Ambiente Energia

Haverá vida na Terra depois do petróleo?

Talvez fosse melhor inverter os termos e chamar o artigo de: "Haverá petróleo para o gênero de vida criado pela sociedade industrial?". O único tipo de desenvolvimento econômico que conhecemos é intensivo em energia.

Envie para um amigo

 

Talvez fosse melhor inverter os termos e chamar o artigo de: “Haverá petróleo para o gênero de vida criado pela sociedade industrial?”. O único tipo de desenvolvimento econômico que conhecemos é intensivo em energia. À medida que se desenvolvam, os habitantes dos países em desenvolvimento terão de passar do atual consumo insignificante de energia – 0,75 TEP (tonelada de equivalente de petróleo por pessoa/ano) – a algo entre 2 e 3 TEPs, o que não é exagerado, pois os desenvolvidos têm índice de 4,5 TEP pessoa/ano. Isso significa que, em 2050, quando a população dos mais pobres for de 9 bilhões de habitantes, o consumo mundial de energia terá passado de menos de 9 bilhões de TEP para a cifra colossal de 25 bilhões a 30 bilhões! Esse futuro, aliás, já começou, pois é, em grande parte, a pressão da China e, em grau menor, a da Índia que estão alterando o perfil da demanda energética.

q

É óbvio que apenas parte desse choque gigantesco de demanda poderá ser atendida pelo petróleo. O resto terá de vir de outras fontes, alternativas ou tradicionais. É por isso que modalidades altamente poluidoras de energia, como o carvão, têm pela frente brilhante futuro assegurado. Nessa equação, o papel da oferta de petróleo é garantir a produção de 120 milhões de barris para 2025, aumento de 50% do nível corrente, apenas para satisfazer o crescimento da demanda específica por óleo, que é de 1,9% ao ano. Ora, até isso, que representa muito menos que a demanda por energia em geral, é hoje objeto de controvérsia.


Na discussão sobre a capacidade de a oferta fazer face a esse desafio, há duas correntes principais. De um lado, estão os que dão ênfase aos limites físicos de produção do óleo, derivados da geologia e da tecnologia disponível para extrair o petróleo a custos competitivos. Do outro, ficam os que privilegiam fatores econômicos e geopolíticos. O que complica a tarefa do leigo desejoso de ver claro na confusão das posições contraditórias é ser a indústria petrolífera uma das menos transparentes da economia. Nela, o recurso à contra-informação é moeda corrente. A falsificação de cifras de produção é habitual, do mesmo modo que a do nível das reservas, a que não escapam até empresas prestigiosas, como a Shell.

É em relação aos limites físicos e geológicos da extração que se situa o debate sobre o esgotamento das reservas e o atingimento do chamado “Pico de Hubbert”, do nome do geólogo estadunidense King Hubbert, o primeiro a calcular, 50 anos atrás, quando se atingiria, na produção, o ponto mais alto a partir do qual o declínio e a conseqüente explosão dos preços se tornariam irreversíveis. Veja bem, ninguém nega que, algum dia, o petróleo vai acabar, já que é recurso finito. O que se discute é quando. Os pessimistas, minoritários na indústria, afirmam que o pico será atingido entre 2007 e 2010, depois de amanhã, portanto. Os otimistas apostam entre 2020 e 2030. A previsão mais otimista é a do Departamento de Energia dos EUA, que indica que o pico seria alcançado entre 2030 e 2075.

Asseveram os céticos que, durante muito tempo, as grandes companhias subestimaram as reservas em cerca de 30%, criando uma reserva não-declarada que lhes permitiu, ano após ano, reavaliar a capacidade, mascarando o fato de que, há 20 anos, os volumes descobertos são inferiores aos consumidos. É verdade que a evolução das reservas tem refletido, sobretudo, a reavaliação permanente e sempre para mais de jazidas já conhecidas, mais que descobertas novas. Os pessimistas calculam as reservas mundiais em 780 bilhões de barris, ao passo que as empresas e fontes convencionais afirmam que elas estariam em pouco mais de 1,1 trilhão, do qual 65,4% no Oriente Médio.

O que ninguém pode negar é que, desde 2000, quando se descobriu o campo gigante de Kashagan, no Cazaquistão – a maior descoberta em 30 anos –, não se encontrou nenhum campo comparável, e as reservas globais descobertas caíram 40% em comparação com a expansão registrada nos quatro anos anteriores.

Entre 2001 e 2003, apenas 6 das 15 principais firmas produtoras conseguiram repor integralmente o óleo que bombearam do solo. Para os que duvidam da explicação baseada nas limitações geológicas, a razão da baixa taxa de reposição é de natureza econômica. A visão de curto prazo, característica de um tipo de economia dependente do chamado “valor para o acionista”, fez com que as companhias cortassem em 27% o orçamento de exploração, no momento em que pagam dividendos cada vez mais altos, possibilitados pelos bons preços.

