Ambiente Florestal

Ocorrência, Medidas de Prevenção e Controle de Cinara spp - Pulgão gigante-do-pinus

Para atender a demanda de madeira no Brasil, optou-se, há mais de 70 anos, por projetos de reflorestamento, introduzindo-se sementes e mudas de Pinus e Eucalyptus, existindo atualmente, cerca de 1.840.050 ha plantados com espécies de Pinus em território brasileiro (SBS, 2003).

Envie para um amigo

 

Para atender a demanda de madeira no Brasil, optou-se, há mais de 70 anos, por projetos de reflorestamento, introduzindo-se sementes e mudas de Pínus eEucalyptus, existindo atualmente, cerca de 1.840.050 ha plantados com espécies de Pinus em território brasileiro (SBS, 2003).

Após um longo período sem a ocorrência de pragas, os plantios de Pinussofreram a primeira ameaça com a introdução da vespa-da-madeira, Sirex noctilio, que em 1988 chegou a causar a mortalidade de até 60% das árvores atacadas no Rio Grande do Sul. Devido à importância econômica que a praga representa, a Embrapa Florestas e empresas da iniciativa privada criaram o Fundo Nacional para o Controle da Vespa-da-Madeira - FUNCEMA, implantando o Programa Nacional de Controle à Vespa-da-Madeira, baseado em controle biológico. A adoção do controle biológico, associada às medidas de controle silvicultural, possibilitou a manutenção da viabilidade econômica do cultivo dePinus no Brasil.

q

Em 1996, registrou-se pela primeira vez em plantios de Pinus no Brasil o pulgão-gigante-do-pinus, Cinara pinivora, no Rio Grande do Sul; e, em 1998,C. atlântica, associada a C. pinivora, em Santa Catarina. Estes pulgões são originários do leste, sul e sudeste dos Estados Unidos e Canadá, mas também são encontrados na Jamaica e Cuba. Atualmente no Brasil, C. atlantica ocorre em plantios de Pinus desde Minas Gerais até o Rio Grande do Sul.

Existem aproximadamente 200 espécies de Cinara descritas. Destas, 150 ocorrem na América do Norte, 20 no Japão e região oriental e 30 espécies são européias ou de origem mediterrâneas.

Por serem exóticas, as espécies de Cinara apresentam alto potencial para tornarem-se pragas de grande importância econômica, devido à larga extensão de áreas plantadas com Pinus no Brasil.

As espécies de Cinara alimentam-se de ramos, brotos e, ocasionalmente, de raízes de coníferas das famílias Cupressaceae e Pinaceae. A espécie mais importante que ataca Pinus nos Estados Unidos é C. atlantica, espécie que se tornou predominante também no Brasil.

Facilmente transportado a longas distâncias por correntes de ventos, o pulgão-gigante-do-pinus tem provocado a morte de plantas em plantios jovens dePinus, tendo sido relatada a mortalidade de até 15% das plantas. O dano ocasionado por esse pulgão inicia-se por uma clorose das acículas, com alguns ponteiros ou ramos tornando-se marron-avermelhados, observados entre o outono e a primavera. O afilamento de ramos e o entortamento do caule são outros sintomas de ataque desta praga. Foram também observadas mortalidade de plantas em áreas adjacentes à área de pesquisa.

