Ir direto para o conteúdo

Ambiente Brasil. O maior Portal de Meio Ambiente da América Latina

 

 Ambiente Urbano

Poluição Visual Urbana

A poluição visual é um problema visível na atualidade, e a seguir serão apresentadas as melhorias que podem ser feitas, e algumas atitudes tomadas por alguns órgãos públicos.

Envie para um amigo

 

 

Ao se tratar de poluição, dificilmente as pessoas se recordam da poluição visual. Entende-se como poluição visual em áreas urbanas a proliferação indiscriminada de “outdoors”, cartazes, formas diversas de propaganda e outros fatores que causem prejuízos estéticos à paisagem urbana local.

A poluição visual é um problema visível na atualidade, e a seguir serão apresentadas as melhorias que podem ser feitas, e algumas atitudes tomadas por alguns órgãos públicos.

Segundo GORDON os anúncios e publicidades nas ruas, embora quase ignorados pelos urbanistas, constituem uma contribuição bastante óbvia e freqüente para a paisagem urbana sendo considerada neste aspecto a maior do século XX.

Algumas razões para se controlar a publicidade de rua seriam o fato dos anúncios serem inconvenientes e, portanto contrários ao bem-estar das populações; invadirem os espaços públicos, fazendo com que os habitantes não tenham outra opção a não ser  reparar neles; banalizarem o ambiente, degradando o gosto popular, além de distraírem os condutores nas vias.

Juntamente com a poluição sonora, a poluição visual causa graves males à saúde, agredindo a sensibilidade humana, influenciando a mente, afetando mais psicologicamente do que fisicamente. Este tipo de poluição é a que menos recebe atenção por parte do governo e das pessoas em geral. O problema preocupa, mas é renegado a segundo plano, justamente por suas conseqüências não serem tão visíveis.

O suceder de placas, painéis, cartazes, cavaletes, faixas, banners, infláveis, balões, totens, outdoors, back-lights, front-lights, painéis eletrônicos e painéis televisivos de alta definição, além de causar agressões visuais e físicas aos "espectadores", retiram a possibilidade dos referenciais arquitetônicos da paisagem urbana, transgridem regras básicas de segurança, aniquilam as feições dos prédios obstruindo aberturas de insolação e ventilação, deixam a população sem referencial de espaço, estética, paisagem e harmonia, dificultando a absorção das informações úteis e necessárias para o deslocamento. Tudo isso sem contar as pichações e grafitismo nos monumentos, nos prédios públicos e particulares e, nos equipamentos urbanos. Talvez a conseqüência mais funesta da poluição visual seja a descaracterização do conjunto arquitetônico, especialmente observada no centro e nos bairros históricos das cidades.

 

q

Espaço 

q

Banners em postes e muros
 

q

Espaço   

q

Poluição Visual presente nas Edificações

q

Espaço

q

Pichações e Grafitismo

 

Mesmo com todos os procedimentos de tombamento e preservação do patrimônio histórico, não justifica uma garantia para sua devida conservação. Seria falta de uma legislação adequada específica para esse caso?

A Constituição Federal confere à União a competência legislativa para editar normas gerais sobre o meio ambiente. Embora não tenha definido o que se deve entender por "normas gerais", pode-se conceber como nelas inclusas aquelas definidoras de políticas nacionais, conceitos e padrões a serem observados, em caráter uniforme, em todo o território nacional. E assim deve ser, posto que se não houvesse a possibilidade da União estabelecer padrões gerais, a produção de normas de controle ambiental, em caráter apenas regional, ocasionaria uma disputa perigosa entre os Estados.

