Ambiente Água

Um só mundo, um só oceano

A pesca indiscriminada está matando o oceano. A revolução tecnológica que tornou possível a captura de volumes cada vez maiores de pescado, junto com a exploração populacional dos litorais.

Envie para um amigo

 

Celebrando o Dia Mundial dos Oceanos (8 de Junho), cabem estas reflexões. Os países ricos e pobres estão interligados como nunca antes pela economia, o comércio, as correntes migratórias e por um corpo de água que cobre 70% da superfície da Terra, do qual depende nossa própria sobrevivência. Do mesmo modo que só existe um mundo, também há apenas um oceano. Mas, o oceano está morrendo. 

Os sinais de perigo não se fazem esperar: a) vazamentos de petróleo nas costas espanholas, lixo sanitário nas praias de Long Island Sound, nos Estados Unidos; b) morte de golfinhos e baleias ao longo da costa do Estado da Califórnia, nos Estados Unidos; c) um terço dos recifes de corais estão degradados, sem possibilidades de recuperação, e outro terço em risco iminente; d) noventa por cento dos peixes predadores oceânicos, como o atum, o tubarão ou o bacalhau, já estão se extinguindo; e) alarme sobre potenciais fiscos à saúde humana provenientes de substâncias químicas cancerígenas presentes no salmão de criadouro; etc. 

A pesca indiscriminada está matando o oceano. A revolução tecnológica que tornou possível a captura de volumes cada vez maiores de pescado, junto com a exploração populacional dos litorais, os subsídios às frotas pesqueiras nos países desenvolvidos e um incessante aumento da demanda por produtos do mar parecem ter se combinado de tal forma que geraram uma ameaça global de conseqüências imprevisíveis para futuras gerações. 

q

A incessante expansão das frotas pesqueiras dos países ricos, apoiadas por elevados subsídios da ordem de US$ 15 bilhões anuais, causou a devastação das espécies. A pesca ilegal está aumentando, a regulamentação do setor pesqueiro é ineficiente e os pescadores pobres pagam pelas conseqüências.

A demanda continua aumentando devido a um aumento da renda, principalmente nos países desenvolvidos, mas também nos países em desenvolvimento. O consumo de pescado duplicou nos últimos 30 anos, passando de 45 milhões para cem milhões de toneladas anuais, e estima-se que até 2020 chegará a 28 milhões de toneladas. As redes de superexploração pesqueira chegaram às profundezas dos belos, mas frágeis, recifes de corais, em busca de exóticas espécies em risco de extinção, que, apesar disso, são oferecidas em luxuosos restaurantes em numerosas cidades.

Quase a metade da população mundial, cerca de três bilhões de pessoas, vive a não mais de 60 milhas do litoral. Esta concentração e as atividades de construção causam um aumento da poluição e destruição do hábitat marinho. O esgoto sem tratamento e os produtos químicos estão causando a devastação de estuários como a Baía de Chesapeake, nos Estados Unidos, ou criando verdadeiras zonas mortas nas proximidades do Golfo do México. A isto se soma o impacto da mudança climática devido à atividade humana, que já está ocasionando perigosos impactos nos ecossistemas marinhos. Por causa dos fenômenos associados à mudança climática, verifica-se surgimento de enfermidades. 

Entretanto, ainda há espaço para a esperança. Em 2002, a Cúpula Mundial de Desenvolvimento Sustentável de Johanesburg fez um chamado à comunidade internacional para propor objetivos ambiciosos, embora alcançáveis, como a recuperação, até 2015, de existências de peixes até atingir níveis de sustentabilidade. Agora, trata-se de impulsionar, na prática, as ações que nos levem a esse resultado. Os países desenvolvidos devem liderar este processo. Como na agricultura, esses países devem ser os primeiros a eliminar os nocivos subsídios e outras políticas protecionistas que conduzem à pesca indiscriminada. 

Alguns países estão mostrando que se pode progredir na direção correta. A redução do excesso de capacidade pesqueira no Chile e a recuperação de licenças cedidas a estrangeiros para favorecer frotas nacionais sujeitas a melhores controles na Namíbia são dois claros exemplos que levam à restauração de existências básicas de peixes. 

O Banco Mundial, junto a sócios como o Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF), a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) e o Fundo de Conservação da Vida Silvestre (WWF), entre outros, está trabalhando em um novo enfoque em relação ao oceano, que começa na linha divisória das águas dos rios e continua até as zonas costeiras e o mar. Somente se for dada prioridade às estreitas ligações entre terra e água, entre saúde humana e oceânica, entre manejo sustentável e benefícios renováveis, nos converteremos em promotores responsáveis do Planeta Azul do qual depende nossa vida e o futuro das próximas gerações. 

