Ambiente Florestal

Silvicultura do Palmito Juçara (Euterpe edulis)

Produção de Mudas, Plantio, Tratos Culturais, Exploração, Pragas e Doenças, Projetos Desenvolvidos

Envie para um amigo

 

 

A grande aceitação do palmito como alimento de sabor peculiar tem impulsionado a demanda pelo produto nos mercados nacional e internacional. Em conseqüência, cresce a procura pelo palmito bruto o que, por sua vez, acarreta a devastação das reservas nativas.

Para que o palmito continue a existir e seja fonte renovável de riqueza, deve-se conhecer as orientações legais voltadas à preservação, extração e industrialização do produto. Ao lado disso, torna-se necessário intensificar a preocupação com a reposição da espécie por meio do replantio.

 

Produção de Mudas

Obtenção de sementes

Para a obtenção de sementes, devem ser realizados os seguintes passos:

  • A coleta deve ser realizada quando os frutos passam da coloração esverdeada para a violácea até chegar em plena maturação com o pericarpo preto, roxo e rosado.
  • A extração da semente dá-se por lavagem e maceração do fruto, para retirar a polpa que envolve as sementes.

Em seguida, as sementes devem ser postas em peneiras e secas em ambiente ventilado. Em média, um palmiteiro de porte médio pode produzir até cinco cachos, ou de 5 a 8 kg de sementes. Um quilo de semente possui 2.000 sementes, e um quilo de frutos aproximadamente 770 frutos. Os melhores frutos provêm das palmeiras de meia idade.

Quebra de dormência

É discutível a necessidade de tratamentos pré-germinativos. Entretanto, é recomendado para acelerar a germinação:

  • imersão em água fria por 48 horas
  • estratificação em areia úmida por 30 dias
  • escarificação mecânica

Longevidade e Armazenamento

As sementes do palmiteiro apresentam, em seu estágio de maturidade fisiológica, um elevado teor de umidade (50 a 55%), dificultando por diferentes razões seu armazenamento.

Sementes desta espécie mantêm a viabilidade parcial por seis meses em ambiente de sala ou por onze meses em câmara fria (T= 5 a 10º C e UR = alta), em saco plástico bem fechado.

Semeadura

Recomenda-se semear duas a três sementes (o caroço) do palmiteiro em recipiente ou a semeadura direta no campo, utilizando-se três sementes ou mais, previamente despolpadas, semeadas em covas de 5cm de profundidade. Em sementeira, deve-se utilizar areia de rio como substrato e mantê-la sempre úmida. A germinação inicia-se entre 30 e 170 dias.

A repicagem é realizada de uma a três semanas após a germinação, ou após o aparecimento das folhas. O tempo total de viveiro é de no mínimo 9 meses.

 

Plantio

O plantio a pleno sol do palmiteiro não é viável. A espécie é adequada para plantio de enriquecimento em vegetação secundária, podendo o sombreamento ser definitivo ou temporário. Mudas com até 3 anos não suportam sombreamento excessivo nem sol direto.

A distribuição de frutos/sementes na superfície do solo é o sistema recomendado para o palmiteiro em floresta secundária, pela sua eficiência e baixo custo.

 

Tratos Culturais

Após o plantio de enriquecimento em florestas secundárias, o controle das ervas competitivas é feito através de roçadas periódicas em torno da planta, tomando-se o cuidado de não danificar suas raízes superficiais.

 

Exploração

Época de corte

O palmiteiro demora de oito a doze anos para alcançar o tamanho comercial no Brasil. Posteriormente, o palmital permite cortes de três ou quatro anos, para possibilitar a regeneração natural da espécie. O corte é recomendado somente após a primeira florada, pois, se houver corte prematuro da árvore, não haverá sementes para regeneração natural da espécie. O palmiteiro é uma planta que não rebrota da base, como é o caso do açaí e pupunha. A coleta implica necessariamente na morte da planta. A produtividade dos palmitais nativos é variável, estando muito relacionada ao estágio da floresta.