A Lei 6.938/81 que dispõe sobre Política Nacional do Meio Ambiente, prevê expressamente em seus princípios a proteção e recuperação das áreas ameaçadas de degradação. Define o meio ambiente, a degradação e a poluição de modo geral, fazendo inserir a estética além do bem estar e saúde, na proteção à degradação (art 3°, III, alínea d). Define poluidor como a pessoa física ou jurídica, de direito público ou privado, responsável direta ou indiretamente por atividade causadora de degradação. Prevê pena administrativa aos causadores da degradação independente da responsabilização civil e penal de seus agentes. Trata do licenciamento prévio das atividades efetivas ou potencialmente poluidoras ( art. 9º inciso lV ), e reverencia o princípio do poluidor pagador e sua responsabilidade objetiva em seu art.14. § 1º.

A chamada Lei dos Crimes Contra o Meio Ambiente (Lei 9.605/98, ainda não regulamentada) em sua Seção II - Da Poluição e outros Crimes Ambientais - art. 54, faz menção a "causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora". As penas são de reclusão e detenção. No seu art. 65 prevê, expressamente, "pichar, grafitar ou por outro meio conspurcar edificação ou monumento urbano" As penas são de detenção e multa. Interessante notar que os pichadores ou grafiteiros sempre levaram vantagem na questão da responsabilização e penalização dos seus atos, pois as normas vigentes não definiam, expressamente, a tipicidade desse crime. Hoje, apesar de constar o crime, com todas as letras, no art. 65 é quando mais vemos a cidade inundada por este ato de vandalismo.

A Lei 12.115/96 que dispõe sobre anúncios na paisagem do município de São Paulo, responsabiliza os anunciantes pelas infrações cometidas, com multa, cancelamento da licença e remoção do anúncio. São penas administrativas assim como as do artigo 14 da Lei de Política Nacional do Meio Ambiente, porém com proporções diferenciadas. Dentre as infrações coibidas estão: exibir anúncio sem licença, em desacordo com as dimensões, fora do prazo da licença, sem identificação, em mau estado de conservação etc. Não se pode dizer que tal lei tenha vindo para refrear o caos visual da cidade, dada a sua inspiração altamente permissiva. Enquanto à Secretaria da Habitação e Desenvolvimento Urbano do Município (SEHAB) através do CASE e o CADAN, incumbe aprovar, licenciar, cadastrar e inscrever os anúncios, as Administrações Regionais, que são órgãos da Secretaria das Administrações Regionais, têm a competência da fiscalização sobre tais mensagens publicitárias. Aqui já se vê a dispersão da força do poder de polícia municipal. A Secretaria que regula, aprova, registra, inscreve e cadastra não é a mesma que fiscaliza, gerando assim um estrangulamento das funções.

Compete à Comissão de Proteção à Paisagem Urbana (CPPU), órgão consultivo e deliberativo, pertencente à SEHAB, apreciar e decidir recursos interpostos pelos interessados, em grau de quarta instância, contra os despachos do Secretário da SEHAB nos processos e emitir pareceres técnicos sobre os anúncios de finalidade cultural. Também é atribuída à CPPU a emissão de pareceres quando a legislação se mostrar omissa frente à uma solicitação ou, nos casos explicitados no artigo 18, sobre anúncios a serem instalados em áreas superiores a 5 mil metros quadrados.

Inobstante, é óbvio que a legislação ambiental existente - a Lei Política Nacional do Meio Ambiente e a Lei dos Crimes Ambientais - somada à legislação municipal de ordenação dos anúncios na cidade (Lei 12.115/96) e porque não dizer, com o auxílio do código penal, são mais que suficientes para evitar esta degradação necessitando somente a vontade política de aplicá-las. Apesar de todo o aparato legal, o Poder Público, além de falhar em seu papel regulamentador e fiscalizador da publicidade, utilizando-se de mecanismos permissivos, mercantiliza os espaços públicos em nome de duvidosos benefícios. Um exemplo disso é o aperfeiçoamento dos antigos mecanismos de parcerias chamados de "termos de cooperação", que por ausência de regulamentação do artigo 70 da lei em comento, fica delegada às administrações regionais a competência para estabelecerem as "trocas" que acharem convenientes (inclusive o uso de equipamento público para fixação das placas de anúncios diversos até as indicativas de imóveis postos à aluguel ou à venda).

