Ambiente Água

Um desafio brasileiro na Amazônia

O objetivo do projeto é desenvolver estudos e pesquisas para o melhor conhecimento das características hidrológicas e geoquímicas ocorrentes nos rios da bacia do Amazonas

Envie para um amigo

 

 

Para compreender a Amazônia é preciso em primeiro lugar abandonar grandes mitos. É claro que os 6 milhões de quilômetros quadrados de floresta tropical que cobrem esse imenso território, colaboram para retirada do gás carbônico da atmosfera e regulam a distribuição de chuvas de quase metade do Continente americano, mas a Amazônia não é o pulmão do mundo. 

Segundo a geógrafa e pesquisadora Bertha Becker, a Amazônia já é uma floresta urbanizada, o que para os especialistas é motivo de polêmica. Floresta urbanizada porque registrou a maior taxa de crescimento urbano do país nas últimas três décadas. E de acordo com o último censo de 2000 do IBGE, quase 70% da população na Região Norte vive em núcleos urbanos com uma das piores distribuições de renda do País. A falta de infra-estrutura e de serviços condena o reconhecimento desses núcleos como pequenas cidades, apontadas ainda como aglomerados inchados meio rurais e meio urbanos. 

 

q

O fato é que, além de florestas tropicais virgens e índios, há pecuária, cada vez mais melhorada geneticamente, grandes plantações de soja, muito minério de ferro, manganês e cobre, pólos industriais como em Manaus e, inclusive, estradas nesta grande área já incorporada à economia local e global. A riqueza natural e o crescimento expressivo da região, a cultura dos índios, caboclos e brancos, atraem o interesse dos investidores nacionais e internacionais e têm gerado disputas pelo acesso à biodiversidade, que atrasam o desenvolvimento da Lei para regular esse acesso, especialmente quando a necessidade de pagamento de dividendos à população local pelas atividades produtivas realizadas a partir dos seus conhecimentos sobre a floresta é considerada nas convenções internacionais. 

O Brasil precisa estar mais do que nunca atento à implementação desta Lei para garantir o desenvolvimento sustentado e a autonomia brasileira. A questão da biodiversidade envolve ainda um imenso conflito entre interesses na apropriação de terras visando o crescimento econômico através da agropecuária e da exploração da madeira em grande escala - o que acarreta a destruição da floresta - e de interesses da produção familiar e de ambientalistas visando a permanência dos pequenos produtores e do patrimônio natural. “Até recentemente esse conflito se expressava em duas políticas públicas paralelas e igualmente conflitantes. Hoje, há quem reconheça que se trata de uma falsa dicotomia, pois que o desenvolvimento é necessário e demandado por todos, implicando na compatibilização do crescimento econômico com compromisso social e ambiental”, explica a geógrafa e pesquisadora Bertha Becker. 

Por isso, o Presidente Lula tenta construir e implantar uma série de medidas para acelerar o processo de liberação de licenças ambientais para obras nos setores de energia elétrica, mineração e transporte, lutando contra o que alguns chamam de “burocracia ambiental“, enquanto diferentes representações civis reagem de modos distintos à essa diretriz, inclusive a comunidade científica, que demanda verbas nacionais para o desenvolvimento de seus projetos de pesquisas sem atendimento pleno e muitas vezes, acaba recorrendo aos investimentos estrangeiros associados aos interesses externos, para poder desenvolver os trabalhos e constituir tecnologia e know-how brasileiros no aproveitamento das riquezas da floresta. Há muitas reivindicações e ações políticas contraditórias na Amazônia, até porque é uma região extremamente heterogênea, ao contrário do que a maioria acredita. 

A diversidade da floresta em detalhe 

Podemos identificar pelo menos três amazônias distintas. A primeira é a Região de povoamento consolidado formada por grandes extensões de Cerrado do Mato Grosso, Tocantins e Maranhão e as áreas desmatadas do Sudeste do Pará, que por ter sido a grande expansão da fronteira agropecuária, passou recentemente a ser denominada de Arco do Fogo ou do Desmatamento, ou ainda das terras degradadas. A segunda Região é a da Amazônia Central, cortada pelas novas estradas oficialmente previstas nos planos plurianuais do Governo Federal, os PPA e “espontâneas”, estendendo-se do centro do Pará e extremo Norte de Mato-Grosso à estrada Porto Velho-Manaus. Nesta região há grande proporção de áreas florestais, terras indígenas e virgens, extrativismo e produção agrícola familiar, o que a torna extremamente vulnerável à implantação dessas estradas e aos conflitos agrários, necessitando de ações políticas e conservacionistas urgentes geradoras de expansão ordenada. 

