Ambiente Fauna

Rato-do-mato (Abrawayaomys ruschii)

Roedor de pequeno porte. Pelagem composta de espinhos achatados e sulcada misturada com pêlos mais delgados.

Envie para um amigo

 

Classe: Mammalia

Ordem: Rodentia

Família: Muridae

Nome científico: Abrawayaomys ruschii

Nome vulgar: Rato-do-mato

Categoria: Em perigo crítico

Características: Roedor de pequeno porte. Pelagem composta de espinhos achatados e sulcada misturada com pêlos mais delgados; os espinhos ocorrem em maior número no dorso. Coloração geral do dorso agrisalhada de ocráceo preto e cinza, sendo a região da cabeça mais enegrecida, a base da cauda cinza e a região central branco e cinza amarelado. Na superfície dorsal os pêlos aristiformes apresentam a região sub-apical e apical enegrecidas e os setiformes apresentam-na ocrácea ("Ochraceous-Buff"). Outros setiformes denotam diferenças na região apical e sub-apical, com pêlos cinza e com a região apical mais clara. Na superfície ventral os pêlos aristiformes são claros, isto é, branco-amarelado e branco puro; os setiformes são cinza, na maioria, com sua região apical ora branca, ou tendendo para o amarelo. Dorso e a cabeça mais enegrecidos, tendendo a cinza nos membros e mais para o amarelo nos flancos. Na região ventral, a gula e as extremidades são amareladas, tendendo as demais áreas para o branco e cinza. A cauda é mais curta que a cabeça e o corpo, com pouco pêlo podendo-se notar as escamas que apresentam uma tonalidade cinza e um pincel na extremidade. A orelha é curta revestida de pêlos escuros nos bordos e os dedos com pincel de pêlos brancos nas extremidades, cobrindo as unhas. O bordo posterior do maxilar inicia-se no nível anterior da série molar e os foramens palatinos não chegam até o molar anterior, a fossa mesopterigoide não ultrapassa o nível dos molares, os nasais são curtos, o interparietal muito reduzido permitindo, assim, a formação da sutura occipto-parietal, as suturas e occipto-parietal são arredondadas. Caixa craneana pouco arrendodada, rostro curto e largo, sem crita interorbital, interparietal reduzido, facilitando a formação da sutura occiptoparietal, sutura coronal arredondada em forma de "U". Foramam palatino bem próximo do incisivo (= 1,65mm distante), não atingindo o novel dos molares anteriores-fossa mesopterigóide arredondada com o comprimento maior do que a largura, processo malar formando um ângulo de quase 90º nas extremidades. A altura mandibular é igual à metade do comprimento total da mandíbula, sem o incisivo; o processo condilóide destaca-se pela sua elevação e inclinação para trás. Cabeça e corpo 201mm, cauda 85mm, pé posterior 29mm, orelha interna 20mm, maior comprimento do crânio 29,45mm, comprimento nasal 9,25mm, largura do rostro 4mm.

Peso: 46 a 63 gramas - fêmea 46 g

Ocorrência Geográfica: Mata Atlântica, Espírito Santo. Um único indivíduo foi registrado no Parque Estadual do Rio Doce (MG) (Muito provavelmente as populações são restritas, sendo naturalmente rara. A única população conhecida e teoricamente protegida no momento é a do Parque Estadual do Rio Doce.

Cientista que descreveu: Cunha & Cruz, 1979

Categoria/Critério: Classificação da UICN: Em perigo crítico. Anexo da CITES: Não consta. Populações pequenas, isoladas e em declínio. Causa importante de ameaça: desmatamento.

 

Fonte: MMA/SINIMA



Publicidade

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.