Em Curitiba há um projeto de controle da poluição visual. Suas principais metas são: a melhoria da acessibilidade à região; o aumento da segurança pessoal e patrimonial e a criação de incentivos para a preservação da paisagem urbana. Entretanto, é preciso mais. É preciso que as gerações futuras sejam preparadas para atuar como agentes de mudança e, para isso, é imprescindível a colaboração dos meios de comunicação de massas, dos educadores, dos intelectuais, das Universidades. Não há legislação no mundo que possa compensar a falta de vontade política. Enquanto a poluição visual for tratada como a paciente que ainda não inspira cuidados, a paisagem urbana continuará sofrendo de doença terminal. Retardar o tratamento poderá inviabilizar a cura.

 

A necessidade da qualidade da paisagem urbana

Não é possível definir com precisão a qualidade de uma paisagem, já que não se pode afastá-la de avaliações subjetivas, mesmo que se queira.

Constitui-se Paisagem Urbana o conjunto de tudo o que forma o espaço público urbano: ruas, calçadas, praças, equipamentos, vegetação, rios. Coordenar de maneira equilibrada o uso desses elementos é o principal objetivo do Planejamento Paisagístico, peça importante do Planejamento Urbano.

Toda a concepção da Paisagem Urbana deve considerar as demandas, dentro da capacidade de oferta dos espaços, levando em conta fatores como a questão ambiental e o bem-estar da população.

 

A deterioração da paisagem urbana e a visão do turista e a imagem  da cidade no turista

A poluição visual, que está atingindo níveis alarmantes, nada mais é do que um aspecto, nem sempre devidamente ressaltado, da desordem urbana que impera nos grandes centros. É comum ao passarmos pelos centros comerciais de grandes cidades como São Paulo, Belo Horizonte, Curitiba, Campinas etc e sermos "bombardeados" por propagandas espalhadas por todos os cantos. Muitos dos problemas estão diretamente relacionados com a poluição visual, influenciando a vida dos moradores das cidades. Dentre estes problemas, podem ser descritos:

  • A desordenação de elementos presentes na paisagem (equipamentos e mobiliário urbano tais como placas de ruas, placas de trânsito, bancas, cabines telefônicas, postes de iluminação pública, lixeiras, floreiras, etc.) torna difícil a compreensão dos espaços da cidade;
  • O recobrimento da fachada dos edifícios por meio de anúncios publicitários e a colocação de anúncios cada vez maiores e em grande quantidade mascaram a identidade dos espaços da cidade, tornando-os todos semelhantes, dificultando a orientação do cidadão e escondendo seus marcos referenciais, aqueles que fazem com que uma cidade se diferencie das outras (sítios naturais, monumentos, edifícios históricos, praças, parques, etc.). Os anúncios passam a ocupar o lugar destes marcos de referência;
  • A colocação de publicidade em locais onde impede ou prejudica a sinalização do trânsito pode causar problemas de segurança aos cidadãos.

Assim, percebe-se que a poluição visual é um problema urbano mais grave do que se imagina, causando danos à estrutura urbana e também prejudicando principalmente a qualidade de vida de sua população.

De alguns anos para cá, alguns profissionais liberais, principalmente arquitetos, estão desenvolvendo campanhas em várias cidades brasileiras no intuito de reduzirem a poluição visual, num sentimento de indignação com as transformações na paisagem urbana pelo excesso de propagandas.

No Brasil, talvez o passo mais marcante no combate à poluição visual tenha sido dado em São Paulo, na gestão de Marta Suplicy, que resolveu adotar medidas "anti-sujeira" para chamar a atenção da população para o assunto no início de seu governo. Nesta ocasião foi criado o projeto BELEZURA, que realiza a retirada de outdoors irregulares no município. Houve ainda a elaboração do projeto de Lei de Proteção à Paisagem Urbana, cujo texto foi preparado pela equipe do Instituto Florestan Fernandes. Este projeto trouxe novas regras disciplinares para veiculação de placas, mensagens, cartazes e outdoors na cidade.

