Ambiente Energia

O mundo se prepara para a nova era dos combustíveis renovados

A expressiva disponibilidade de água doce e grandes extensões de terras ainda não utilizadas é o que torna o Brasil um País sem competidores na nova era que se inicia para a humanidade.

Envie para um amigo

 

q

 

A expressiva disponibilidade de água doce e grandes extensões de terras ainda não utilizadas é o que torna o Brasil um País sem competidores na nova era que se inicia para a humanidade.

O temor em relação ao fim da era dos combustíveis fósseis e de débâcle da energia nuclear acaba de ser confirmada pela realização, de 28 a 31 de Maio em Bonn, do Fórum Mundial, promovido pelo governo da Alemanha e mais 80 organizações sob o tema “Desafio do Século: Uma Estratégia Global para as Energias
Renováveis”.

O governo alemão toma essa importante iniciativa depois de rejeitar o próprio programa de fissão nuclear, que já respondia por 30% da eletricidade que o país consome e também para favorecer a proposta de tentar aprovar no Parlamento da União Européia a retirada, a partir de 2007, dos impostos sobre fontes de energias renováveis. Ademais, a Alemanha transformou-se na principal potência industrial na geração de energia eólica, batendo o Japão e os EUA, como também consolidou sua intransigente defesa dos objetivos do Protocolo de Kyoto, que objetiva a redução da queima de combustíveis fósseis responsáveis pelas mudanças de clima no Planeta.

É surpreendente e estarrecedora a completa ausência do Brasil nesse importante encontro, considerando que foi o nosso País a única nação que realizou com sucesso o mais importante programa mundial de substituição de gasolina, graças à criação do Proálcool.

A circunstância reflete, igualmente, o profundo retrocesso do Brasil no concerto internacional lembrando que em 1980 - logo após a segunda crise do petróleo ocorrida no ano anterior - na Conferência Mundial de Biomassa, realizada em Atlanta, nos EUA, o programa brasileiro de combustível renovável ocupou mais de 30% do temário, fazendo jus à mensagem inédita, altamente elogiosa, do próprio Presidente Carter, em discurso lido por David Freeman, então Presidente da Tenessee Valley Authority - TVA”.

Hoje o Brasil, conforme seminário recente promovido pelo BNDES, ainda é o maior produtor mundial de álcool combustível, embora seu uso - na versão hidratada - esteja em total decadência -menos de 1% dos carros a álcool no ano passado, em comparação com 96%, em 1986, mesmo sendo produzido pela metade do preço do segundo produtor, os EUA. As condições brasileiras no campo tecnológico tornam o Brasil sem competidor, sendo o único país que não concede qualquer tipo de subsídio, o que ainda permite colocar o produto nas bombas por menos da metade do preço da gasolina.

Os EUA, que acabam de constatar o desastre ecológico causado pelo MTBE (Metil tercil butil éter), substância de origem petroquímica posta em uso para evitar importações de álcool no Brasil e que provocou a contaminação de 50% nos poços de água potável em 31 Estados estadunidenses, aplicam um subsídio de 100% de proteção ao álcool, produzido a partir do milho.

Concomitantemente, as ações bélicas promovidas pelo Governo Bush determinando a ocupação de regiões do mundo diretamente ligadas ao petróleo - Arábia Saudita, Afeganistão e Iraque - bem como a potencial ameaça ao Irã, estão criando em nações que também são grandes consumidoras de petróleo, um crescente interesse quanto à garantia no fornecimento de combustíveis alternativos aos derivados do petróleo tais como os oriundos da biomassa, como o etanol, o “biodiesel”, a partir de óleos vegetais e outros combustíveis renováveis e limpos.

Sendo esses produtos resultantes da captação da radiação solar pela fotossíntese nas plantas, eles são abundantes nas regiões tropicais com expressiva disponibilidade de água doce e grandes extensões de terras ainda não utilizadas. É exatamente isso que torna o Brasil um País sem competidores na nova era que se inicia para a humanidade, conforme será discutido em Bonn, no final deste mês, com vistas à criação de um novo processo civilizacional, a partir de energias renováveis. É inexplicável, por conseguinte, a atual omissão do Brasil nesse encontro em que se discutirá o futuro da humanidade. Temos uma incomparável contribuição a dar, graças às nossas extraordinárias e insuperáveis vantagens comparativas naturais, além da histórica vantagem tecnológica como executores do único programa mundial de sucesso em produção extensiva de energia renovável e limpa, embora submetido a condições financeiras e de mercado internacional de massacre, fruto da pusilanimidade do governo passado e de seu interesse em servir às forças econômicas mundiais o que, de certa forma e para a nossa tristeza, também está acontecendo no atual governo.

