Mais perigoso que o terrorismo

q

 

O propósito do nosso relatório intitulado “Um cenário de abrupta mudança climática e suas implicações para a segurança nacional dos Estados Unidos”, preparado pela Rede Global de Negócios (Global Business Network – GBN) para o Departamento de Defesa dos EUA, foi o de imaginar o impensável. Alargamos os limites da atual pesquisa sobre as mudanças climáticas de tal forma que, de posse de novas informações, se entenderiam melhor as diversas e potenciais conseqüências para a segurança nacional dos Estados Unidos. Para elaborar o Relatório, entrevistamos importantes cientistas especializados em mudanças climáticas; realizamos pesquisas adicionais e revimos diversas interações de cenários com esses especialistas. Os cientistas apóiam o projeto, mas advertem que o cenário descrito é exagerado sob dois aspectos: Primeiro: eles sugerem que as ocorrências descritas aconteceriam mais provavelmente em poucas regiões e não globalmente. Segundo: eles dizem que a magnitude do evento pode ser consideravelmente menor. Nós criamos uma hipótese de mudanças climáticas que, apesar de não ser a mais provável, é plausível, e desafiaria a segurança nacional dos Estados Unidos. São hipóteses que deveriam ser levadas em conta imediatamente. Contrariamente ao que foi noticiado, o relatório não foi secreto, e sua versão em PDF pode ser baixada de www.gbn.org.

Sumário executivo do Relatório: Um Cenário de Abrupta Mudança Climática e suas Implicações para a Segurança Nacional dos Estados Unidos.

Há substanciais evidências que indicam que um significante aquecimento global ocorrerá durante o Século 21. Uma vez que as mudanças têm sido graduais até aqui, e serão igualmente graduais no futuro, os efeitos do aquecimento global são potencialmente administráveis para a maioria das nações. Recentes pesquisas, entretanto, sugerem que há possibilidades de que esse gradual aquecimento terrestre possa levar a um relativamente abrupto retardamento no transporte térmico-salino dos oceanos, tornando mais ásperas as condições de temperaturas no inverno, reduzindo sensivelmente a umidade do solo, e aumentando a intensidade dos ventos em certas regiões que atualmente fornecem uma significante parcela da produção mundial de alimentos. Com uma inadequada preparação, o resultado pode ser uma queda substancial na capacidade humana de gerir o ambiente terrestre. 

A pesquisa sugere que caso a temperatura ultrapasse certo ponto, adversas condições de temperatura podem acontecer com relativa rapidez, com persistentes mudanças na circulação atmosférica causando a baixa de temperatura em algumas regiões de 5 a 10 graus Fahrenheit numa simples década. 

Evidências paleoclimáticas sugerem que os padrões climáticos poderiam permanecer alterados por um século, como aconteceu há 8.200 anos atrás. Ou, na pior hipótese, permaneceriam alterados por 1000 anos, como aconteceu durante os “Younger Dryas”, que se iniciaram por volta de 12.700 anos atrás. 

Neste Relatório, como uma alternativa para os cenários de mudança climática gradual que são comuns, nós criamos um cenário de mudança climática abrupta segundo padrões iguais ao evento acontecido há cerca de 8.200 anos atrás. Esse cenário de mudança abrupta é caracterizado pelas seguintes condições: 

 â€¢ Queda da temperatura média anual de até 5 graus Fahrenheit na Ásia, América do Norte e 6 graus Fahrenheit no Norte da Europa. 

 â€¢ Aumento da temperatura média anual de até 4 graus Fahrenheit em áreas chaves na Austrália, América do Sul e Sul da África. 

 â€¢ Seca persistente pela maior parte da década em cruciais regiões agrícolas e nos recursos hídricos de regiões de maior densidade populacional na Europa e Leste da América do Norte. 

 â€¢ Intensificação de ventos e tempestades nos invernos, ampliando os impactos das mudanças. O Oeste da Europa e o Norte do Pacífico sofreriam ventos maiores. O Relatório analisa como tal abrupta mudança poderia potencialmente desestabilizar o meio ambiente geopolítico, levando a escaramuças, batalhas, e até guerras devido às restrições de recursos, com as seguintes ocorrências: 

 â€¢ Escassez de alimentos devido à diminuição da produção global de alimentos. 

 â€¢ Redução na disponibilidade e qualidade de água potável em regiões chaves devido às alterações dos padrões de chuvas, provocando mais freqüentes enchentes e secas. 

 â€¢ Interrupção de acesso à energia devido ao aumento extensivo de gelo no mar e de tempestades. 

Com a redução da capacidade de gerenciamento local e global, tensões poderiam crescer em todo o mundo levando a duas fundamentais estratégias: defensiva ou ofensiva. Nações com recursos poderiam criar virtuais fortalezas em torno de seus paises, preservando seus recursos para si próprios. Nações menos afortunadas, especialmente aquelas com antigos inimigos vizinhos, podem iniciar seus esforços por acesso a comida, água limpa ou energia. Improváveis alianças acontecem quando prioridades de defesa mudam e recursos para sobrevivência são o objetivo em vez de religião, ideologia ou honra nacional.

Este cenário cria novos desafios para os Estados Unidos e sugere diversas medidas a serem tomadas: 

 â€¢ Melhorar futuros modelos climáticos que permitam investigação de uma vasta gama de cenários e que prevejam como e onde as mudanças podem ocorrer. 

 â€¢ Reunir modelos previsíveis de potenciais impactos de uma abrupta mudança climática para melhorar projeções de como o clima pode influenciar alimento, água e energia. 

 â€¢ Criar mecanismos de medição que permitam prever que paises são mais vulneráveis à mudança climática e que por isso possam contribuir materialmente para aumentar a desordem e a violência no mundo. 

 â€¢ Identificar estratégias eficazes, tais como: melhorar a capacidade de gerenciamento da água. 

 â€¢ Ensaiar respostas adaptativas. 

 â€¢ Investigar implicações locais. 

 â€¢ Explorar opções de geoengenharia que controlem o clima. 

Há algumas indicações hoje que o aquecimento global atingiu o patamar onde a circulação térmico-salina pode começar a ser impactada significantemente. Essas indicações incluem observações que documentam que o Atlântico Norte está sendo renovado, nos últimos 40 anos, pelo derretimento de geleiras, aumento de precipitação, e descarga de água doce, tornando-o substancialmente menos salgado. 

O Relatório sugere que, em razão das potencialmente drásticas conseqüências, o risco de uma abrupta mudança climática, apesar de incerta e pouco provável, deve ultrapassar o simples debate científico por se tratar de uma preocupação com a segurança nacional dos Estados Unidos.

Peter Schwartz e Doug Randall
Presidente do Global Business Network e Co-Diretor da GBN Consultoria Prática, respectivamente