Ambiente Florestal

Cooperação internacional e sustentabilidade das florestas na Amazônia

Por sua privilegiada geografia, estruturas geológicas, diversidade cultural de suas populações e detentora de inestimável patrimônio de florestas (sociobiodiversidade), recantos ecoturísticos, jazidas minerais e mananciais de água doce: bens absolutamente vitais na aurora do século XXI - commodities do futuro; a Amazônia.

Envie para um amigo

 

Por sua privilegiada geografia, estruturas geológicas, diversidade cultural de suas populações e detentora de inestimável patrimônio de florestas (sociobiodiversidade), recantos ecoturísticos, jazidas minerais e mananciais de água doce: bens absolutamente vitais na aurora do século XXI – commodities do futuro; a Amazônia - maior fronteira de recursos naturais do planeta – megabioma que desafia saberes tradicionais e o conhecimento científico, diante das potencialidades e serviços que pode disponibilizar - biotecnologia, seqüestro de carbono, ciclos hidroquímicos, dentre outros, tem uma importância fundamental na gestação de um novo modelo de civilização – com a utilização racional de sua biomassa, conciliando o desenvolvimento sócio-econômico com a proteção do meio ambiente no plano local, nacional, regional e global. A Amazônia deixou de ser uma questão delimitada por visões simplistas; constituindo-se agora num complexo espaço multidimensional, plasmado por forças, movimentos e atores transnacionais, alcançando importância na agenda da política mundial.

q

A Amazônia e suas florestas, como símbolo maior do ambientalismo ocidental, constituem um dos vetores principais da cooperação técnica-científica no cenário da globalização ecológica. Não por acaso, no imaginário ecológico internacional e dos centros mais urbanizados do país, a Amazônia existe unicamente pela simbologia da floresta. Certamente o recurso mais valioso da Amazônia são as suas florestas e a sustentabilidade delas requer uma outra perspectiva. A emergência de problemas ambientais como perda de biodiversidade e as mudanças climáticas na década de 1980, motivaram uma crescente preocupação com as florestas tropicais, e a Amazônia Brasileira, pela dimensão territorial e posição diferenciada que ocupa no cenário geopolítico da América do Sul, tornou-se centro das atenções da Comunidade Internacional, notadamente pelos riscos eminentes que a destruição da maior floresta do mundo poderia acarretar para o equilíbrio ecológico global.

A partir da década de 1990, o Brasil projeta-se como ponto de referência da cooperação internacional pelas vantagens comparativas que emergem de sua rica biodiversidade e seus impactos sobre o meio ambiente planetário, e particularmente a Amazônia torna-se um vasto espaço para investimentos e implementação de programas, projetos e pesquisas voltados para a conservação da natureza e experiências sustentáveis. Esta região tem sido alvo de esforço multilateral e de campaigners, envolvendo a participação de vários países, instituições financeiras e segmentos da sociedade civil mundial, tendo em vista o desafio da gestão coletiva das crises ecológicas globais.

Vale considerar o Fundo para o Meio Ambiente Global – GEF (Global Environment Facility), o Experimento de Grande Escala Biosfera-Atmosfera – LBA (The Large Scale Biosphere-Atmosphere Experiment in Amazônia), e o Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil - PPG-7 (The Pilot Program to Conserve the Brazilian Rain Forest), dentre outros, além do envolvimento de Universidades e Centros de pesquisa com o propósito de alocar recursos humanos e tecnológicos para promover o desenvolvimento sustentável na região. Acrescente-se também a mobilização de movimentos ativistas transnacionais, como o Greenpeace, WWF (World Wildlife Fund), Conservation International, FOE (Friends of the Earth), dentre um número expressivo de ONGs e redes da sociedade civil – do local ao global. No plano regional, vale ressaltar outras iniciativas convergentes, como o Tratado de Cooperação Amazônica - TCA, assinado em 1978 (hoje revitalizado pela criação da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica), a Associação das Universidades Amazônicas – UNAMAZ, fundada em 1987, e a implantação do Sistema de Informação da Amazônia – SIAMAZ, em 1992; que tem permitido a integração, trocas de experiências e avanços institucionais consideráveis entre os países que formam a Pan-Amazônia.

Com efeito, a implementação de vias sustentáveis de desenvolvimento sustentável na Amazônia passa inevitavelmente pela cooperação internacional, principalmente em função dos benefícios proporcionados pelos ecossistemas regionais à dinâmica do desenvolvimento continental e global, notadamente através da sustentabilidade da maior floresta tropical do planeta. O PPG-7 e o LBA são exemplos emblemáticos de como a interdependência e cooperação na área ambiental podem reverter, através da promoção de políticas públicas, tecnologias e produção de novos conhecimentos, em benefício das comunidades regionais e da mitigação das mudanças climáticas e proteção de biodiversidade no plano da governança global.

