Ambiente Água

Projeto Climágua

Aplicação de águas tratadas em estações de tratamento de esgoto para a irrigação de vegetais a serem industrializados, obtendo-se com isto, também o "seqüestro de carbono e redução de impactos negativos visuais e de ordem atmosférica no entorno das ETEs

Envie para um amigo

 

1 - O B J E T I V O:

Aplicação de águas tratadas em estações de tratamento de esgoto para a irrigação de vegetais a serem industrializados, obtendo-se com isto, também o "seqüestro de carbono e redução de impactos negativos visuais e de ordem atmosférica no entorno das ETEs".

 

2 - C O M E N T Á R I O S I N I C I A I S:

2.1 - INTRODUÇÃO:

I.- Normalmente, o entorno das ETEs se constituem de glebas desvalorizadas face a sucessão de impactos negativos gerados pela presença delas, por mais que as concessionárias tentem minimizar os efeitos negativos gerados.

II.- As ETEs são montadas sempre nas proximidades dos núcleos urbanos dos municípios, por motivos óbvios de redução de custos e otimização de processos e atividades.

III.- Com uma freqüência de quase 100%, as glebas próximas à cidade foram pulverizadas, transformando-se em propriedades de pequena extensão, familiares, sendo utilizadas para lazer e pequena produção agrícola - o famoso "cinturão verde" produtor de verduras e legumes de consumo local.

2.2 - OBSERVAÇÕES AMBIENTAIS E TÉCNICAS:

I.- O organograma do uso da água em um sistema urbano pode ser assim representado:

q

Como pode ser observado, de forma simplista, o precioso líquido água, desde sua captação, normalmente com uma qualidade aceitável, após dez operações unitárias, é descartado com qualidade inferior 1.

II.- O abastecimento de verduras e legumes das cidades brasileiras deriva de um "cinturão verde" constituído por pequenas propriedades familiares no entorno das cidades que face à grande poluição dos cursos d'água que servem para a irrigação, têm um sistema sanitário que deixa muito a desejar.

III.- Como foi ventilado anteriormente, o entorno de uma ETE é muito desvalorizado, acarretando, não apenas prejuízos incalculáveis aos proprietários, como uma visão política negativa por parte da população, em relação às permissionárias/concessionárias, sejam elas municipais, companhias mistas, ou privatizadas.

Sob o ponto de vista técnico, soe acontecer a arborização de parte do entorno das ETEs, em suas propriedades, minimizando diversos problemas, sem no entanto os resolver.

IV.- Um dos maiores vilões entre os produtores do efeito estufa que está alterando o clima da terra, para pior, é o gás carbônico oriundo de um desequilíbrio ecológico, face sua desenfreada emissão provinda do desenvolvimento industrial e de transportes.

V.- Vegetais, uns mais, outros menos, porém e principalmente em crescimento, pelo processo da fotossíntese, absorvem elevadas taxas de gás carbônico para construírem suas estruturas.

VI.- Ao ser utilizada uma árvore sustentavelmente plantada e, sustentavelmente cortada, para a indústria moveleira, o gás carbônico absorvido pela planta, na evolução de seu crescimento, permanecerá sob a forma de compostos de carbono, no cerne da madeira utilizada para a fabricação dos móveis, portanto, o Carbono foi seqüestrado ...

VII.- Os países industrializados que não conseguirem reduzir a taxa de gás carbônico emitido, segundo o Protocolo de Kioto, terão algumas obrigações a cumprir que envolvem compra de cotas, pagamento de royaltes , financiamentos etc.

2.3 - A IDÉIA:

I.- De um lado, temos águas servidas de qualidade inferior às captadas, sendo lançadas, após dois longos percursos de tratamento, em cursos d'água.

II.- De outro lado, terras existem, mal aproveitadas, desvalorizadas, sendo utilizadas, muita vez, de forma ambiental e sanitáriamente insatisfatórias.

III.- Complementando, há uma preocupação global com relação às mudanças climáticas acarretadas pelo "efeito estufa".

 

3 - A P R O P O S T A

3.1.- Por meios legais, seja contrato com permissionárias ou concessionárias, incentivos, obrigação de fazer, ou mesmo seguindo a chamada lei natural da oferta e da procura mercadológicas, propor/determinar que o entorno de uma ETE 2 deva ter reflorestamento com manejo sustentável objetivando o "Seqüestro de Carbono" , de tal forma que a madeira a ser cortada, não mais seja utilizada como combustível ou assemelhado, retornando à atmosfera sob a forma de gás carbônico 3

3.2.- A ETE se obriga a fornecer água residuária oriunda de seu tratamento, de forma pressurizada para o processo de irrigação controlada .

3.3.- A utilização do lodo obtido no tratamento deverá ser analisada entre as partes e, caso aprovada, passará a ser acompanhada pelas autoridades senitárias.

3. 4.- Poderá haver a implementação de outros projetos de plantio, observando-se no entanto, tratarem-se de:

I - consumo industrial;

II - utilização da irrigação mencionada;

III - serem objeto de "seqüestro de Carbono";

IV - terem órgãos governamentais oferecendo incentivos e parcerias. 

