Ambiente Florestal

Castanha-do-brasil – alguns aspectos silviculturais

A castanha-do-brasil (Bertholletia excelsa H.B.K.), também denominada castanha-do-pará, ocorre nos Estados brasileiros do Acre, Amazonas, Pará, Roraima, e Rondônia, bem como em boa parte do Maranhão, Tocantins e do Mato Grosso. Sua madeira é de ótima qualidade para construção civil e naval, bem como para esteios e obras externas (Loureiro et al., 1979).

Envie para um amigo

 

A castanha-do-brasil (Bertholletia excelsa H.B.K.), também denominada castanha-do-pará, ocorre nos Estados brasileiros do Acre, Amazonas, Pará, Roraima, e Rondônia, bem como em boa parte do Maranhão, Tocantins e do Mato Grosso. Sua madeira é de ótima qualidade para construção civil e naval, bem como para esteios e obras externas (Loureiro et al., 1979).

q

É uma espécie encontrada principalmente em solos pobres, bem estruturados e drenados, argilosos ou argilo-arenosos, sendo que sua maior ocorrência é nos de textura média a pesada. Não é encontrada em áreas com drenagem deficiente nem em solos excessivamente compactados, dando-se bem em terras firmes e altas. Vegeta naturalmente em clima quente e úmido. Ocorre em áreas onde a precipitação média varia de 1400 a 2800 mm/ano, e onde existe um déficit de balanço de água por 2-5 meses. (Clement, 2002).

Seu fruto é um pixídio lenhoso, globoso, com tamanho variável. Recebe o nome de “ouriço”. As sementes ou “castanhas” são de forma angulosa, com tegumento córneo tendo no seu interior a amêndoa, de grande utilidade e alto valor econômico. Seu valor biológico é grande para fins alimentícios, pois a amêndoa desidratada possui em torno de 17% de proteína – cerca de cinco vezes o conteúdo protéico do leite bovino in natura. Fator importante, também, é que a proteína da castanha possui os aminoácidos essenciais ao ser humano. O teor de gordura da amêndoa desidratada é extremamente alto, em torno de 67%. (Nascimento, 1984).

Apresenta várias aplicações: a) “ouriços” como combustível ou na confecção de objetos, mas o maior valor é a amêndoa, alimento rico em proteínas, lipídios e vitaminas podendo ser consumida ou usada para extração de óleo; b) do resíduo da extração do óleo obtém-se torta ou farelo usada como misturas em farinhas ou rações; c) “leite” de castanha, é de grande valor na culinária regional; c) madeira com boas propriedades. Mas, tendo em vista ser uma árvore protegida por lei seu fruto tem elevado valor econômico como produto extrativo florestal.

1 Pesquisador da Embrapa Rondônia – Porto Velho- Rondônia– shockloca@enter-net.com.br

2 Professor do Curso de Geografia- Universidade Federal de Rondônia – Porto Velho- Rondônia

3 Pesquisador CNPq/CEPLAC-SUPOC- Porto Velho- Rondônia

4 Bolsista CNPq/PBIC- Embrapa Rondônia – Porto Velho - Rondônia


Os principais consumidores de castanha-do-brasil estão nos Estados Unidos e Europa-Reino Unido, Alemanha e Itália, principalmente. O mercado doméstico é um percentual muito pequeno do mercado consumidor total influenciado pelos preços internacionais e níveis de renda local.

No que se refere à produção de frutos, a castanha-do-brasil tem importância social muito grande na região amazônica, já que a quase totalidade da produção é exportada, principalmente para Estados Unidos, Alemanha e Inglaterra. (Villachia, 1996).

A castanha-do-brasil é excelente opção para o reflorestamento de áreas degradadas de pastagens ou de cultivos anuais, ao lado de outras espécies florestais. Hoje em dia, a exploração de exemplares nativos é proibida pelo Decreto n° 1282, de 19/10/1994 que não impede seu plantio com a finalidade de reflorestamento (plantios puros e sistemas consorciados).

Dados de plantios de castanha-do-brasil em diferentes espaçamentos e com diferentes idades (35 a 156 e 480 meses) no estado de Rondônia (Locatelli et. al., 2002), tem demonstrado que:

  • A castanheira é uma espécie com potencial silvicultural para reflorestamento com fins madeireiros.
  • Para a castanheira aos 220 meses de idade o diâmetro estimado é de 44,31 cm, apto para a produção de madeira, com tendência a estabilizar depois dos 390 meses de idade. Após este período o incremento é de apenas 0,64 cm em 7,5 anos.
  • O incremento estimado em altura total da castanheira aos 220 meses de idade é de 25,72m com tendência a estabilização após esta idade, pois em 140 meses a altura total tem um incremento de apenas 0,14m.
  • Quando observamos dados de plantio em consórcio, verificamos que a sobrevivência é menor. O DAP não é influenciado por este tipo de plantio. No que diz respeito à altura observou-se que é favorecida pelo plantio consorciado. No plantio em consórcio, as plantas apresentam fuste com boas características comerciais.


Nos povoamentos florestais de castanha estudados, a altura total e o diâmetro (DAP) máximos encontrados foram de 29,79 m e 57,50 cm respectivamente. Na idade de 40 anos estes resultados diferem dos obtidos por Yared et. al. (1992) em medição efetuada em Manaus, AM, que verificaram 23,9 m de altura total e 69,1 cm de DAP.

