Ambiente Água

O Brasil no Aqua Project

Três satélites foram idealizados para este programa que reúne diversas instituições de pesquisa e agências espaciais de países da América do Sul e do Norte, Europa, Ásia e Austrália.

Envie para um amigo

 

O Brasil entrou pela porta da frente na pesquisa espacial ao participar do Projeto Aqua, realizado conjuntamente com os EUA e o Japão, para coletar dados sobre o ciclo da água e monitorar a sua influência no equilíbrio dos ecossistemas terrestres.

O Satélite Aqua da NASA, levando a bordo o sensor HSB (Humidity Sounder for Brazil), de responsabilidade brasileira, foi lançado, no último dia 4 de Maio, por um foguete Delta II, da Base Vandenberg da Força Aérea Estadunidense, localizada na Califórnia, EUA.

O satélite Aqua integra o Sistema de Observação da Terra (EOS-Earth Observing System), um programa da NASA que tem como principal preocupação entender os processos de mudança global no clima, muitos deles provocados sob a interferência do homem.

Três satélites foram idealizados para este programa que reúne diversas instituições de pesquisa e agências espaciais de países da América do Sul e do Norte, Europa, Ásia e Austrália. O primeiro deles, o Terra, já se encontra em órbita desde Dezembro de 1999. O Aqua é o segundo satélite a ser lançado e o terceiro será o Aura que analisará os dados da atmosfera. O Aqua que encontra-se orbitando a 705 km de altitude efetua uma volta em torno da Terra a cada 99 minutos.

q

Com um custo que atingiu os 952 milhões de dólares, o Aqua é um projeto conjunto entre os Estados Unidos, o Japão e o Brasil. Os EUA forneceram o foguete e quatro dos principais instrumentos científicos. O Brasil, através do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), participa com o Sensor de Umidade e o Japão contribuiu com o medidor de microondas para estudar o vapor da água e os níveis de precipitação. As análises totais são disponibilizadas em tempo real durante as 24 horas do di

O Projeto Aqua tem como foco central o estudo multidisciplinar de processos inter-relacionados - atmosfera, oceano e superfície terrestre - e suas relações com o sistema de mudanças globais no clima. Uma grande quantidade de informações será coletada sobre o ciclo da água, incluindo a vaporização dos oceanos, vapor d’água na atmosfera, nuvens, precipitações, umidade, gelo no oceano e na superfície, e cobertura de neve na superfície e no gelo.

Também serão medidas variáveis como fluxos de energia, aerossóis, cobertura vegetal, fictoplânctons e matéria orgânica nos oceanos, ar, superfície, além da temperatura da água. Seis instrumentos estão a bordo do satélite. Um deles, o HSB, de US$ 11 milhões, sob a responsabilidade do INPE foi construído conjuntamente pela empresa inglesa Astrium e pela brasileira Equatorial Sistemas. O processo de integração e testes do sensor brasileiro ficou sob a responsabilidade do INPE.

O acordo de cooperação para desenvolver o HSB foi assinado entre a Agência Espacial Brasileira (AEB) e a NASA em 1996. O interesse brasileiro pelos dados do HSB, com a obtenção de perfis de umidade, tem como perspectiva o aprimoramento das previsões do tempo e o acompanhamento de variáveis das tendências do clima. Os dados deverão ajudar ainda a compreender melhor a dinâmica da floresta amazônica, atualmente monitorada pelos pesquisadores do INPE através de imagens de satélite.

O período de vida útil do Aqua está previsto para seis anos. Durante esse tempo, Aqua observará os oceanos, a atmosfera, as terras, as extensões de gelo e os cristais de neve e a vegetação do nosso Planeta. Equipado com seis tipos de instrumentos específicos, o satélite coletará informações sobre as precipitações pluviométricas, a evaporação e os ciclos da água. Ele medirá, simultaneamente, as mudanças das correntes marítimas e a maneira em que as nuvens e os reservatórios de água afetam o clima global.

Segundo o Diretor dos Programas Científicos sobre a Terra da NASA, Ghassem Asrar, o satélite Aqua fornecerá informações inéditas sobre a influência da água - nos seus diversos estados - sobre a Terra, chegando a melhorar sensivelmente as previsões meteorológicas, entre outros temas.

Os cientistas se interessam não somente pelas relações entre a água e as mudanças climáticas, eles também querem aprofundar, particularmente, a evolução dessas relações. É evidente que, mesmo que as variações sejam mínimas, o Planeta depende numa grande medida delas; e muito mais ainda em razão de que 70% da superfície da Terra são constituídos por água.

Os cientistas reconhecem que o ciclo da água é muito pouco conhecido ainda e um dos objetivos do Projeto Aqua é exatamente esse: descobrir, por exemplo, como os pequenos cristais de gelo que flutuam na atmosfera podem alterar radicalmente o equilíbrio do clima e, com isso, a estabilidade dos ecossistemas e da vida na Terra.

 

Participação Brasileira

O Sensor de Umidade - HSB, de responsabilidade do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, irá compor um avançado sistema operacional de sondagem, juntamente com outros cinco instrumentos, quatro estadunidenses e um japonês.

