Ambiente Gestão

Construção de Barragens

A revegetação de obras de barragem requer técnicas adequadas, sendo importante observar a interação positiva entre adubação mineral com adubação verde, visto que nestas áreas de empréstimo foi removida toda a vegetação e a camada fértil do solo.

Envie para um amigo

 

As barragens propiciam a geração de energia hidrelétrica, o fornecimento de água, a regulagem das cheias e a irrigação. Mas, ao mesmo tempo, podem causar impactos ambientais em larga escala como a inundação de terras de plantio, florestas, jazidas minerais, cidades e povoamentos, a destruição do habitat de animais, plantas e pessoas, afetando as águas subterrâneas, a qualidade da água do rio, o microclima e a infraestrutura. Qualquer obra de engenharia altera as condições ambientais. As hidrelétricas, em particular, agridem os ecossistemas com a construção de obstáculos nos leitos dos rios (barragens), propiciando a formação de reservatórios. Áreas degradadas resultantes de obras hidrelétricas, via de regra, são provenientes de empréstimos para a construção de barragens e obras de apoio ou bota-foras. Também podem ser consideradas áreas degradadas, as áreas de tráfego pesado, britagem, estacionamentos, pátios de estocagem, etc.

A revegetação de obras de barragem requer técnicas adequadas, sendo importante observar a interação positiva entre adubação mineral com adubação verde, visto que nestas áreas de empréstimo foi removida toda a vegetação e a camada fértil do solo. 

 

Objetivos da recuperação de áreas atingidas por barragens:

Evitar o carreamento do solo para o reservatório

Aumentar a resistência das margens à erosão pelo embate

Conservar a genética das espécies nativas

Dar sustentáculo à fauna terrestre e aquática

Formar paisagem

Controlar e erradicar endemias

 

Etapas da Recuperação

Reafeiçoamento do terreno

Proteção dos taludes

Terraceamento

Circulação interna

Recomposição de solo por cobertura

 

Estudos para a revegetalização dos solos, com a análise das dificuldades ligadas:

Aos solos

Ao clima

À vegetação circundante

Às informações dos organismos agronômicos locais (problemas locais específicos para a cultura dos vegetais)

 

Escolha das espécies

As espécies devem ser selecionadas baseadas nas características florísticas de formações florestais remanescentes dentro da própria microbacia e também de outras microbacias, mas com características ambientais semelhantes àquelas da área a ser revegetada.

Algumas espécies arbóreas recomendadas: Acacia meanrsii (acácia-negra), Acacia trinervis (acácia), Eucalyptus viminalis, Mimosa scabrella (bracatinga).

Algumas espécies rastejantes: Eragrostis curvula (capim chorão), Melinis minutiflora (capim gordura). 

 

Plantio e condução das mudas

Abertura das covas

Adubação da terra retirada com o plantio afetuado após 30 dias

Controle das plantas invasoras

Nos dois primeiros anos, faz-se a adubação e o coroamento manual das mudas, sem retirar a matéria seca para manutenção da umidade e controle de infestação.

 

 

Ambiente Brasil



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Gestão 14000 ABNT Acidentes Ambientais Ações Ambientais Administração Agenda 21 Água Alternativa Energéticas Amazônia Ambientais Ambiental Aquecimento global Artigo Avaliação Ambiental Barragens Bens Naturais Bibliografia Camada de Ozônio Capacitação Profissional Carbono Certificação de Produtos Certificado Chuva ácida Ciclo do Carbono Clorofluorcarbonos CO2 Código de Ética Comprometimento Conceito Consciência Ecológica Conscientização Conselhos Ambientais Consumo Sustentável Contabilidade Social Controle COP-9 Credenciamento Créditos Créditos de carbono Crescimento Econômico Curiosidades Custos Dano e efeitos ambientais Degradação Desastres Ambientais Descaso Desenvolvimento Limpo Desenvolvimento Sustentável Desmatamento Desordenada Detritos Dióxido de Carbono Direito Direito Ambiental Direitos Humanos Eco 92 Ecologia Ecomarketing Economia Ecosistema Efeito Estufa Emissão de Gases Emissões de Poluentes Energia Energia Alternativa Energia Renovável Erosão Estado Estatuto Financiamento Fluxo Fotosíntese Fronteira Gestão ambiental Globalização Governo IBAMA Impactos Ambientais Implementação Imposto Indústria Instrumentação Internacional ISO ISO 14001 Kyoto Legislação Lei Licenciamento Limpa Maio Marketing Mecanismo Mecanismos Meio Ambiente Meio-Ambiente Mercado Metrologia Mineração Modelo Mudanças Climáticas Negócios Normalização Normas Ambientais O que é ONGs Operação Organismos OSCIP Papeis verdes Paraná Passivo Planejamento ambiental Políticas Ambientais Poluição Problemas ecológicos Produção sustentável Produtos Projetos Projetos ambientais Propriedade Rural Protocolo Protocolo de Kyoto Pública Qualidade Ambiental Reciclagem Recuperação Ambiental Recursos biológicos Recursos Naturais Recursos Renováveis Redução de Emissão Reflorestamento Reforma tributária Relatório Reservas Resíduos Resíduos Sólidos Responsabilidade Ambiental Responsabilidade Social Resseguradoras Rio +10 Rio 92 Riqueza Roteiro Saneamento Ambiental Sequestro de Carbono SGA Sistema Sobrevivência Socio-ambiental Sustentabilidade Tecnologia Tecnologia Renovável Terceiro Setor Termo de Parceria Transgênicos UNFCCC Urbanização Urbano

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.