A análise química do solo de plantio de castanha-do-brasil (argissolo vermelho amarelo distrófico plíntico, textura argilosa) em Porto Velho, Rondônia demonstra que a castanha-do-brasil apresenta bom desenvolvimento em altura e diâmetro quando em solos com pH ácido, baixos valores de saturação de bases, solo distrófico, baixa capacidade de troca de cátions e altíssimos valores de saturação de alumínio (Locatelli et. al., 2003).



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CLEMENT, C.R. Brazil nut. Disponível em http://www.fao.org/docrep/v0784e/v0784e0k.htm. Acesso em 30 maio 2002.

LOCATELLI, Marilia; MARTINS, Eugênio Pacelli; VIEIRA, Abadio Hermes; PEQUENO, Petrus Luiz de Luna; SILVA FILHO, Eliomar Pereira da; RAMALHO, André Rostand.Plantio de castanha-do-Brasil: uma opção para reflorestamento em Rondônia. Porto Velho: EMBRAPA:CPAF-Rondônia, 2002. (Recomendações Técnicas,60).

LOCATELLI, Marilia; SILVA FILHO, Eliomar Pereira da; VIEIRA, Abadio Hermes; MARTINS, Eugênio Pacelli; PEQUENO, Petrus Luiz de Luna. Características de solo sob cultivo de castanheira (Bertholletia excelsa H.B.K.) em Porto Velho, Rondônia, Brasil. Primeira Versão, Porto Velho, n. 168, p. 1-8, 2003.

LOUREIRO, Arthur A.; SILVA, Marlene F.; ALENCAR, Jurandyr da Cruz. Essências madeireiras da Amazônia. Manaus: INPA, 1979. v. 1.

NASCIMENTO, C.N.B. do.Amazônia: meio ambiente e tecnologia agrícola. Belém, EMBRAPA-CPATU, 1984. 282p. (EMBRAPA-CPATU, Documentos, 27).

VILLACHIA, HUGO. Frutales y hortalizas promisorios de la Amazônia.

Lima: Tratado de Cooperacion Amazônica, 1996.p. 85-95.

YARED, J. A. G.; KANASHIRO, M., VIANA, L. M.; CASTRO, T. C. A. de; PANTOJA, J. R. de S. Comportamento silvicultural da castanheira (Bertholletia excelsa H. & K.), em diversos locais da Amazônia. In: CONGRESSO FLORESTAL PANAMERICANO = PANAMERICAN FORESTRY CONGRESS, 1.; CONGRESSO FLORESTAL BRASILEIRO = BRAZILIAN FORESTRY CONGRESS, 7., 1993, Curitiba. Anais... Curitiba: SBS, 1993. v. 2. Trabalhos voluntários e posters. Acima do título: Floresta para o desenvolvimento: política, ambiente, tecnologia e mercado.

 

Marília Locatelli 1 Abadio Hermes Vieira 1 Eliomar Pereira da Silva Filho 2 Petrus Luiz de Luna Pequeno 3 Rafael de Souza Macedo 4



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Florestal Agricultura Agrossilvicultura Agrossilvipastoril Água Alimentação Amanita Amazônia Amostragem Animais silvestres Araucária Área de Preservação Área Protegida Artigo Banco de Sementes Bibliografia Biodiversidade Borracha Bracatinga Brotação Características Carregamento Carvão Castanha-do-brasil Celulose Cerrado Certificação de Produtos Certificação Florestal Certificado Certificado Fitossanitário CFOC Classificação Cobertura Florestal Comércio Conceito Consciência Ecológica Conservação Ambiental Consumo de Madeira Controle Controle Ambiental Copaíba Cortiça Culinária Curiosidades Custos Dados Dano e efeitos ambientais Desbastes Descascamento Desenvolvimento Sustentável Desmatamento Doenças Dossel Economia Erva - Mate Espaçamentos Espécies Espécies Exóticas Estatística Estradas Estrutura Estrutura Fundiária Eucalipto EXemplos Exploração Extinção Extração Fitossociológico Floresta Tropical Florestal Florestas Fluxograma Fogos Fomento Fragmentação Fungo Geneticamente Modificados Genoma Gestão ambiental Gestão Florestal Governo Herdabilidade Incêndio Indústria Instituições Invasão Biológica Inventário Florestal IPAM Látex Legislação Lista Espécies Localização Lodo de Esgoto Macaco Madeira Manejo Manejo Florestal Mapa Matas Ciliares Material Genético Melhoramento Genético Mercosul Miltiplicação Vegetativa Mogno Monitoramento Nomenclatura Normalização Normas Ambientais Objetivos ONGs Operação Palmito Palmito Juçara Paraná Pasta Patauá Perguntas Permacultura Pinhão Pinus Planejamento ambiental Plantas Plantio PNF Poda Poluição Praga Premissas Preservação Ambiental Prevenção Princípios Privado Produção Produtos Produtos Madereiros Projetos Projetos ambientais Proteção Pública Qualidade da Madeira Queimada Recuperação Ambiental Reflorestamento Segurança Seleção Selos Sementes Seringueira Silvicultura Silvipastoril Sistema Agroflorestais Solos Substrato Sustentabilidade Técnicas Tipos de viveiros Transporte Uso do Solo Usos Vantagens Vegetação Vespa da Madeira Viveiros

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.