Ambiente Gestão

Até quando a Terra suportará?

Diante dos sinais mais do que claros de que o planeta não agüentará por muito tempo o ritmo acelerado de degradação ambiental.

Envie para um amigo

 

Até quando a Terra suportará? Esta é a pergunta que não quer calar, diante dos sinais mais do que claros de que o planeta não agüentará por muito tempo o ritmo acelerado de degradação ambiental. Em um mundo pautado pelas discussões econômicas, infelizmente, a preservação do meio ambiente costuma ficar relegada a um segundo plano. Mas há muito a preocupação com a questão ambiental deixou os "guetos ambientalistas" para ganhar as capas das principais publicações internacionais.

Recente estudo do British Antarctic Survey (BAS), com sede em Cambridge (Inglaterra), demonstrou que o derretimento da densa camada de gelo que cobre a parte ocidental da Antártida poderá elevar em quase 4,9 metros o nível dos oceanos. É mais um alerta entre muitos sobre os efeitos desastrosos do aquecimento global.

O eventual colapso das calotas polares de gelo constituiria um desastre de proporções gigantescas, já que inundaria enormes áreas costeiras de países, sejam eles desenvolvidos ou não. Além disso, os cientistas alertam que o degelo da Groenlândia e das calotas polares pode comprometer a Corrente do Golfo, responsável por levar águas quentes dos trópicos para o Reino Unido e o norte da Europa. Essa interrupção seria catastrófica e acarretaria uma queda de temperatura da ordem de 10ºC em todo o Atlântico Norte. Isso sem falar na extinção em massa de ecossistemas e espécies em todo planeta em conseqüência do aquecimento global. Afinal, a mortandade é diretamente proporcional ao nível de aquecimento, pois plantas e animais não teriam tempo suficiente para se adaptarem a essa nova realidade.   

Parece que os alertas começaram a surtir efeito. A Comissão Européia, o braço executivo da União Européia (UE), acaba de aprovar propostas que marcarão sua política de combate às mudanças climáticas a partir de 2012. Entre elas, a criação de um imposto para dois setores bastante poluentes: o da aviação e o do transporte marítimo. A iniciativa é inédita e importante, pois em 2012 acabará o primeiro período dos compromissos assumidos sob o Protocolo de Kyoto. Além disso, a UE pretende obter uma maior participação dos países que mais contaminam o meio ambiente, como os EUA, a China e a Índia.

Outro ponto positivo reside na ratificação do Protocolo de Kyoto, marcada para o próximo dia 16 de fevereiro. Depois de sete anos, os negociadores internacionais concluíram a redação do livro de regras para a implementação do tratado, estabelecida durante a 10.ª Conferência das Partes da Convenção - Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-10), realizada em Buenos Aires.  Mesmo diante da negativa de países como os EUA, China, Índia e Austrália de integrarem o grupo que se comprometeu a diminuir as emissões de poluentes em 5% até 2012, com base nos níveis registrados em 1990, a medida simboliza uma luz no fim do túnel.

Não podemos mais fechar os olhos diante dos alertas da natureza. O Brasil não pode se furtar do seu papel preponderante em meio a todo esse processo. Detentor de uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo, somos um exemplo claro de que é possível conciliar desenvolvimento com proteção ambiental. Mas precisamos estar alertas quanto ao perigo do desmatamento de nossas florestas, o nosso calcanhar-de-aquiles da área ambiental.

Esse momento é especialmente importante para o mundo. Afinal, podemos ser os senhores do nosso destino. Só depende de nós a decisão de combater o aquecimento global agora, ou deixarmos para as gerações futuras uma herança maldita de degradação do meio ambiente.

 

Arnaldo Jardim Deputado Estadual e Coordenador da Frente Parlamentar pela Energia Limpa e Renovável



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Gestão 14000 ABNT Acidentes Ambientais Ações Ambientais Administração Agenda 21 Água Alternativa Energéticas Amazônia Ambientais Ambiental Aquecimento global Artigo Avaliação Ambiental Barragens Bens Naturais Bibliografia Camada de Ozônio Capacitação Profissional Carbono Certificação de Produtos Certificado Chuva ácida Ciclo do Carbono Clorofluorcarbonos CO2 Código de Ética Comprometimento Conceito Consciência Ecológica Conscientização Conselhos Ambientais Consumo Sustentável Contabilidade Social Controle COP-9 Credenciamento Créditos Créditos de carbono Crescimento Econômico Curiosidades Custos Dano e efeitos ambientais Degradação Desastres Ambientais Descaso Desenvolvimento Limpo Desenvolvimento Sustentável Desmatamento Desordenada Detritos Dióxido de Carbono Direito Direito Ambiental Direitos Humanos Eco 92 Ecologia Ecomarketing Economia Ecosistema Efeito Estufa Emissão de Gases Emissões de Poluentes Energia Energia Alternativa Energia Renovável Erosão Estado Estatuto Financiamento Fluxo Fotosíntese Fronteira Gestão ambiental Globalização Governo IBAMA Impactos Ambientais Implementação Imposto Indústria Instrumentação Internacional ISO ISO 14001 Kyoto Legislação Lei Licenciamento Limpa Maio Marketing Mecanismo Mecanismos Meio Ambiente Meio-Ambiente Mercado Metrologia Mineração Modelo Mudanças Climáticas Negócios Normalização Normas Ambientais O que é ONGs Operação Organismos OSCIP Papeis verdes Paraná Passivo Planejamento ambiental Políticas Ambientais Poluição Problemas ecológicos Produção sustentável Produtos Projetos Projetos ambientais Propriedade Rural Protocolo Protocolo de Kyoto Pública Qualidade Ambiental Reciclagem Recuperação Ambiental Recursos biológicos Recursos Naturais Recursos Renováveis Redução de Emissão Reflorestamento Reforma tributária Relatório Reservas Resíduos Resíduos Sólidos Responsabilidade Ambiental Responsabilidade Social Resseguradoras Rio +10 Rio 92 Riqueza Roteiro Saneamento Ambiental Sequestro de Carbono SGA Sistema Sobrevivência Socio-ambiental Sustentabilidade Tecnologia Tecnologia Renovável Terceiro Setor Termo de Parceria Transgênicos UNFCCC Urbanização Urbano

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.