O controle biológico natural dos pulgões do gênero Cinara tem sido realizado por insetos predadores das famílias Coccinellidae, Syrphidae, Crhrysopidae, Staphilinidae, Dermaptera e alguns Heteroptera, que ocorrem naturalmente nas condições brasileiras. No entanto, esses predadores, embora importantes agentes reguladores da população dos pulgões, não conseguem mantê-los em níveis que não causem prejuízos às plantas de Pinus. Visando otimizar o controle biológico da praga em questão, a Embrapa Florestas, o FUNCEMA e a EPAGRI (Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina) implantaram, em 2001, o Programa de Controle Biológico do pulgão-gigante-do-pinus, com o objetivo de estudar a otimização das condições que favorecem o desenvolvimento dos predadores e realizar a introdução de parasitóides do pulgão na região de origem dos mesmos. Para tanto, foram realizadas coletas de pulgões parasitados nos Estados Unidos em 2001, 2002 e 2003, obtendo-se, após o período de quarentena, o parasitóide Xenostigmus bifasciatus (Hymenoptera, Braconidae). A criação massal, realizada naEmbrapa Florestas e as posteriores liberações em diversas florestas de Pinusdos estados de Santa Catarina, Paraná e São Paulo, resultaram numa ampla dispersão do parasitóide, que se estabeleceu em todos os locais de liberação, dispersando-se, a cada ano, num raio de aproximadamente 80 km, havendo casos de 100% de controle de algumas colônias de pulgão. Esta porcentagem é atingida pelo complexo de inimigos naturais, composto por predadores e pelo parasitóide.

Como medidas preventivas os produtores devem dispor de mudas de boa qualidade, utilizando-se técnicas de plantio que facilitem o desenvolvimento radicular e que favoreçam a presença de vegetação secundária entre as filas de Pinus. Devem ser realizadas apenas roçadas na fila e, se necessário, o coroamento da muda plantada. Estas ações favorecerão a ocorrência dos inimigos naturais dos pulgões e permitirão um bom desenvolvimento das plantas de Pinus.

 

Wilson Reis Filho (wilson@cnpf.embrapa.br) é pesquisador da Epagri/Embrapa Florestas. Edson tadeu Iede (iedeet@cnpf.embrapa.br) é pesquisador da Embrapa Florestas. Susete do Rocio Chiarello Penteado (susete@cnpf.embrapa.br) é pesquisadora da Embrapa Flore



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Florestal Agricultura Agrossilvicultura Agrossilvipastoril Água Alimentação Amanita Amazônia Amostragem Animais silvestres Araucária Área de Preservação Área Protegida Artigo Banco de Sementes Bibliografia Biodiversidade Borracha Bracatinga Brotação Características Carregamento Carvão Castanha-do-brasil Celulose Cerrado Certificação de Produtos Certificação Florestal Certificado Certificado Fitossanitário CFOC Classificação Cobertura Florestal Comércio Conceito Consciência Ecológica Conservação Ambiental Consumo de Madeira Controle Controle Ambiental Copaíba Cortiça Culinária Curiosidades Custos Dados Dano e efeitos ambientais Desbastes Descascamento Desenvolvimento Sustentável Desmatamento Doenças Dossel Economia Erva - Mate Espaçamentos Espécies Espécies Exóticas Estatística Estradas Estrutura Estrutura Fundiária Eucalipto EXemplos Exploração Extinção Extração Fitossociológico Floresta Tropical Florestal Florestas Fluxograma Fogos Fomento Fragmentação Fungo Geneticamente Modificados Genoma Gestão ambiental Gestão Florestal Governo Herdabilidade Incêndio Indústria Instituições Invasão Biológica Inventário Florestal IPAM Látex Legislação Lista Espécies Localização Lodo de Esgoto Macaco Madeira Manejo Manejo Florestal Mapa Matas Ciliares Material Genético Melhoramento Genético Mercosul Miltiplicação Vegetativa Mogno Monitoramento Nomenclatura Normalização Normas Ambientais Objetivos ONGs Operação Palmito Palmito Juçara Paraná Pasta Patauá Perguntas Permacultura Pinhão Pinus Planejamento ambiental Plantas Plantio PNF Poda Poluição Praga Premissas Preservação Ambiental Prevenção Princípios Privado Produção Produtos Produtos Madereiros Projetos Projetos ambientais Proteção Pública Qualidade da Madeira Queimada Recuperação Ambiental Reflorestamento Segurança Seleção Selos Sementes Seringueira Silvicultura Silvipastoril Sistema Agroflorestais Solos Substrato Sustentabilidade Técnicas Tipos de viveiros Transporte Uso do Solo Usos Vantagens Vegetação Vespa da Madeira Viveiros

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.