Documentos necessários para a extração legal do palmito no Estado do Paraná

Segundo o Instituto Ambiental do Paraná (IAP) os documentos necessários para a extração do palmito são:

1. guia de autorização

2.  plano de corte

3.  mapa do terreno

4. quantidade a ser cortada

 

Pragas e Doenças

Doenças

Fungos Características Controle

 Diplodiasp.

 Triclariopsis paradoxa(queima preta)

 Causam pequenas lesões na planta.  Facilmente controlado com fungicidas.

Pragas

O inseto mais nocivo é o coleóptero Rhyncochorus sp. O adulto deposita os ovos na base da folha do palmiteiro e a larva desenvolve-se alimentando-se das folhas internas, até chegar ao meristema apical, matando a planta.

 

Projetos Desenvolvidos

Projeto Plantando Palmito (Instituto Ambiental do Paraná)

Desenvolvido pelo Instituo Ambiental do Paraná, tem como objetivo difundir o conceito de Silvicultura (cultura de palmito) entre as comunidades litorâneas que sobrevivem da extração do palmito. O projeto prevê a legalização do palmito em áreas de reflorestamento registradas, sendo que será vendido “in natura” apenas nas Centrais Municipais – nos “Mercadinhos do Palmito”.

As ações do projeto são repassadas aos municípios e às famílias cadastradas. Esta parceria propõe:

1. Aumentar a consciência ambiental.

2.Coletar sementes de palmito.

3. Plantar sementes no campo.

4. Produzir mudas em viveiros florestais municipais.

5.Plantar mudas no campo.

6.Comercializar o palmito registrado no SERFLOR (Sistema Estadual de Reposição Florestal Obrigatória-PR) em Centrais Municipais.

Abrangência do projeto:

1. Econômico: receitas permanentes através da exploração dos reflorestamentos de palmito.

2 .Ambiental: preservação do palmito e manutenção da fauna silvestre da Floresta Atlântica.

3. Social: envolvimento comunitário no processo produtivo.   

 

Redação Ambiente Brasil



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Florestal Agricultura Agrossilvicultura Agrossilvipastoril Água Alimentação Amanita Amazônia Amostragem Animais silvestres Araucária Área de Preservação Área Protegida Artigo Banco de Sementes Bibliografia Biodiversidade Borracha Bracatinga Brotação Características Carregamento Carvão Castanha-do-brasil Celulose Cerrado Certificação de Produtos Certificação Florestal Certificado Certificado Fitossanitário CFOC Classificação Cobertura Florestal Comércio Conceito Consciência Ecológica Conservação Ambiental Consumo de Madeira Controle Controle Ambiental Copaíba Cortiça Culinária Curiosidades Custos Dados Dano e efeitos ambientais Desbastes Descascamento Desenvolvimento Sustentável Desmatamento Doenças Dossel Economia Erva - Mate Espaçamentos Espécies Espécies Exóticas Estatística Estradas Estrutura Estrutura Fundiária Eucalipto EXemplos Exploração Extinção Extração Fitossociológico Floresta Tropical Florestal Florestas Fluxograma Fogos Fomento Fragmentação Fungo Geneticamente Modificados Genoma Gestão ambiental Gestão Florestal Governo Herdabilidade Incêndio Indústria Instituições Invasão Biológica Inventário Florestal IPAM Látex Legislação Lista Espécies Localização Lodo de Esgoto Macaco Madeira Manejo Manejo Florestal Mapa Matas Ciliares Material Genético Melhoramento Genético Mercosul Miltiplicação Vegetativa Mogno Monitoramento Nomenclatura Normalização Normas Ambientais Objetivos ONGs Operação Palmito Palmito Juçara Paraná Pasta Patauá Perguntas Permacultura Pinhão Pinus Planejamento ambiental Plantas Plantio PNF Poda Poluição Praga Premissas Preservação Ambiental Prevenção Princípios Privado Produção Produtos Produtos Madereiros Projetos Projetos ambientais Proteção Pública Qualidade da Madeira Queimada Recuperação Ambiental Reflorestamento Segurança Seleção Selos Sementes Seringueira Silvicultura Silvipastoril Sistema Agroflorestais Solos Substrato Sustentabilidade Técnicas Tipos de viveiros Transporte Uso do Solo Usos Vantagens Vegetação Vespa da Madeira Viveiros

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.