Ambiente Gestão

Temos que criar o efeito geladeira!

real. Temos que substituir o carbono fóssil pelo carbono vegetal; só assim poderemos reduzir a enorme quantidade de CO2 acumulada na atmosfera. Só assim iremos seqüestrar mais carbono do ar, do que o carbono devolvido ao ar.

Envie para um amigo

 

O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo – MDL, nada mais é do que a comercialização de “diplomas de honra ao mérito”, outorgando às sujas indústrias e imundas termoelétricas a continuarem a emporcalhar o mundo, e pior, diplomas literalmente vendidos e comprados a preços de casca de banana. Não tem cabimento moral, nem técnico.

Não devemos vender o carbono seqüestrado nos vegetais em forma de títulos de valores irrisórios. Devemos vender o carbono vegetal em forma de carbono mesmo, a 500 dólares a tonelada, para realmente substituir o carbono fóssil, incentivando assim, com mais garantias na recuperação da natureza o replantio orgânico sustentável e definitivo.

Até quando iremos enterrar o mundo em negociatas? Estamos assistindo ao nosso suicídio. Esses mecanismos financeiro-ambientais são sinônimos de auto-enforcamento.

Como não podemos reduzir de imediato as emissões, sem reduzir proporcionalmente a atividade econômica, devemos incentivar a fotossíntese, que seqüestra carbono do ar, de graça, em qualquer vegetal que cresce. Nunca o Homem vai inventar uma máquina tão perfeita como uma simples folha de eucalipto, que transforma o nosso maior problema atual, o CO2 atmosférico, em carbono concentrado, em nobre e desprezada madeira.

q

Devemos valorizar e usar o maravilhoso carbono vegetal. Devemos vender e transformar o carbono dos vegetais, em forma de álcool, biogás, óleo vegetal, carvão vegetal, madeira, resíduos, flores, tecidos, comida, etc; em substituição real ao carbono fóssil. Não adianta negociar carbono virtual. Isso é uma negociata criminosa que só aumenta as emissões e destrói a vida na Biosfera.

Temos que substituir o carbono real. Temos que substituir o carbono fóssil pelo carbono vegetal; só assim poderemos reduzir a enorme quantidade de CO2 acumulada na atmosfera. Só assim iremos seqüestrar mais carbono do ar, do que o carbono devolvido ao ar. Sempre.

Temos que sair da Era Fóssil dos últimos 100 anos; parar de retirar os fósseis da Terra. Temos que parar de usar carvão mineral, petróleo e gás natural. Tudo isso é fóssil. Estamos somente aumentando a alucinante concentração de CO2 na atmosfera. Devemos ter em mente que o carbono seqüestrado por uma tábua de pinus ou por uma folha de papel, pode levar séculos até retornar novamente para a atmosfera.

Através do MDL - e coisas do tipo -, estamos tirando os assassinos estupradores dos presídios e, ainda, lhes vendendo a preços ridículos boletins de boa conduta. Quando iremos entender que não adianta continuar a desenterrar carbono fóssil?

Besteira? Besteira é continuar com o Efeito Estufa, sendo que temos as soluções na mão, a exemplo do espetacular e fantástico Proálcool. Muito melhor do que o transitório Biodiesel é o puro e definitivo óleo vegetal, a ser usado como combustível em motores adaptados.

Temos que criar o “Efeito Geladeira” através das bioenergias, a “neve tropical”. Temos que enxergar o real seqüestro do carbono atmosférico no uso intensivo dos vegetais, das biomassas. Temos que enxergar 90% de puro carbono desidratado num lindo girassol, num pé de alface, num pedaço de papel higiênico, numa porta de madeira, e temos que ficar cientes de que este carbono veio da atmosfera através da espetacular e graciosa fotossíntese. Viva a Biobrás! Viva a ANB - Agência Nacional das Bioenergias!

 

Thomas Renatus Fendel - Engenheiro mecânico e empresário



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Gestão 14000 ABNT Acidentes Ambientais Ações Ambientais Administração Agenda 21 Água Alternativa Energéticas Amazônia Ambientais Ambiental Aquecimento global Artigo Avaliação Ambiental Barragens Bens Naturais Bibliografia Camada de Ozônio Capacitação Profissional Carbono Certificação de Produtos Certificado Chuva ácida Ciclo do Carbono Clorofluorcarbonos CO2 Código de Ética Comprometimento Conceito Consciência Ecológica Conscientização Conselhos Ambientais Consumo Sustentável Contabilidade Social Controle COP-9 Credenciamento Créditos Créditos de carbono Crescimento Econômico Curiosidades Custos Dano e efeitos ambientais Degradação Desastres Ambientais Descaso Desenvolvimento Limpo Desenvolvimento Sustentável Desmatamento Desordenada Detritos Dióxido de Carbono Direito Direito Ambiental Direitos Humanos Eco 92 Ecologia Ecomarketing Economia Ecosistema Efeito Estufa Emissão de Gases Emissões de Poluentes Energia Energia Alternativa Energia Renovável Erosão Estado Estatuto Financiamento Fluxo Fotosíntese Fronteira Gestão ambiental Globalização Governo IBAMA Impactos Ambientais Implementação Imposto Indústria Instrumentação Internacional ISO ISO 14001 Kyoto Legislação Lei Licenciamento Limpa Maio Marketing Mecanismo Mecanismos Meio Ambiente Meio-Ambiente Mercado Metrologia Mineração Modelo Mudanças Climáticas Negócios Normalização Normas Ambientais O que é ONGs Operação Organismos OSCIP Papeis verdes Paraná Passivo Planejamento ambiental Políticas Ambientais Poluição Problemas ecológicos Produção sustentável Produtos Projetos Projetos ambientais Propriedade Rural Protocolo Protocolo de Kyoto Pública Qualidade Ambiental Reciclagem Recuperação Ambiental Recursos biológicos Recursos Naturais Recursos Renováveis Redução de Emissão Reflorestamento Reforma tributária Relatório Reservas Resíduos Resíduos Sólidos Responsabilidade Ambiental Responsabilidade Social Resseguradoras Rio +10 Rio 92 Riqueza Roteiro Saneamento Ambiental Sequestro de Carbono SGA Sistema Sobrevivência Socio-ambiental Sustentabilidade Tecnologia Tecnologia Renovável Terceiro Setor Termo de Parceria Transgênicos UNFCCC Urbanização Urbano

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.