Ambiente Educação

Dengue: O Perigo que nos cerca

Com milhares de casos já registrados neste ano, o Rio de Janeiro abriga, há algum tempo, o vírus tipo 1 e 2 e mais recentemente foi detectado o vírus tipo 3, que predispõe a ocorrência da dengue hemorrágica, a forma mais grave da doença.

Envie para um amigo

 

O Brasil enfrenta hoje, um dos seus maiores desafios : o combate à dengue.

Surgida há mais de 200 anos na Ásia, África, chegou em 1986, instalando-se no Rio de Janeiro, onde permanece ativa até hoje.

Com milhares de casos já registrados neste ano, o Rio de Janeiro abriga, há algum tempo, o vírus tipo 1 e 2 e mais recentemente foi detectado o vírus tipo 3, que predispõe a ocorrência da dengue hemorrágica, a forma mais grave da doença.

No Estado de São Paulo, a epidemia começou em 1990 e vem crescendo ao longo do tempo, chegando a 51.348 casos no ano de 2001.

A cidade de São Paulo ficou um longo período de tempo utilizando políticas inadequadas e sem investimento algum no setor, o que fez refletir no aumento de números de focos do mosquito e consequentemente no registro de casos autóctones.

Ao assumir o governo em 2001, uma das preocupações foi de como retomar o combate e estancar uma epidemia iminente. A primeira medida foi estabelecer um convênio com a esfera estadual da área, que em São Paulo é a Sucen (Superintendência de Controle de Endemias ), para desenvolver ações coordenadas.

A Secretaria Municipal da Saúde, com apoio das Administrações Regionais, desde o início do ano passado, vem realizando mutirões de limpeza em todos os bairros da cidade e com maior ênfase na Zona Norte da capital, região onde os focos do mosquito e incidência da doença são mais abundantes. Através do Projeto Casa a Casa, agentes visitam as residências, uma vez por mês, para orientar os moradores e eliminar possíveis criadouros do transmissor. Para isso, foram contratados 860 agentes de Vigilância Sanitária e 30 profissionais de nível universitário. 

Uma vasta campanha educativa e informativa vem sendo realizada constantemente, através de folhetos, cartazes, reuniões com comunidade, inclusão de um desenho animado na televisão e confecção de 1,5 milhão de gibis distribuídos nas escolas . Além disso, foi criado o Disque-Dengue (0800 7720988) , serviço telefônico gratuito, onde o cidadão pode tirar suas dúvidas sobre a doença e os procedimentos para evitar criadouros. De um certo modo, este contato com a população acaba nos beneficiando também, pois ao mesmo tempo que o munícipe tira suas dúvidas, acaba relatando ou descrevendo o local que o cerca, gerando muitas vezes o acionamento dos órgãos competentes para uma investigação do local ou já a execução de um serviço.

Devido ao grande número de focos e incidência da doença nas cidades próximas a São Paulo, foi realizado o Fórum Metropolitano de Combate à Dengue que contou com a participação dos 39 municípios da Grande São Paulo e teve como objetivo propor ações conjuntas para o efetivo combate à dengue. É necessário a adesão do poder público vizinho para amenizar o perigo já existente, pois o mosquito não reconhece divisas. 

As ações de combate à dengue, ao contrário do que muitos pensam, envolvem a secretaria como um todo e não apenas um setor ou departamento dela. É claro que os setores especializados, tem uma atuação mais direta, mas todos devem estar informados com o assunto para saber como proceder ou quem acionar no caso de alguma demanda relativa à dengue.

Conscientes de que 80% dos focos localizam-se dentro das casas e estabelecimentos comerciais, a Secretaria da Saúde de São Paulo vem fazendo sua parte , esforçando-se para esclarecer à população sobre as ações executadas como a identificação e controle dos focos do Aedes aegypti e da importância da participação da comunidade na tentativa de conter ou pelo menos amenizar o avanço de uma epidemia.

Nem todos são abertos às informações e solicitações recebidas e justamente por encontrar certa resistência de alguns moradores e comerciantes e não podendo deixar os que colaboram a mercê da boa vontade dos outros, expondo-os assim, ao risco de contrairem a doença, foi votada pela Câmara e promulgada pelo prefeito em exercício, a Lei nº 521/01 do Executivo.

