Ambiente Florestal

Madeira reflorestada e exportação: caminhos para um setor em franco crescimento

Estimular o plantio de madeira reflorestada e a exportação de produtos madeireiros é primordial para um setor que já movimenta 3,5% do PIB nacional.

Envie para um amigo

 

Estimular o plantio de madeira reflorestada e a exportação de produtos madeireiros é primordial para um setor que já movimenta 3,5% do PIB nacional.

Na década de 70 o Brasil "acordou" para um problema incômodo: o consumo crescente de madeira e, conseqüentemente, a devastação das florestas nativas. O corte desenfreado e inescrupuloso de madeiras nobres começava a deixar sinais, chamando a atenção da população, do governo e, até mesmo, de organismos internacionais.

Nos anos que se seguiram, durante as décadas de 70 e 80, através de incentivos fiscais, o governo estimulou a plantação de eucalipto e pinus, espécies de rápido crescimento e excelente aplicação industrial, na tentativa de aplacar a devastação das florestas e criar uma base de produção de madeira, o chamado maciço florestal. A iniciativa deu bons frutos e, atualmente, o Brasil conta com 4,8 milhões de hectares reflorestados com estas espécies, sendo que 25% destas florestas estão desvinculadas das indústrias, dando sustentação ao mercado de madeira roliça em geral. Os estoques somam uma oferta de 852 milhões de m2. Hoje, podemos dizer que o Brasil já colhe o dobro de madeira de reflorestamento do que de floresta nativa.

Embora a questão florestal no Brasil ainda seja abordada parcialmente, ora por setores que utilizam a madeira como principal insumo, ora sob a perspectiva ambiental, esta atividade confirma uma importante dimensão econômica. Além de estar entre os 10 maiores produtores florestais do mundo, contando com 6,4 milhões de hectares, o país desenvolveu tecnologia avançada para a exploração de florestas e para a transformação industrial da madeira, tanto que apresenta o maior rendimento na produção de eucalipto e pinus do mundo, com custo inferior ao de importantes concorrentes, como Nova Zelândia, África do Sul, Chile e Estados Unidos.

A previsão de crescimento do setor, nos próximos cinco anos, é de taxas anuais na faixa de 10% a 12%, em função das possibilidades existentes tanto no mercado externo quanto no mercado interno. A demanda por móveis importados pelo consumidor americano, o principal mercado comprador do Brasil, tem crescido por motivos, entre os quais, a preferência por um design mais moderno e, também, a capacidade de fornecedores estrangeiros em oferecer produtos a preços bastante competitivos. Fatores como este desenham a vocação madeireira e exportadora do Brasil.

A indústria brasileira de base florestal - móveis, madeira, papel e celulose - busca no mercado externo oportunidades de crescimento. Segundo dados da Abimovel, em 2001 o volume total exportado pelo Brasil nesta área chegou a US$ 4,2 bilhões, quase 8% de todas as exportações brasileiras. A perspectiva é de atingir US$ 11 bilhões até 2010. No mercado nacional, o setor já movimenta 3,5% do PIB, faturando o equivalente a US$ 21 bilhões anuais. Reunindo cerca de 30 mil empresas, responsáveis por um milhão de empregos diretos e 3,5 milhões indiretos, o setor precisa de novos mercados para manter os índices de contratações e ampliar o faturamento. Por este motivo, são fundamentais as mostras especiais e stands brasileiros em feiras internacionais, organizadas por entidades e associações com foco em exportação.

Apesar deste cenário promissor, a indústria madeireira esbarra em um sério entrave, já apontado pelo Ministério do Meio Ambiente: a partir de 2004, parte da indústria brasileira processadora de madeira terá que importar matéria-prima. Isto porque o reflorestamento, fundamental para o crescimento e a competitividade da cadeia madeireira, teve sua expansão limitada pela ausência de financiamentos adequados, principalmente após o fim do Fundo de Incentivo Setorial (FISET), em 1987. Hoje, o BNDES figura como a principal alternativa de financiamento para o plantio de florestas.

Urge, portanto, que sejam formuladas estratégias de fomento de um mercado florestal no Brasil. O Conselho Florestal do Movimento Espírito Santo em Ação foi criado exatamente com este intuito. A observação de experiências de países como Finlândia, Canadá, Estados Unidos e Chile, que têm um setor florestal desenvolvido e consolidado, também pode ajudar nesse processo. Aliás, em diversos países, a atividade madeireira e sua cadeia produtiva são foco de investimentos e transações comerciais de elevado valor. As florestas são, mais do que matéria-prima, um ativo de alta liquidez.

Geradora de receitas e importante na pauta de exportações do Brasil, a indústria da madeira é fundamental também para o desenvolvimento regional. Torna-se crucial, portanto, a formulação de estratégias e instrumentos que dêem apoio a esta atividade, principalmente no que se refere ao uso sustentado das florestas tropicais e ao reflorestamento, para a manutenção das vantagens competitivas do Brasil na cadeia produtiva da madeira e na balança de exportações. As sementes deste trabalho foram lançadas. Resta-nos aproveitar esta vocação para a madeira e ampliar os mercados.

 

Lupércio Barros Lima - Presidente da Tora S.A. e membro do Conselho Florestal do Movimento Espírito Santo em Ação (lupercio@tora.ind.br) Dados: SBS (Sociedade Brasileira de Silvicultura) e Abimovel (Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário.



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Florestal Agricultura Agrossilvicultura Agrossilvipastoril Água Alimentação Amanita Amazônia Amostragem Animais silvestres Araucária Área de Preservação Área Protegida Artigo Banco de Sementes Bibliografia Biodiversidade Borracha Bracatinga Brotação Características Carregamento Carvão Castanha-do-brasil Celulose Cerrado Certificação de Produtos Certificação Florestal Certificado Certificado Fitossanitário CFOC Classificação Cobertura Florestal Comércio Conceito Consciência Ecológica Conservação Ambiental Consumo de Madeira Controle Controle Ambiental Copaíba Cortiça Culinária Curiosidades Custos Dados Dano e efeitos ambientais Desbastes Descascamento Desenvolvimento Sustentável Desmatamento Doenças Dossel Economia Erva - Mate Espaçamentos Espécies Espécies Exóticas Estatística Estradas Estrutura Estrutura Fundiária Eucalipto EXemplos Exploração Extinção Extração Fitossociológico Floresta Tropical Florestal Florestas Fluxograma Fogos Fomento Fragmentação Fungo Geneticamente Modificados Genoma Gestão ambiental Gestão Florestal Governo Herdabilidade Incêndio Indústria Instituições Invasão Biológica Inventário Florestal IPAM Látex Legislação Lista Espécies Localização Lodo de Esgoto Macaco Madeira Manejo Manejo Florestal Mapa Matas Ciliares Material Genético Melhoramento Genético Mercosul Miltiplicação Vegetativa Mogno Monitoramento Nomenclatura Normalização Normas Ambientais Objetivos ONGs Operação Palmito Palmito Juçara Paraná Pasta Patauá Perguntas Permacultura Pinhão Pinus Planejamento ambiental Plantas Plantio PNF Poda Poluição Praga Premissas Preservação Ambiental Prevenção Princípios Privado Produção Produtos Produtos Madereiros Projetos Projetos ambientais Proteção Pública Qualidade da Madeira Queimada Recuperação Ambiental Reflorestamento Segurança Seleção Selos Sementes Seringueira Silvicultura Silvipastoril Sistema Agroflorestais Solos Substrato Sustentabilidade Técnicas Tipos de viveiros Transporte Uso do Solo Usos Vantagens Vegetação Vespa da Madeira Viveiros

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.