José Walter Bautista Vidal Presidente do Instituto do Sol, Engenheiro e Físico Nuclear. Ex-Secretário de Tecnologia Industrial do Ministério da Indústria e do Comércio e principal coordenador do PRÓ-ÁLCOOL



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Energia Ação de Emergência Acidentes Ambientais Acidentes Nucleares Água Águas Profundas Álcool Álcool Etílico Alta pressão Alternativa Energéticas Ambientes Marinhos Angra I Angra II Angra III Aplicação Aproveitamento Armazenamento Arquitetura Bioclimática Artigo Aspectos Socioambientais Aterro Sanitário Atmosfera Modificada Ausência de Emissão Bacias Hidrográficas Biocombutível Biodiesel Biodigestores Biomas Biomassa CaC's Calor da Terra Cana de Açúcar Carvão Carvão Mineral Célula Combustível Célula Fotovoltaica Centro de Defesa Ambiental Césio 137 Chernobyl Co-processamento de resíduos Cogeração Coleta Seletiva Coletor Solar Combustíveis fósseis Combustível Combustível Ecológico Combustível Nuclear Combustível Renovável Combustível Veicular Conservação Ambiental Consumo de Energia Consumo Energético Contaminação Hospitalar Contingências Controle Ambiental Controle de Qualidade Correntes Marítimas Crescimento Econômico Custos Demanda Energética Desenvolvimento Sustentável Distribuição Economia Efeito Fotovoltaico Efluentes Emissão de Gases Emissões de Poluentes Emprego Energia Energia Alternativa Energia Elétrica Energia Eólica Energia Geotérmica Energia Hidrica Energia Limpa Energia Maremotriz Energia não-renovável Energia Nuclear Energia Nucleoelétrica Energia Renovável Energia Solar Energias Renovavéis Engenharia Oceânicas Eólica Etanol Exploração Fauna Flora Marinha Fonte de Combustíveis Fonte não-renovável Fonte Renovável Fontes de Hidrogênio Fontes Energéticas Fontes Orgânicas Fontes Termais Formas de Enxofre Gás Hidrogênio Gás Natural Gases Gases de Efeito Estufa Gases para Embalagens Gasoduto GEE Geração de Energia Gestão ambiental Gestão de Segurança Grau Geotérmico Hidrografia História Horário de Verão Impactos Ambientais Indústria do Carvão Instalação Nuclear Lixo atômico Mar Material radioativo Matriz Energética Medicina Medidas de Segurança Meio Ambiente Mineração Mudanças Climáticas Navios Normas Ambientais O que é Paraná Petróleo Plano de Contingência Plataforma de Exploração Política Energética Potencial Energético Potencial Eólico Potencial Hidrico Potencial Solar Preservação Ambiental PROÁLCOOL Produção de Energia Produção de Gás Produtos Programa de Excelência Projetos ambientais Radiação Nuclear Reciclagem Recuperação Ambiental Recuperação do Óleo Recurso Eólico Recursos Energéticos Recursos Hídricos Recursos Renováveis Redução de Emissão Região Carbonífera Regulamentação Reserva Geológica Reservas Reservatórios Subterrâneos Resfriamento Resíduos Resíduos Agrícolas Resíduos oleosos Resumo Rio Grande do Sul Saneamento Ambiental Setor Agropecuário Setor Transporte Sindicatos Sistema de Cogeração Tecnologia Nuclear Teor de Carbono Termelétrica Three Mile Island Transporte Tratamento de Água Tratamento de Efluentes Tratamento de Resíduos Sólidos Tratamento do Ar Usina Elétrica Usina Nuclear Usinas Eólicas Usinas Termelétricas Vantagens Vazamentos de Óleo Yellow cake Zero Poluição

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.