Ambiente Energia

O GNV no mundo

O título em questão, é objeto de políticas públicas em vários países focando fundamentalmente os grandes centros urbanos; não que com isto desconsideramos a possibilidade do uso do GNV em viagens de grande percurso, como intermunicipais, interestaduais ou até mesmo internacionais.

Envie para um amigo

 

q

 

O título em questão, é objeto de políticas públicas em vários países focando fundamentalmente os grandes centros urbanos; não que com isto desconsideramos a possibilidade do uso do GNV em viagens de grande percurso, como intermunicipais, interestaduais ou até mesmo internacionais.

São os chamados “corredores azuis”, estradas de alto tráfego e importantes ligações rodoviárias internacionais. São supridas da necessária infra-estrutura de abastecimento para veículos GNV’s leves ou pesados, e que em muitos casos são atendidos por “gasodutos virtuais” ou seja, caminhões de transporte de gás comprimido (GNC).

Bastante conhecido e em operação, podemos citar como exemplo o trecho rodoviário que liga Moscou, São Petersburgo (Rússia) a Helsinki (Finlândia), com 1050 km, o segundo também alusivo ao programa Europeu para controle de emissões também parte de Moscou (Rússia) passando por Minsk (Bielorússia), Varsóvia (Polônia), Berlin (Alemanha) e chegando a Roma com 3.800 km.

Ambos projetos, atentamente acompanhados pela Comunidade Européia, pois fazem parte da estruturação do Programa de Controle de emissões veiculares, que almeja instituir o patamar mínimo de 10% da frota total dos países membros utilizando GNV. No fundo não se trata apenas de preocupação com meio ambiente, mas viabilizar dentro do próprio continente Europeu fontes energéticas próprias tornando a Economia da CE menos vulnerável às variações internacionais do petróleo, afinal no continente Europeu, encontramos grandes produtores de Gás. Rússia 600 bilhões metros cúbicos/ano, Reino Unido 120 bilhões, Noruega 70 bilhões, Holanda 60 bilhões, Uzebakistão 55 bilhões, e Alemanha, Ucrânia e Itália com 17 a 18 bilhões de metros cúbicos cada. Para que tenhamos uma ordem de grandeza, o Brasil possui uma demanda potencial, considerando-se um “despacho mínimo das térmicas” da ordem 13 a 14 bilhões de metros cúbicos, e considerando-se um “despacho de 70% das térmicas” a demanda potencial sobe para 18 bilhões de metros cúbicos/ano.

Considerando-se nossas reservas e a possibilidade concreta do Gasbol, em fornecer pelos próximos 30 anos, cerca de 30 milhões de metros cúbicos diários, poderíamos triplicar nosso consumo atual que é de 36 milhões metros cúbicos/(dia) e estaríamos plenamente seguros quanto ao fornecimento por mais de trinta anos, sem considerar novas descobertas de reservas o que é muito provável.

Neste contexto o GNV vem contribuindo decisivamente para massificação do uso do Gás, e deslocando outros combustíveis, também fosseis, como diesel e gasolina mais poluentes e intrisicamente originários de fontes primárias (petróleo) não tão distribuídas ou como fontes próprias à maioria das nações industrializadas. Da mesma forma, desloca-se o consumo do GLP e em todos estes casos pesa muito mais as assertivas econômicas, que as relacionadas ao meio ambientais.

Estima-se uma frota de 400 a 500 mil veículos GNV’s pesados em operação pelo mundo, a quase totalidade, assim como os GNV’s leves não é producente das montadoras, mas sim de conversões de motores.

Há muitos exemplos a serem citados como a Bielorússia, Uzubasquistão com mais 100 mil veículos juntos; pouco mais de 10% da frota de ônibus urbanos nos Estados Unidos são GNV’s; grandes cidades Européias através de legislação própria tem data marcada para dentro de 2 a 3 anos não mais permitirem o uso de veículos de transporte de passageiros e cargas nos centros urbanos movidos a diesel; incluem-se nestas circunstâncias, transportes de valores, entregas de bens de qualquer espécie, serviços de correio e até coleta de lixo. Exemplificando, são treze centros urbanos na Itália e todas cidades francesas com mais de 200 mil habitantes.

E o Brasil

Tão grande é o nosso país que o bom senso nos obriga a realizar detidamente quais seriam as áreas de maior viabilidade econômica para a implantação efetiva de programas aonde o GNV possa substituir o diesel.

Vamos procurar focar uma área, que não só a grande expectativa paulista, mas também brasileira.

Há uma região facilmente delimitada, que possui condições, ou seja, um mercado potencial, factível a todos aspectos inerentes; oferta de gás, adensamento populacional urbano com larga utilização do transporte coletivo de passageiros e de cargas, e até mesmo apresentando sintomática situação de poluição atmosférica.

Uma mega região urbana forma-se em torno da Grande São Paulo: as regiões administrativas de Campinas, São José dos Campos, Baixada Santista, Itu, Jundiaí e Sorocaba. São 25 milhões de habitantes, e onde se concentra mais de 1/3 do PIB nacional.

Esta área possui cerca de 24.000 ônibus de uso urbano para transporte de passageiros ou fretamento e pelo menos 200 mil outros veículos de uso urbano como caminhões (3/4), camionetes que utilizam diesel em suas atividades. Sem dúvida alguma um mercado potencial, e a área deverá ter até ao final deste ano cerca de 300 postos de abastecimento públicos.