Esta Lei institui o Programa Municipal de Combate e Prevenção à Dengue e prevê, além do trabalho que já vem sendo executado pela secretaria, multa para aqueles que não mantiverem seus estabelecimentos, públicos ou privados, inclusive residências, limpos e livres de acúmulo de lixo, o que proporciona condições de instalação e proliferação dos vetores causadores da dengue. Os responsáveis por cemitérios serão obrigados a exercer rigorosa fiscalização mandando retirar de imediato todos os vasos e recepientes que acumulem água em seu interior. 

As borracharias, desmanches , depósitos de veículos e outros estabelecimendos a tomar medidas que visem evitar a existência de criadouros. Os estabelecimentos que comercializam produtos armazenados em embalagens descartáveis, também ganharam um artigo, ficando obrigados a instalar no próprio estabelecimento, containers para recebimento dos mesmos e que posteriormente serão encaminhados a entidades públicas ou privadas, cooperativas e associações que recolham materiais recicláveis. Todos os estabelecimentos referidos na lei receberão uma notificação para regulamentar a situação em 10 dias. Só receberão multa aqueles que não tomarem providências no prazo estabelecido.

O eixo do nosso trabalho é o investimento em educação e prevenção. O SUS, na verdade, está perdendo, na comunicação, esta luta contra o mosquito, pois sem a mudança de hábitos da população, não haverá controle.

 

Prefeitura de São Paulo



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Educação 60's 70's 80's 90's Acre Agenda 21 Agricultura Agronomia Água Alagoas Alimento Amapá Amazonas Ambientais Ambiental Ambiente Anos Aproveitamento de água Aquicultura Área de Preservação Arqueologia Arqueólogo Arquiteto Arquitetura Artigo Árvore Educacional Bahia Bibliografia Bibliotecas Biodiversidade Biologo Bioprocessos Biotecnologia Cadeia alimentar Calendário Capacitação Profissional Cartilha Cartografia Caule Ceará Ciências Ciências do mar Combate a pragas Comemorativas Consciência Consciência Ecológica Conservação Conservação Ambiental Consumidores Consumo Sustentável Cultura Data Datas Dengue Desenvolvimento Sustentável Desordenada Dinheiro Distrito Federal Diversidade Biológica Doenças Dúvidas Eclipse Ecologia Economia Ecosistema Educação Educação Ambiental Engenharia Escola Espírito Santo Estações do Ano Estado Fauna Feriado Festa Junina Financiamento Flor Florestal Florestas Foco do mosquito Fogos Fogueiras Folha Fotografia Frutas Nativas Fruto Geofísica Geografia Geologia Gerenciamento Ambiental Gestão ambiental Glossário Goiás História Impactos Ambientais Incorporação do EA Industrial Inserção de critérios ambientais e sociais Inserção Profissional Instituições Interespecíficos Internacional Intra-específicos Legislação Lei Ambiental Leitura Links Livros Madeira Madeireira Manacial Mato Grosso Meio Ambiente Meio-Ambiente Minas Gerais Núcleos O que é Oceanografia Pantanal Pará Paraíba Paraná Patrimônio Percepção Perguntas Pernambuco Pesca Piauí Políticas Ambientais Praia Prêmio Prêmio Ambiental Preservação Ambiental Preservação do Meio Ambiente Prevenção Profissionais Programa identificado como A3P Projetos Projetos ambientais Proteção Proteção ao meio-ambiente Qualidade Ambiental Qualidade da água Quimica Racismo Raíz Real Reciclagem Recursos Hídricos Recursos Naturais Responsabilidade Ambiental Rio de Janeiro Rio Grande do Norte Rio Grande do Sul Riscos Ambientais Rondônia Roraima Rural Sanitária Santa Catarina São Paulo Satisfação Selos Sementes Sensibilização Sergipe Socio-ambiental Sustentabilidade Tecnologia Tecnólogo Textos Educativos Tocantins Tráfico de animais Tratamento de Efluentes Urbanização Uso Sustentável de Recursos Naturais Zona Costeira

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.