A partir da Segunda Guerra Mundial quando a cidade é visionada como um grande causador de estresse devido ao desenvolvimento industrial; na evolução dos estudos destas questões, surge outro tipo de indústria como contraponto a indústria do turismo que na época designava somente o turismo de lazer, e mais recentemente o turismo urbano amplia sua área de abrangência nas modalidades de eventos e negócios.

Foi na Revolução Industrial que as cidades incharam, as indústrias se instalavam nas imediações ou dentro dos limites dos municípios devido à facilidade de aquisição de matéria prima na região e da garantia do comércio, além de transformar toda a Geografia da região. O sistema de produção privilegia o crescimento das indústrias e simultaneamente o crescimento das cidades tornando-as grandes consumidoras.

O turismo nasce da necessidade do cidadão urbano em criar alternativas de relaxamento diante da pressão diária que sofre na cidade. Tais alternativas foram conquistadas sobre leis trabalhistas de onde o trabalhador dispõe de férias para descansar de tal pressão. As viagens programadas começam a despontar para facilitar e economizar tempo para estes cidadãos, e tais programações são projetados e direcionados ao turismo de massa. Portanto, é na cidade que o turismo é elaborado devido a sofisticação dos serviços para sua realização, serviços esses baseados na comunicação envolvendo áudio, visual e audiovisual.

O turismo urbano apresenta três aspectos territoriais e segundo RODRIGUES (1997) são definidas:

  • Áreas de dispersão - a formação da demanda se dá nas metrópoles, grandes e médias cidades.
  • Transportes - a demanda se desloca em linhas de redes através de fluxos aéreos, terrestres, fluviais ou marítimos.
  • Núcleo receptor - local onde se produz ou reformula o espaço turístico para recepcionar a demanda. As principais áreas de núcleo receptor estão onde há concentração de recursos paisagísticos, em particular os da orla litorânea devido as várias formas de recreação ao ar livre.

A atração por estas áreas é universal e se torna acessível devido a infra-estrutura implantada. Porém, as conseqüências de uma expansão acelerada necessitam de uma atenção, um planejamento que é fundamental através de especialistas nas áreas de urbanização, projetando a cidade para uma maior demanda, organizando manutenções e ampliações nas malhas rodoviária, ferroviária, aeroporto e porto.

O turismo urbano encontra apoio na organização política e econômica do país, e seu caráter revitalizador está na função recreativa e cultural com suas diversas expressões: espetáculos, exposições, meios de comunicação e entretenimento. A cidade põe a disposição todo o seu acervo de elementos acumulados ao longo de sua história, transmitindo uma imagem própria e realizando as atividades a ela vinculada.

Em cinco anos (1991-1996) a Região Metropolitana de Curitiba foi a que mais cresceu no Brasil conforme o IBGE atingindo 3,4%. Enquanto que Curitiba no mesmo período apresentou o índice de 2,3% ao ano de crescimento populacional, outras cidades chegaram ao elevado índice de 12%, caso este de Campina Grande do Sul. Nestes casos tivemos um inchamento e um grande problema com as pichações, aumentando significativamente a Poluição Visual na Capital e na Região Metropolitana.

E como conclusão chegamos aos instrumentos legais são fartamente oferecidos aos poderes públicos para coibir a degradação pela Poluição Visual. Assim, ainda que em âmbito municipal tais instrumentos sejam permissivos, nada impede que os mecanismos hierarquicamente superiores sejam usados para salvar os municípios. Vale lembrar, o princípio basilar em direito ambiental, de que norma inferior não poderá ser mais benéfica que norma superior no tocante a preservação e defesa ambiental. Admite-se, em normas inferiores, a possibilidade de restringir os limites das normas superiores, mas nunca ampliá-los.

 

Roberto Hermínio França Júnior - Engenheiro civil



Publicidade

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2011 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.