 

Ian Johnson - Vice-presidente de Desenvolvimento Sustentável do Banco Mundial

Tags Oceano Pesca


Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Água "Comandante Ferraz" "dequada" Abastecimento Acqua Project Acre Agenda 21 Agricultura Água Água de lastro Água doce Água Mineral Água Salgada Águas Subterrâneas Algas Alimentação Amapá Amazonas Amazônia Amazônia legal Ambiental Antártica Aproveitamento de água Aqüífero Guarani Araguaia-Tocantins Área de pesca Área Protegida Áreas alagadas Armazenamento Artigo Aspectos Ambientais Atitudes Atividades Atlântico Sul Atmosfera Avaliação Ambiental Bacia Amazônica Bacia do Paraná Bacia do Prata Bacias Hidrográficas Balneabilidade Banco de Sêmen Belém Biodiversidade Bioindicadores Biopesca Biopirataria Brasil Captação Captura de peixes Características Catástrofes Ciclo Hidrológico Cisternas Classificação Clima Cobrança Código Compostagem CONAMA Concessão Conferências Consciência Ecológica Conservação Conservação Ambiental Consórcio Consumidores Consumo de água Contaminação Contaminação ambiental Corredor ecológico Costeiro Costões Rochosos Criação Criadouros Curiosidades Curitiba DBO Declaração Universal Defesa Degradação Desafios Desastres Ambientais Descaso Desenvolvimento Sustentável Desova Desperdício Despesca Despoluição Dessalinização Direito Ambiental Direito do mar Direito Internacional Direitos da água Diversidade DMA Doenças Dunas Economia Ecosistema Ecossistemas aquáticos Educação Ambiental Enchentes Envase Escassez Esgoto Espécies Exóticas Espécies migradoras Esponja Estação Antártica Estação de Tratamento Eutrofização Exploração Fatores Fauna Fauna Silvestre Fenômeno Natural Filtração Flora Floração de algas Florestas Formação Fórum Fotografia Gaseificação Gênero Gerenciamento Ambiental Gestão ambiental Gestão da água Golfinhos Hidrelétricas Hidrografia Hidropirataria Hidrovias História Impactos Ambientais Informação Instituições Inundações Invasão de espécies Irrigação Lagoa Rodrigo de Freitas Lagos do Rio Doce Lambari Legislação Lei Lei da Pesca Licença de Pesca Licenciamento Limnologia Limnológicos Lista Lixo Locais de pesca Localização Macaco Macapá Macroeconomia Macroinvertebrados Aquáticos Maiores Manacial Manaus Manejo Manejo de Pesca Manejo Sustentável Mangue Mar Mar Morto Maranhão Maricultura Matas Ciliares Mato Grosso Meio Ambiente Mercado Mercúrio Mexilhão Mineração Monitoramento Mudanças Climáticas Mundo Navegação Necessidades Humanas Neurotoxina Obrigações Oceano ONGs Órgãos Oriental Origem Osmose reversa Palmito Pantanal Pântanos Pará Paraguai Paraíba do Sul Paraná Parnaíba Peixes Percepção Perdas de água Pesca Pesca Amadora Pesca artesanal Pesca esportiva Pesca profissional Pesquisa Científica Piracema Poluição Poríferos Pororoca Portal das Docas Porto de Santarém Porto de Vila do Conde Porto Velho Portos Praia Praia arenosa Preservação Ambiental Prevenção Principais Problemas ecológicos Produção Produção de jacaré Produção Pesqueira Programas Proibições Projetos ambientais Proliferação Proteção ao meio-ambiente Protocolo de Kyoto Pscicultura Psicultura Pulso de inundação Purificação Qualidade Ambiental Qualidade da água Racionamento Reciclagem Recifes Artificiais Recuperação Ambiental Recurso Sustentável Recursos Hídricos Recursos Naturais Recursos Pesqueiros Redução de Emissão Região Costeira do Norte Regiões Regiões Hidrogtáficas Repovoamento Reprodução Reservas Reservatório Reservatórios de águas Resgate Resolução Restinga Reuso Reutilização Revitalização Rio Iguaçu Rio Paraguay Rio Paraná Rio São Francisco Rio Taquari Rios Riscos Ambientais Rondônia Roraima Rotulagem Salinidade Saneamento Saneamento Ambiental São Francisco Saúde Sistema de Gerenciamento Sudeste Sul Superfície Terrestre Sustentabilidade Tamanho mínimo Tanque-rede Tartaruga Tecnologia Tipo de Piscicultura Tocantins Transposição Tratado Antártico Tratamento de Água Tratamento de Efluentes Tsunami Turismo Turismo Sustentável Uruguai Vaeiações antrópicas Variações sazonais Vida aquática ZEE Zona Costeira

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.