É um sensor que opera na faixa do microondas, que inclui dois outros instrumentos estadunidenses, também a bordo do Aqua: o AIRS (Atmospheric Infrared Sounder ou Sensor Atmosférico no Infravermelho) e o AMSU-A (Advanced Microwave Sounding Unit ou Unidade Avançada de Sondagem em Microondas).

O HSB irá gerar perfis de umidade atmosférica. Os dados do HSB e do AMSU-A irão também gerar dados de calibração para o AIRS e ajudar a filtrar os efeitos das nuvens provocados nos dados obtidos por este sensor. A expectativa é de que a operação conjunta dos sensores obtenha perfis da temperatura e umidade de colunas de ar com grande precisão.

 

Ronaldo Mourão - Astrônomo e escritor Fonte: Revista ECO 21



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Água "Comandante Ferraz" "dequada" Abastecimento Acqua Project Acre Agenda 21 Agricultura Água Água de lastro Água doce Água Mineral Água Salgada Águas Subterrâneas Algas Alimentação Amapá Amazonas Amazônia Amazônia legal Ambiental Antártica Aproveitamento de água Aqüífero Guarani Araguaia-Tocantins Área de pesca Área Protegida Áreas alagadas Armazenamento Artigo Aspectos Ambientais Atitudes Atividades Atlântico Sul Atmosfera Avaliação Ambiental Bacia Amazônica Bacia do Paraná Bacia do Prata Bacias Hidrográficas Balneabilidade Banco de Sêmen Belém Biodiversidade Bioindicadores Biopesca Biopirataria Brasil Captação Captura de peixes Características Catástrofes Ciclo Hidrológico Cisternas Classificação Clima Cobrança Código Compostagem CONAMA Concessão Conferências Consciência Ecológica Conservação Conservação Ambiental Consórcio Consumidores Consumo de água Contaminação Contaminação ambiental Corredor ecológico Costeiro Costões Rochosos Criação Criadouros Curiosidades Curitiba DBO Declaração Universal Defesa Degradação Desafios Desastres Ambientais Descaso Desenvolvimento Sustentável Desova Desperdício Despesca Despoluição Dessalinização Direito Ambiental Direito do mar Direito Internacional Direitos da água Diversidade DMA Doenças Dunas Economia Ecosistema Ecossistemas aquáticos Educação Ambiental Enchentes Envase Escassez Esgoto Espécies Exóticas Espécies migradoras Esponja Estação Antártica Estação de Tratamento Eutrofização Exploração Fatores Fauna Fauna Silvestre Fenômeno Natural Filtração Flora Floração de algas Florestas Formação Fórum Fotografia Gaseificação Gênero Gerenciamento Ambiental Gestão ambiental Gestão da água Golfinhos Hidrelétricas Hidrografia Hidropirataria Hidrovias História Impactos Ambientais Informação Instituições Inundações Invasão de espécies Irrigação Lagoa Rodrigo de Freitas Lagos do Rio Doce Lambari Legislação Lei Lei da Pesca Licença de Pesca Licenciamento Limnologia Limnológicos Lista Lixo Locais de pesca Localização Macaco Macapá Macroeconomia Macroinvertebrados Aquáticos Maiores Manacial Manaus Manejo Manejo de Pesca Manejo Sustentável Mangue Mar Mar Morto Maranhão Maricultura Matas Ciliares Mato Grosso Meio Ambiente Mercado Mercúrio Mexilhão Mineração Monitoramento Mudanças Climáticas Mundo Navegação Necessidades Humanas Neurotoxina Obrigações Oceano ONGs Órgãos Oriental Origem Osmose reversa Palmito Pantanal Pântanos Pará Paraguai Paraíba do Sul Paraná Parnaíba Peixes Percepção Perdas de água Pesca Pesca Amadora Pesca artesanal Pesca esportiva Pesca profissional Pesquisa Científica Piracema Poluição Poríferos Pororoca Portal das Docas Porto de Santarém Porto de Vila do Conde Porto Velho Portos Praia Praia arenosa Preservação Ambiental Prevenção Principais Problemas ecológicos Produção Produção de jacaré Produção Pesqueira Programas Proibições Projetos ambientais Proliferação Proteção ao meio-ambiente Protocolo de Kyoto Pscicultura Psicultura Pulso de inundação Purificação Qualidade Ambiental Qualidade da água Racionamento Reciclagem Recifes Artificiais Recuperação Ambiental Recurso Sustentável Recursos Hídricos Recursos Naturais Recursos Pesqueiros Redução de Emissão Região Costeira do Norte Regiões Regiões Hidrogtáficas Repovoamento Reprodução Reservas Reservatório Reservatórios de águas Resgate Resolução Restinga Reuso Reutilização Revitalização Rio Iguaçu Rio Paraguay Rio Paraná Rio São Francisco Rio Taquari Rios Riscos Ambientais Rondônia Roraima Rotulagem Salinidade Saneamento Saneamento Ambiental São Francisco Saúde Sistema de Gerenciamento Sudeste Sul Superfície Terrestre Sustentabilidade Tamanho mínimo Tanque-rede Tartaruga Tecnologia Tipo de Piscicultura Tocantins Transposição Tratado Antártico Tratamento de Água Tratamento de Efluentes Tsunami Turismo Turismo Sustentável Uruguai Vaeiações antrópicas Variações sazonais Vida aquática ZEE Zona Costeira

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.