Ir direto para o conteúdo

Ambiente Brasil. O maior Portal de Meio Ambiente da América Latina

 

 Ambiente Resíduos

Reciclagem de Vidro

O principal componente do vidro é a sílica, é possível fazer vidro só com a fusão da sílica. Boa parte dessas matérias primas é importada ou provém de jazidas em franco esgotamento.

Envie para um amigo



O vidro é uma mistura de areia, barrilha, calcário, feldspato e aditivos que, derretidos a cerca de 1.550°C, formam uma massa semi-líquida que dá origem a embalagens ou a vidros planos. O principal componente do vidro é a sílica, é possível fazer vidro só com a fusão da sílica. Boa parte dessas matérias primas é importada ou provém de jazidas em franco esgotamento. Além destas substâncias, existem pequenas quantidades de outras impurezas derivadas da matéria-prima, por exemplo, óxido de ferro, além de outras que podem ser adicionadas intencionalmente de acordo com a qualidade do vidro, por exemplo, corantes (metais como o ferro, cobalto, cromo e manganês).

Existem vários tipos de vidros, dentre eles:

  • Vidro soda-cal (vidro comum): 90% do vidro fabricado.
  • Vidro borosilicato (contém óxido de boro). Ex.: Pyrex.
  • Vidro de chumbo (contém óxido de chumbo). Ex.: Cristal.
  • Vidros especiais (fórmulas especiais).
  • A temperatura de fusão do vidro varia com o tipo.

 

q

Na reciclagem do vidro, o caco funciona como matéria-prima já balanceada, podendo substituir o feldspato que tem função fundente, pois o caco precisa de menos temperatura para fundir. Os cacos devem ser separados por cor (transparente, marrom e verde). O vidro comum funde a uma temperatura entre 1000oC e 1200oC, enquanto que a temperatura de fusão da fabricação do vidro, a partir dos minérios, ocorre entre 1500oC e 1600oC. Nota-se assim que a fabricação do vidro a partir dos cacos economiza energia gasta na extração, beneficiamento e transporte dos minérios não utilizados. A economia de energia é a principal vantagem do processo, em termos econômicos, pois reflete na durabilidade dos fornos.

O Brasil, no entanto,  só recicla 14,2% do vidro que consome, o restante ficando em algum lugar na natureza por tempo indeterminado.


Classificação de sucatas de vidro

Recicláveis Não - Recicláveis
Garrafas de bebida alcoólica e não alcoólica (refrigerantes, cerveja, suco, água, vinho, etc) Espelhos, vidros de janela e box de banheiro, lâmpadas, cristal
Frascos em geral (molhos, condimentos, remédios, perfumes e produtos de limpeza) Ampolas de remédios, formas, travessas e utensílios de mesa de vidro temperado
Potes de produtos alimentícios Vidros de automóveis
Cacos de embalagens Tubos de televisão e válvulas

 

Os cacos de vidro são conduzidos para a indústria de vidro que irá utilizá-los como matéria-prima na fabricação de novas embalagens de vidro. O material é fundido em fornos de altas temperaturas junto à matéria-prima virgem (calcário, barrilha, feldspato, entre outros). O vidro reutilizado (ex.: embalagens) é enviado para novo envase de produtos na indústria.

Fonte: ABIVIDRO



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Resíduos Ação Social Acidentes Ambientais Aço ACV Agricultura Água de Coco Alimento Alumínio Amianto Amianto crisotila Análise do Ciclo de Vida ANP Aplicação Arsênio Asbestose Ascaréis Aterro Aterro Controlado Aterro Sanitário Bateria de Ni-Cd Baterias Baterias recarregáveis Benefícios Bibliografia Bifelinas policloradas Biomassa Brasil Cádmio Características Chumbo Classes dos resíduos Classificação Coco Verde Código de Cores Coleta Seletiva Combustível Componentes eletrônicos Compostagem Composto Húmico CONAMA Concreto Asfáltico Contaminação Hospitalar Cuidados Curiosidades Curitiba Decomposição Desperdício Dicas Disposição Final Educação Ambiental Efeito prejudiciais Efeito Tóxico Efluentes Embalagens Embalagens Longa Vida Embalagens plásticas Emissões Atmosféricas Emissões de Poluentes Entulhos Esgoto Estatística EXemplos Experiência Fatores Forro Gerenciamento de Resíduos Gestão ambiental Greenpeace Impactos Ambientais Incineração Índices Industrial Isopor Juiz de Fora Jundiaí Lâmpadas Fluorescentes Lata de Aço Latas de alumínio Legislação Lexiviados Lixão Lixo Lixo comercial Lixo doméstico Lixo Infectante Lixo Tecnológico Lodo Lodo de Esgoto Manejo Manganês Meio Ambiente Mercúrio Metais pesados Metal Monitoramento O que é Óleos Automotivos Óleos Industriais Óleos lubrificantes Óleos usados Óleos Vegetais Papel Periculosidade Perigos PET Pilhas Pilhas alcalinas Pilhas secas Plástico Pneus Polpa moldada Postos de Gasilonas Preservação do Meio Ambiente Processo de re-refino Processo de reciclagem Produtos Produtos Químicos Produtos Recicláveis Programas Projetos Reaproveitamento Reciclagem Reciclagem de Alumínio Reciclagem de òleos Reciclagem de pneus Reciclar Recursos Naturais Redução de Emissão Redução de resíduos Reduzir Resíduo Líquido Resíduos Resíduos gasosos Resíduos Hospitalares Resíduos Inertes Resíduos Não Perigosos Resíduos orgânicos Resíduos Perigosos Resíduos Sólidos Resíduos Tóxicos Resolução Reusar Reutilização Riscos à saúde Riscos Ambientais Rochas Graníticas Saco plástico Sacolas plásticas Saneamento Saúde Serviços de lavanderia Soluções Tempo de degradação Tóxico Tratamento Tratamento de Água Tratamento de Efluentes Tratamento especial Usinas Usos Vantagens Vidro Xisto

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2011 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.