Pelo formato inovador de cooperação entre governos, sociedade civil e comunidade financeira internacional, o PPG-7 tem somado resultados positivos, através da demarcação de terras indígenas, projetos de reservas extrativistas e implementação de projetos demonstrativos comunitários. Por outro lado, o LBA constitui uma importante iniciativa de pesquisa comprometida com geração de conhecimentos nos aspectos ecológicos, climatológicos, biogeoquímicos e hidrológicos sobre a Amazônia. Na Terceira Conferência Científica, realizada em julho deste ano, o Programa LBA contabilizou avanços importantes: crescente formação de recursos humanos na área científica para estudos e pesquisas, possibilidades de planejamento estratégico para a pesquisa agrícola, através do conhecimento dos mecanismos que governam o clima e a vegetação e, fundamentalmente, a constatação de que a Amazônia contribui de modo significativo para limpar a atmosfera, prestando um serviço ambiental extremamente importante para o planeta. Ainda assim, o nível de recursos e investimentos aprovados pela cooperação internacional está muito aquém dos benefícios ecossistêmicos da região para a saúde da biosfera. No entanto, o fato de ter sido selecionada como área prioritária em termos de financiamento externo pelos países desenvolvidos, revela a importância estratégica da região na contribuição para a integridade do ecossistema planetário, e em decorrência disso, a sua influência na agenda dos principais atores da governança do sistema internacional.

Recentemente, a revista britânica The Economist afirmou que os países tropicais deveriam ser beneficiados economicamente por meio de algum tipo de desflorestamento. “Os Estados Unidos e a Europa derrubaram a maioria de suas florestas nos últimos séculos. Quem são eles para dizer à Indonésia, ao Brasil e ao Congo para fazer o contrário?”, indaga o editorial. Está na hora dos países ricos e desenvolvidos pagarem a conta pela conservação da floresta amazônica.

 

Alberto Teixeira da Silva é sociólogo, professor-adjunto do Departamento de Ciência Política da UFPA (alberts@amazon.com.br)



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Florestal Agricultura Agrossilvicultura Agrossilvipastoril Água Alimentação Amanita Amazônia Amostragem Animais silvestres Araucária Área de Preservação Área Protegida Artigo Banco de Sementes Bibliografia Biodiversidade Borracha Bracatinga Brotação Características Carregamento Carvão Castanha-do-brasil Celulose Cerrado Certificação de Produtos Certificação Florestal Certificado Certificado Fitossanitário CFOC Classificação Cobertura Florestal Comércio Conceito Consciência Ecológica Conservação Ambiental Consumo de Madeira Controle Controle Ambiental Copaíba Cortiça Culinária Curiosidades Custos Dados Dano e efeitos ambientais Desbastes Descascamento Desenvolvimento Sustentável Desmatamento Doenças Dossel Economia Erva - Mate Espaçamentos Espécies Espécies Exóticas Estatística Estradas Estrutura Estrutura Fundiária Eucalipto EXemplos Exploração Extinção Extração Fitossociológico Floresta Tropical Florestal Florestas Fluxograma Fogos Fomento Fragmentação Fungo Geneticamente Modificados Genoma Gestão ambiental Gestão Florestal Governo Herdabilidade Incêndio Indústria Instituições Invasão Biológica Inventário Florestal IPAM Látex Legislação Lista Espécies Localização Lodo de Esgoto Macaco Madeira Manejo Manejo Florestal Mapa Matas Ciliares Material Genético Melhoramento Genético Mercosul Miltiplicação Vegetativa Mogno Monitoramento Nomenclatura Normalização Normas Ambientais Objetivos ONGs Operação Palmito Palmito Juçara Paraná Pasta Patauá Perguntas Permacultura Pinhão Pinus Planejamento ambiental Plantas Plantio PNF Poda Poluição Praga Premissas Preservação Ambiental Prevenção Princípios Privado Produção Produtos Produtos Madereiros Projetos Projetos ambientais Proteção Pública Qualidade da Madeira Queimada Recuperação Ambiental Reflorestamento Segurança Seleção Selos Sementes Seringueira Silvicultura Silvipastoril Sistema Agroflorestais Solos Substrato Sustentabilidade Técnicas Tipos de viveiros Transporte Uso do Solo Usos Vantagens Vegetação Vespa da Madeira Viveiros

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.