seus custos de operação, a qualidade é inferior ao aterro sanitário.

Na fase de operação, realiza-se uma impermeabilização do local, de modo a minimizar riscos de poluição, e a proveniência dos resíduos é devidamente controlada. O biogás é extraído e as águas lixiviantes são tratadas. A deposição faz-se por células que uma vez preenchidas são devidamente seladas e tapadas. A cobertura dos resíduos faz-se diariamente. Uma vez esgotado o tempo de vida útil do aterro, este é selado, efetuando-se o recobrimento da massa de resíduos com uma camada de terras com 1,0 a 1,5 metro de espessura. Posteriormente, a área pode ser utilizada para ocupações "leves" (zonas verdes, campos de jogos, etc.).

De acordo com a Pesquisa Nacional de Saneamento Básico - PNSB - 1989, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE - e editada em 1991, a disposição final de lixo nos municípios brasileiros assim se divide:

  • 76% em lixões;
  • 13% em aterros controlados e 10% em aterros sanitários;
  • 1% passam por tratamento (compostagem, reciclagem e incineração).

 

Redação Ambiente Brasil


Você vai gostar de ler também

Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Resíduos Ação Social Acidentes Ambientais Aço ACV Agricultura Água de Coco Alimento Alumínio Amianto Amianto crisotila Análise do Ciclo de Vida ANP Aplicação Arsênio Asbestose Ascaréis Aterro Aterro Controlado Aterro Sanitário Bateria de Ni-Cd Baterias Baterias recarregáveis Benefícios Bibliografia Bifelinas policloradas Biomassa Brasil Cádmio Características Chumbo Classes dos resíduos Classificação Coco Verde Código de Cores Coleta Seletiva Combustível Componentes eletrônicos Compostagem Composto Húmico CONAMA Concreto Asfáltico Contaminação Hospitalar Cuidados Curiosidades Curitiba Decomposição Desperdício Dicas Disposição Final Educação Ambiental Efeito prejudiciais Efeito Tóxico Efluentes Embalagens Embalagens Longa Vida Embalagens plásticas Emissões Atmosféricas Emissões de Poluentes Entulhos Esgoto Estatística EXemplos Experiência Fatores Forro Gerenciamento de Resíduos Gestão ambiental Greenpeace Impactos Ambientais Incineração Índices Industrial Isopor Juiz de Fora Jundiaí Lâmpadas Fluorescentes Lata de Aço Latas de alumínio Legislação Lexiviados Lixão Lixo Lixo comercial Lixo doméstico Lixo Infectante Lixo Tecnológico Lodo Lodo de Esgoto Manejo Manganês Meio Ambiente Mercúrio Metais pesados Metal Monitoramento O que é Óleos Automotivos Óleos Industriais Óleos lubrificantes Óleos usados Óleos Vegetais Papel Periculosidade Perigos PET Pilhas Pilhas alcalinas Pilhas secas Plástico Pneus Polpa moldada Postos de Gasilonas Preservação do Meio Ambiente Processo de re-refino Processo de reciclagem Produtos Produtos Químicos Produtos Recicláveis Programas Projetos Reaproveitamento Reciclagem Reciclagem de Alumínio Reciclagem de òleos Reciclagem de pneus Reciclar Recursos Naturais Redução de Emissão Redução de resíduos Reduzir Resíduo Líquido Resíduos Resíduos gasosos Resíduos Hospitalares Resíduos Inertes Resíduos Não Perigosos Resíduos orgânicos Resíduos Perigosos Resíduos Sólidos Resíduos Tóxicos Resolução Reusar Reutilização Riscos à saúde Riscos Ambientais Rochas Graníticas Saco plástico Sacolas plásticas Saneamento Saúde Serviços de lavanderia Soluções Tempo de degradação Tóxico Tratamento Tratamento de Água Tratamento de Efluentes Tratamento especial Usinas Usos Vantagens Vidro Xisto

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2011 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.