Vários fatores inferirão sobre esta notável frota, a “ottolização de motores diesel” (processo que mais ocorre no mundo), e a efetiva entrada da indústria de GNV’s pesados com escala produtiva otimizada.

Poucos lugares no mundo possuem este notável perfil.

Mas de fato nos falta uma forte e significativa ação governamental não só em prol do GNV, mas também da co-geração de energia através do gás. O peso desta ação, é fundamental para alteração da matriz energética consolidada e da matriz de combustíveis.

A cogeração é de vital importância para reduzir a dependência da energia elétrica provinda de outros Estados, muito mais em considerando-se que o fator tempo na busca de alternativas energéticas é fundamental para o país e especialmente para economia paulista, pois como bem colocado por várias autoridades, a questão energética será um grave entrave em dois a três anos ao crescimento econômico, e aqui tratando-se de um problema conjuntural e não por questões climáticas como ocorrido em 2001.

A ação do Governo Paulista, vêem sendo anunciada e aguardada com grande expectativa pelo mercado.

Dentro do Programa recém lançado, “São Paulo Competitivo” várias ações de fomento estão sendo programadas e ajustadas aos anseios do empreendedorismo, que o próprio Governador está empenhado em dispor.

Além dos benefícios sócio-econômicos aqui mencionados, há outros fatores dignos de menção em prol da alteração da matriz energética paulista.

» Clara e consciente demonstração de políticas econômicas e fiscais em prol do desenvolvimento.

» Plena factibilidade que na redução da carga fiscal, como fator de estímulo ao segmento, outras atividades também serão beneficiadas, como a saúde pública, atração de capital e tecnologia, formação de mão de obra especializada e a também importante missão de transmitir à sociedade paulista possuidora da maior reserva nacional, em atentar para o Gás Natural como uma fonte energética fatível a várias aplicações. São Paulo esta predispondo-se assim a formação de um grande e auspicioso mercado da indústria do Gás Natural.

Oswaldo Colombo Filho, Diretor Geral Executivo. Associação Brasileira do Gás Natural Veicular – ABgnv Membro do Comitê GNV, do Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP colomboconsult@uol.com.br



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Energia Ação de Emergência Acidentes Ambientais Acidentes Nucleares Água Águas Profundas Álcool Álcool Etílico Alta pressão Alternativa Energéticas Ambientes Marinhos Angra I Angra II Angra III Aplicação Aproveitamento Armazenamento Arquitetura Bioclimática Artigo Aspectos Socioambientais Aterro Sanitário Atmosfera Modificada Ausência de Emissão Bacias Hidrográficas Biocombutível Biodiesel Biodigestores Biomas Biomassa CaC's Calor da Terra Cana de Açúcar Carvão Carvão Mineral Célula Combustível Célula Fotovoltaica Centro de Defesa Ambiental Césio 137 Chernobyl Co-processamento de resíduos Cogeração Coleta Seletiva Coletor Solar Combustíveis fósseis Combustível Combustível Ecológico Combustível Nuclear Combustível Renovável Combustível Veicular Conservação Ambiental Consumo de Energia Consumo Energético Contaminação Hospitalar Contingências Controle Ambiental Controle de Qualidade Correntes Marítimas Crescimento Econômico Custos Demanda Energética Desenvolvimento Sustentável Distribuição Economia Efeito Fotovoltaico Efluentes Emissão de Gases Emissões de Poluentes Emprego Energia Energia Alternativa Energia Elétrica Energia Eólica Energia Geotérmica Energia Hidrica Energia Limpa Energia Maremotriz Energia não-renovável Energia Nuclear Energia Nucleoelétrica Energia Renovável Energia Solar Energias Renovavéis Engenharia Oceânicas Eólica Etanol Exploração Fauna Flora Marinha Fonte de Combustíveis Fonte não-renovável Fonte Renovável Fontes de Hidrogênio Fontes Energéticas Fontes Orgânicas Fontes Termais Formas de Enxofre Gás Hidrogênio Gás Natural Gases Gases de Efeito Estufa Gases para Embalagens Gasoduto GEE Geração de Energia Gestão ambiental Gestão de Segurança Grau Geotérmico Hidrografia História Horário de Verão Impactos Ambientais Indústria do Carvão Instalação Nuclear Lixo atômico Mar Material radioativo Matriz Energética Medicina Medidas de Segurança Meio Ambiente Mineração Mudanças Climáticas Navios Normas Ambientais O que é Paraná Petróleo Plano de Contingência Plataforma de Exploração Política Energética Potencial Energético Potencial Eólico Potencial Hidrico Potencial Solar Preservação Ambiental PROÁLCOOL Produção de Energia Produção de Gás Produtos Programa de Excelência Projetos ambientais Radiação Nuclear Reciclagem Recuperação Ambiental Recuperação do Óleo Recurso Eólico Recursos Energéticos Recursos Hídricos Recursos Renováveis Redução de Emissão Região Carbonífera Regulamentação Reserva Geológica Reservas Reservatórios Subterrâneos Resfriamento Resíduos Resíduos Agrícolas Resíduos oleosos Resumo Rio Grande do Sul Saneamento Ambiental Setor Agropecuário Setor Transporte Sindicatos Sistema de Cogeração Tecnologia Nuclear Teor de Carbono Termelétrica Three Mile Island Transporte Tratamento de Água Tratamento de Efluentes Tratamento de Resíduos Sólidos Tratamento do Ar Usina Elétrica Usina Nuclear Usinas Eólicas Usinas Termelétricas Vantagens Vazamentos de Óleo Yellow cake Zero Poluição

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.