 

Ribeirão Preto, 26 de outubro de 2004

Paulo Finotti

 

1 É importante que seja lembrada a captação de água subterrânea, a mais nobre das águas! Trazemo-la nobre, pura dos aqüíferos, a estragamos e após um tratamento que atinge de 95 a 98%, a despejamos sob a forma de água residuária superficial .

2 A dimensão da área deve ser definida de acordo com parâmetros técnicos da ETE.

3 Exemplo a ser citado são as madeiras para a indústria moveleira. Uma vez feito o móvel, dificilmente ele será queimado. 

 

Paulo Finotti


Você vai gostar de ler também
Reúso da Água
Tecnologia para Tratamento de Água

Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Água "Comandante Ferraz" "dequada" Abastecimento Acqua Project Acre Agenda 21 Agricultura Água Água de lastro Água doce Água Mineral Água Salgada Águas Subterrâneas Algas Alimentação Amapá Amazonas Amazônia Amazônia legal Ambiental Antártica Aproveitamento de água Aqüífero Guarani Araguaia-Tocantins Área de pesca Área Protegida Áreas alagadas Armazenamento Artigo Aspectos Ambientais Atitudes Atividades Atlântico Sul Atmosfera Avaliação Ambiental Bacia Amazônica Bacia do Paraná Bacia do Prata Bacias Hidrográficas Balneabilidade Banco de Sêmen Belém Biodiversidade Bioindicadores Biopesca Biopirataria Brasil Captação Captura de peixes Características Catástrofes Ciclo Hidrológico Cisternas Classificação Clima Cobrança Código Compostagem CONAMA Concessão Conferências Consciência Ecológica Conservação Conservação Ambiental Consórcio Consumidores Consumo de água Contaminação Contaminação ambiental Corredor ecológico Costeiro Costões Rochosos Criação Criadouros Curiosidades Curitiba DBO Declaração Universal Defesa Degradação Desafios Desastres Ambientais Descaso Desenvolvimento Sustentável Desova Desperdício Despesca Despoluição Dessalinização Direito Ambiental Direito do mar Direito Internacional Direitos da água Diversidade DMA Doenças Dunas Economia Ecosistema Ecossistemas aquáticos Educação Ambiental Enchentes Envase Escassez Esgoto Espécies Exóticas Espécies migradoras Esponja Estação Antártica Estação de Tratamento Eutrofização Exploração Fatores Fauna Fauna Silvestre Fenômeno Natural Filtração Flora Floração de algas Florestas Formação Fórum Fotografia Gaseificação Gênero Gerenciamento Ambiental Gestão ambiental Gestão da água Golfinhos Hidrelétricas Hidrografia Hidropirataria Hidrovias História Impactos Ambientais Informação Instituições Inundações Invasão de espécies Irrigação Lagoa Rodrigo de Freitas Lagos do Rio Doce Lambari Legislação Lei Lei da Pesca Licença de Pesca Licenciamento Limnologia Limnológicos Lista Lixo Locais de pesca Localização Macaco Macapá Macroeconomia Macroinvertebrados Aquáticos Maiores Manacial Manaus Manejo Manejo de Pesca Manejo Sustentável Mangue Mar Mar Morto Maranhão Maricultura Matas Ciliares Mato Grosso Meio Ambiente Mercado Mercúrio Mexilhão Mineração Monitoramento Mudanças Climáticas Mundo Navegação Necessidades Humanas Neurotoxina Obrigações Oceano ONGs Órgãos Oriental Origem Osmose reversa Palmito Pantanal Pântanos Pará Paraguai Paraíba do Sul Paraná Parnaíba Peixes Percepção Perdas de água Pesca Pesca Amadora Pesca artesanal Pesca esportiva Pesca profissional Pesquisa Científica Piracema Poluição Poríferos Pororoca Portal das Docas Porto de Santarém Porto de Vila do Conde Porto Velho Portos Praia Praia arenosa Preservação Ambiental Prevenção Principais Problemas ecológicos Produção Produção de jacaré Produção Pesqueira Programas Proibições Projetos ambientais Proliferação Proteção ao meio-ambiente Protocolo de Kyoto Pscicultura Psicultura Pulso de inundação Purificação Qualidade Ambiental Qualidade da água Racionamento Reciclagem Recifes Artificiais Recuperação Ambiental Recurso Sustentável Recursos Hídricos Recursos Naturais Recursos Pesqueiros Redução de Emissão Região Costeira do Norte Regiões Regiões Hidrogtáficas Repovoamento Reprodução Reservas Reservatório Reservatórios de águas Resgate Resolução Restinga Reuso Reutilização Revitalização Rio Iguaçu Rio Paraguay Rio Paraná Rio São Francisco Rio Taquari Rios Riscos Ambientais Rondônia Roraima Rotulagem Salinidade Saneamento Saneamento Ambiental São Francisco Saúde Sistema de Gerenciamento Sudeste Sul Superfície Terrestre Sustentabilidade Tamanho mínimo Tanque-rede Tartaruga Tecnologia Tipo de Piscicultura Tocantins Transposição Tratado Antártico Tratamento de Água Tratamento de Efluentes Tsunami Turismo Turismo Sustentável Uruguai Vaeiações antrópicas Variações sazonais Vida aquática ZEE Zona Costeira

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.