Ambiente Florestal

Patauá: a “oliveira” da Amazônia

O patauá ou patoá é uma palmeira muito conhecida dos moradores da floresta. Assim como o açaí, dos frutos se extrai uma bebida conhecida popularmente por “vinho de patauá”.

Envie para um amigo

 

No contexto atual em que o mundo está voltado para a conservação das florestas e o consumidor cada vez mais se preocupa com a origem e as implicações sociais que estão por detrás dos produtos de origem florestal, surge um desafio para técnicos e cientistas da região: a necessidade de produzir conhecimento e aproveitar a biodiversidade das florestas acreanas para gerar renda, mantendo a floresta em pé. Entre os produtos florestais potenciais, as palmeiras se destacam por serem usadas na alimentação, como fitoterápicos, em artesanatos e até mesmo na construção de casas. O patauá ou patoá é uma palmeira muito conhecida dos moradores da floresta e de nome cietífico: Oenocarpus bataua Mart . Assim como o açaí, dos frutos se extrai uma bebida conhecida popularmente por “vinho de patauá”.

q

Durante alguns meses do ano, o vinho de patauá pode ser encontrado no comércio informal de sucos em vários pontos da cidade de Rio Branco, juntamente com açaí e buriti. Apesar do uso local, o potencial do patauá como gerador de renda e desenvolvimento não está no “vinho” e sim no excelente óleo que é extraído a partir do suco. O óleo possui semelhanças com o azeite de oliva e pode ser usado tanto para tempero de saladas como para frituras. A grande vantagem com relação a outros óleos, como o de soja, está no fato de que o óleo de patauá é rico em aminoácidos e gorduras insaturadas (combate o colesterol – LDL) e, sendo extraído aqui no Acre ou em outras partes da Amazônia, pode representar baixos custos de produção. No Peru, além do uso alimentar, o óleo de patauá tem sido utilizado como tônico capilar e na medicina popular para combater a asma e doenças respiratórias.

No Acre é também usado para a lubrificação de espingardas, como condicionador para cabelos, no tratamento de asma e pequenos ferimentos. No início do século passado, o Brasil exportou toneladas de óleo de patauá. Porém, a coleta dos frutos era feita derrubando-se as palmeiras, o que causou a destruição de grandes patauazais nos arredores de Belém-PA. Apesar do potencial dessa palmeira como produtora de óleo, pouco se sabe sobre seu potencial produtivo com base em uma exploração sustentável do ponto de vista ecológico e econômico.

Um estudo pontual foi feito no Seringal Palmari, em Xapuri, na Resex Chico Mendes, para avaliar o potencial de produção e as condições em que a espécie ocorre naturalmente, principalmente no que diz respeito ao número de indivíduos produtivos por hectare e à regeneração, importante para manter a população. Neste estudo verificou-se que o patauá apresenta boas condições de regeneração e por isso pode ser manejado.

Porém, medidas precisam ser tomadas durante o manejo no sentido de monitorar os impactos, por meio de métodos simples e eficientes que ainda precisam ser desenvolvidos. O número médio de palmeiras produtivas nas florestas de baixio, que são as áreas mais úmidas com solos encharcados, foi em torno de 40 palmeiras/ha, e nas florestas de terra firme, áreas com solos bem drenados, foi encontrada quase metade disso, sugerindo que a coleta pode ser feita nos dois ambientes, baixio e terra firme. A produção média de frutos por cacho foi de 19 kg, extraindo-se de cada cacho cerca de 210 ml de óleo.

Assim, considerando a coleta de dois cachos por palmeira/ano e deixando-se 20% dos frutos sem coletar para assegurar a manutenção da fauna e regeneração, a produtividade de óleo em 1 ha pode ser estimada em 5 e 13 litros para terra firme e baixio, respectivamente. Nessa estimativa de produção foi usado o sistema tradicional para a extração do óleo, no qual ocorre um desperdício de até 80%, significando que esse rendimento pode ser melhorado. Destaca-se ainda a simplicidade do processo de beneficiamento do óleo o qual dispensa operações industriais, sendo necessária apenas uma filtragem para que se encontre em condições de consumo. Desta forma, o patauá e outras palmeiras mais estudadas como açaí, buriti, murumuru e tucumã podem formar um grupo potencial da floresta nativa, atuando como fonte de renda para as comunidades locais e contribuindo com a proposta de desenvolvimento sustentável para as florestas acreanas.

 

Daisy A.P.Gomes-Silva – Bolsista CNPq/Embrapa Acre. daisy@dris.com.br Lúcia Helena O. Wadt – Pesquisadora Embrapa Acre. lucia@cpafac.embrapa.br



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Florestal Agricultura Agrossilvicultura Agrossilvipastoril Água Alimentação Amanita Amazônia Amostragem Animais silvestres Araucária Área de Preservação Área Protegida Artigo Banco de Sementes Bibliografia Biodiversidade Borracha Bracatinga Brotação Características Carregamento Carvão Castanha-do-brasil Celulose Cerrado Certificação de Produtos Certificação Florestal Certificado Certificado Fitossanitário CFOC Classificação Cobertura Florestal Comércio Conceito Consciência Ecológica Conservação Ambiental Consumo de Madeira Controle Controle Ambiental Copaíba Cortiça Culinária Curiosidades Custos Dados Dano e efeitos ambientais Desbastes Descascamento Desenvolvimento Sustentável Desmatamento Doenças Dossel Economia Erva - Mate Espaçamentos Espécies Espécies Exóticas Estatística Estradas Estrutura Estrutura Fundiária Eucalipto EXemplos Exploração Extinção Extração Fitossociológico Floresta Tropical Florestal Florestas Fluxograma Fogos Fomento Fragmentação Fungo Geneticamente Modificados Genoma Gestão ambiental Gestão Florestal Governo Herdabilidade Incêndio Indústria Instituições Invasão Biológica Inventário Florestal IPAM Látex Legislação Lista Espécies Localização Lodo de Esgoto Macaco Madeira Manejo Manejo Florestal Mapa Matas Ciliares Material Genético Melhoramento Genético Mercosul Miltiplicação Vegetativa Mogno Monitoramento Nomenclatura Normalização Normas Ambientais Objetivos ONGs Operação Palmito Palmito Juçara Paraná Pasta Patauá Perguntas Permacultura Pinhão Pinus Planejamento ambiental Plantas Plantio PNF Poda Poluição Praga Premissas Preservação Ambiental Prevenção Princípios Privado Produção Produtos Produtos Madereiros Projetos Projetos ambientais Proteção Pública Qualidade da Madeira Queimada Recuperação Ambiental Reflorestamento Segurança Seleção Selos Sementes Seringueira Silvicultura Silvipastoril Sistema Agroflorestais Solos Substrato Sustentabilidade Técnicas Tipos de viveiros Transporte Uso do Solo Usos Vantagens Vegetação Vespa da Madeira Viveiros

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.