Ambiente Resíduos

Brasil atinge novo recorde em reciclagem de latas de alumínio

O Brasil reciclou 89% de todas as latas de alumínio vendidas em 2003. Com esse índice, o país destaca-se como líder mundial em reciclagem de latas de alumínio, pelo terceiro ano consecutivo, considerando as nações onde esta atividade não é obrigatória por lei.

Envie para um amigo

 


q

O Brasil reciclou 89% de todas as latas de alumínio vendidas em 2003. Com esse índice, o país destaca-se como líder mundial em reciclagem de latas de alumínio, pelo terceiro ano consecutivo, considerando as nações onde esta atividade não é obrigatória por lei. A apuração dos dados foi realizada pela Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), em conjunto com a Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade (ABRALATAS).

O índice de 89% corresponde a um volume de 112 mil toneladas de latas de alumínio ou 8,2 bilhões de unidades, aproximadamente. Em 2002, o índice foi de 87%, o equivalente a 121,1 mil toneladas ou 9 bilhões de unidades. E, em 2001, quando superou o Japão, líder do ranking até então, o Brasil alcançou um índice de 85%. Os números do Japão relativos a 2003 serão divulgados em julho e deverão confirmar a liderança brasileira.

No Brasil, o índice é calculado desde 1990, ano em que as latas de alumínio começaram a ser fabricadas no País.

Entre os fatores que contribuíram para o crescimento da reciclagem de latas de alumínio no Brasil, em 2003, estão o aumento da participação das cooperativas e da base de coleta (há mais pessoas dedicando-se a essa tarefa e cidades com esquemas organizados, por exemplo).

De acordo com estimativas da ABAL, a atividade gera emprego e renda para mais de 160 mil pessoas, desde a coleta até a transformação final da sucata em novos produtos. Há mais de 6.000 pontos de compra de sucata de latas espalhados por todo o Brasil, entre ferros-velhos, depósitos de pequenas e grandes empresas, centros de coleta com equipamentos de alta tecnologia e atacadistas que trabalham com diversos tipos de sucatas.

A reciclagem de latas de alumínio proporcionou, em 2003, uma economia de energia de cerca de 1.576 GWh/ano, o que equivale a 0,5% de toda a energia gerada no país e o suficiente para abastecer uma cidade como Campinas, de 1 milhão de habitantes. Para produzir alumínio a partir do metal reciclado, utiliza-se apenas 5% da energia que seria necessária para a produção a partir do minério, a bauxita.

A atividade também tem colaborado para o crescimento da consciência ecológica. Os programas de educação ambiental, desenvolvidos por empresas do setor, em parceria com escolas municipais, estaduais e particulares, atingem mais de 400 mil crianças do ensino fundamental em todo o país.

Além disso, mais de 16 mil escolas e instituições estão cadastradas em programas permanentes de reciclagem de alumínio, que promovem a troca das latas coletadas por cadernos, kits escolares, cestas básicas e equipamentos, que vão de microcomputadores a televisores e máquinas copiadoras. Somente em 2003, foram trocados mais de 11 mil itens. Em 11 anos, foram mais de 84 mil itens, em 20 estados brasileiros.

Principal entidade do setor de alumínio, a Associação Brasileira do Alumínio - ABAL, foi fundada em 15 de Maio de 1970 e, atualmente, conta com 56 empresas associadas. A associação congrega 100% dos produtores de alumínio primário e indústrias transformadoras do metal que representam cerca de 80% do consumo doméstico, além de empresas consumidoras de produtos de alumínio, fornecedores de insumos e serviços e comerciantes.

A Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade - ABRALATAS foi criada em Março de 2003, para estabelecer o intercâmbio de experiências e promover o desenvolvimento e aumento da competitividade da indústria de embalagens metálicas de alumínio e de sua cadeia produtiva. Com sede em Brasília, a entidade conta com 13 associados, que representam a totalidade das indústrias de latas de alumínio para bebidas, além de fornecedores de insumos para sua fabricação, empresas de reciclagem e associações de varejo.

Por Carmen Barcellos Jornalista



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Resíduos Ação Social Acidentes Ambientais Aço ACV Agricultura Água de Coco Alimento Alumínio Amianto Amianto crisotila Análise do Ciclo de Vida ANP Aplicação Arsênio Asbestose Ascaréis Aterro Aterro Controlado Aterro Sanitário Bateria de Ni-Cd Baterias Baterias recarregáveis Benefícios Bibliografia Bifelinas policloradas Biomassa Brasil Cádmio Características Chumbo Classes dos resíduos Classificação Coco Verde Código de Cores Coleta Seletiva Combustível Componentes eletrônicos Compostagem Composto Húmico CONAMA Concreto Asfáltico Contaminação Hospitalar Cuidados Curiosidades Curitiba Decomposição Desperdício Dicas Disposição Final Educação Ambiental Efeito prejudiciais Efeito Tóxico Efluentes Embalagens Embalagens Longa Vida Embalagens plásticas Emissões Atmosféricas Emissões de Poluentes Entulhos Esgoto Estatística EXemplos Experiência Fatores Forro Gerenciamento de Resíduos Gestão ambiental Greenpeace Impactos Ambientais Incineração Índices Industrial Isopor Juiz de Fora Jundiaí Lâmpadas Fluorescentes Lata de Aço Latas de alumínio Legislação Lexiviados Lixão Lixo Lixo comercial Lixo doméstico Lixo Infectante Lixo Tecnológico Lodo Lodo de Esgoto Manejo Manganês Meio Ambiente Mercúrio Metais pesados Metal Monitoramento O que é Óleos Automotivos Óleos Industriais Óleos lubrificantes Óleos usados Óleos Vegetais Papel Periculosidade Perigos PET Pilhas Pilhas alcalinas Pilhas secas Plástico Pneus Polpa moldada Postos de Gasilonas Preservação do Meio Ambiente Processo de re-refino Processo de reciclagem Produtos Produtos Químicos Produtos Recicláveis Programas Projetos Reaproveitamento Reciclagem Reciclagem de Alumínio Reciclagem de òleos Reciclagem de pneus Reciclar Recursos Naturais Redução de Emissão Redução de resíduos Reduzir Resíduo Líquido Resíduos Resíduos gasosos Resíduos Hospitalares Resíduos Inertes Resíduos Não Perigosos Resíduos orgânicos Resíduos Perigosos Resíduos Sólidos Resíduos Tóxicos Resolução Reusar Reutilização Riscos à saúde Riscos Ambientais Rochas Graníticas Saco plástico Sacolas plásticas Saneamento Saúde Serviços de lavanderia Soluções Tempo de degradação Tóxico Tratamento Tratamento de Água Tratamento de Efluentes Tratamento especial Usinas Usos Vantagens Vidro Xisto

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.