O custo, em longo prazo, é comprometer as reservas num setor no qual a falta de investimento agora só se fará sentir plenamente em dez anos.

Para essas grandes companhias, a melhor opção é ganhar acesso fácil à região que concentra dois terços das reservas já localizadas e de fácil exploração: o Oriente Médio.

O problema é que, após anos de negociações no âmbito da Organização dos Países Exportadores de Petróleo - OPEP, nem a Arábia Saudita nem o Kuait aceitaram a volta das “majors”, para não falar do Irã, fechadíssimo como sempre, nem do Iraque, cuja porta vem sendo aberta do jeito que todos sabem.

Não há alternativa inteiramente satisfatória, pois a Rússia além da incerteza política deve, segundo muitos consultores, atingir o pico em 2007/08, enquanto a África ocidental é também zona de instabilidade crônica. Outro fator complicador é que, mesmo se tudo der certo e os campos do golfo voltarem a acolher os ocidentais, o resultado líquido será o aumento da dependência do mundo em relação ao mais problemático dos pontos quentes de toda a geopolítica universal.

Como se pode deduzir dessa análise, a maior parte da oferta terá de provir do Oriente Médio, cuja produção deverá dobrar exigindo investimen tos estimados em perto de US$ 30 bilhões por ano, durante muito tempo. É concebível esperar clima de estabilidade política que viabilize tal nível de investimento na região do Planeta com o mais intenso índice de conflito por metro quadrado de deserto?

Revista Eco 21, Ano XIV, Edição 96, Novembro 2004. (www.eco21.com.br)



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Energia Ação de Emergência Acidentes Ambientais Acidentes Nucleares Água Águas Profundas Álcool Álcool Etílico Alta pressão Alternativa Energéticas Ambientes Marinhos Angra I Angra II Angra III Aplicação Aproveitamento Armazenamento Arquitetura Bioclimática Artigo Aspectos Socioambientais Aterro Sanitário Atmosfera Modificada Ausência de Emissão Bacias Hidrográficas Biocombutível Biodiesel Biodigestores Biomas Biomassa CaC's Calor da Terra Cana de Açúcar Carvão Carvão Mineral Célula Combustível Célula Fotovoltaica Centro de Defesa Ambiental Césio 137 Chernobyl Co-processamento de resíduos Cogeração Coleta Seletiva Coletor Solar Combustíveis fósseis Combustível Combustível Ecológico Combustível Nuclear Combustível Renovável Combustível Veicular Conservação Ambiental Consumo de Energia Consumo Energético Contaminação Hospitalar Contingências Controle Ambiental Controle de Qualidade Correntes Marítimas Crescimento Econômico Custos Demanda Energética Desenvolvimento Sustentável Distribuição Economia Efeito Fotovoltaico Efluentes Emissão de Gases Emissões de Poluentes Emprego Energia Energia Alternativa Energia Elétrica Energia Eólica Energia Geotérmica Energia Hidrica Energia Limpa Energia Maremotriz Energia não-renovável Energia Nuclear Energia Nucleoelétrica Energia Renovável Energia Solar Energias Renovavéis Engenharia Oceânicas Eólica Etanol Exploração Fauna Flora Marinha Fonte de Combustíveis Fonte não-renovável Fonte Renovável Fontes de Hidrogênio Fontes Energéticas Fontes Orgânicas Fontes Termais Formas de Enxofre Gás Hidrogênio Gás Natural Gases Gases de Efeito Estufa Gases para Embalagens Gasoduto GEE Geração de Energia Gestão ambiental Gestão de Segurança Grau Geotérmico Hidrografia História Horário de Verão Impactos Ambientais Indústria do Carvão Instalação Nuclear Lixo atômico Mar Material radioativo Matriz Energética Medicina Medidas de Segurança Meio Ambiente Mineração Mudanças Climáticas Navios Normas Ambientais O que é Paraná Petróleo Plano de Contingência Plataforma de Exploração Política Energética Potencial Energético Potencial Eólico Potencial Hidrico Potencial Solar Preservação Ambiental PROÁLCOOL Produção de Energia Produção de Gás Produtos Programa de Excelência Projetos ambientais Radiação Nuclear Reciclagem Recuperação Ambiental Recuperação do Óleo Recurso Eólico Recursos Energéticos Recursos Hídricos Recursos Renováveis Redução de Emissão Região Carbonífera Regulamentação Reserva Geológica Reservas Reservatórios Subterrâneos Resfriamento Resíduos Resíduos Agrícolas Resíduos oleosos Resumo Rio Grande do Sul Saneamento Ambiental Setor Agropecuário Setor Transporte Sindicatos Sistema de Cogeração Tecnologia Nuclear Teor de Carbono Termelétrica Three Mile Island Transporte Tratamento de Água Tratamento de Efluentes Tratamento de Resíduos Sólidos Tratamento do Ar Usina Elétrica Usina Nuclear Usinas Eólicas Usinas Termelétricas Vantagens Vazamentos de Óleo Yellow cake Zero Poluição

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.