A área mais preservada é a terceira, a Amazônia Ocidental, que corresponde basicamente aos Estados do Amazonas, do Acre e parte de Roraima. Reúne vastas extensões de florestas, recursos minerais e expressivas várzeas formadas pelo Rio Solimões e seus afluentes que, permanecendo à margem das grandes rodovias implantadas no passado, ainda são comandados pelo ritmo da natureza. Uma de suas maiores riquezas é a sócio-diversidade. 

Há forte presença de população indígena e de caboclos. As forças armadas constituem um contingente expressivo na região também marcada pela vulnerabilidade das fronteiras políticas com a Colômbia, Peru e Bolívia, em função do narcotráfico e da lavagem de dinheiro. A fronteira com a Venezuela em Roraima, pelo contrário, se configura como uma possibilidade de integração continental marcada pela rodovia e pelo fornecimento da hidrelétrica de Guri. Vale destacar que Manaus tende a funcionar como a capital da grande fronteira amazônica, situada próxima ao corredor de circulação Noroeste e às grandes extensões florestais não só da Amazônia brasileira, mas também da Sul-americana. A maior potencialidade desta região, porém, é a imensa disponibilidade de águas. 

A gestão local e global da água 

Alguns dos principais interesses públicos e privados para traçar políticas de tratamento e comercialização da água foram revelados ainda no governo Fernando Henrique Cardoso no seminário “Água, o desafio para o próximo milênio” em Julho de 1999, onde foram discutidos os anteprojetos de Lei para a criação da Agência Nacional de Águas (ANA) e do Sistema Nacional de Recursos Hídricos (SNGRH). A lei 9.433/97 sobre recursos hídricos funciona como instrumento técnico para a ANA alcançar seus objetivos básicos em relação ao planejamento e aproveitamento da água. 

Mesmo assim, segundo o Secretário Estadual de Recursos Hídricos, Paulo Loes, o Estado do Amazonas enfrenta um atraso em relação às outras regiões do Brasil e aos outros países na formulação de políticas públicas e na conseqüente operacionalização de ações para o uso local da água e para a exportação. “O Plano Nacional de Recursos Hídricos da ANA está em desenvolvimento e a Lei Estadual 2712 serve de base para o aproveitamento da água no Amazonas, mas ainda não foi regulamentada, é necessário criar o Conselho Estadual de Recursos Hídricos, a outorga, o direito de uso e a cobrança. Até o mês de junho, pretendemos formular uma política pública de maneira precisa para garantirmos os instrumentos de fiscalização necessários para a sua aplicação pelo Instituto de Proteção Ambiental da Amazônia - IPAAM, como o controle das águas dos lençóis subterrâneos”, afirma. 

A Secretaria Estadual de Recursos Hídricos conta com um orçamento anual de 500 mil Reais aplicados na educação ambiental e na recuperação dos igarapés e realiza outras ações ecológicas através de parcerias. Recentemente, recebeu do MMA e da Unesco recursos no valor de US$ 8 milhões, sendo um milhão e meio liberados para este ano, para preservar a biodiversidade, investindo no manejo da fauna e nas reservas florestais ao longo do Rio Negro. A Secretaria Estadual de Recursos Hídricos pertence a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas, cuja principal diretriz é tentar realizar um Projeto de Gestão Ambiental Integrado. E sua estratégia é mobilizar a participação comunitária nos projetos de preservação da natureza, a partir do PPG-7, programa piloto de proteção das florestas tropicais. 

Um dos maiores projetos é o do Corredor Central da Amazônia, orçado na primeira fase em 800 mil dólares e em 11 milhões e 600 mil dólares na segunda etapa. O objetivo é instalar 17 bases comunitárias e 16 postos de fiscalização numa área de 4 milhões e meio de hectares em torno do baixo Rio de Negro para evitar a caça, o manejo ilegal de madeira, os dejetos irregulares e tentar não perder a qualidade da água. Fiscalizar esse corredor ecológico e recuperar as bacias urbanas são os principais desafios do governo estadual para evitar a destruição da biodiversidade e a contaminação da água. Essas ações políticas estaduais para conservação dos recursos hídricos, baseada na lei 2712, pretendem estabelecer uma diretriz para a cobrança do uso da água do Amazonas. 

Mas, segundo Anna Eunice Aleixo, ex-Secretaria Executiva Adjunta de Recursos Hídricos da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, é preciso ainda desenvolver e implantar um modelo brasileiro para a exportação da água, a nova commodity internacional, porque ao contrário dos outros países não enfrentamos a escassez, mas a abundância. “Temos a maior concentração de água doce do Planeta”, ressalta. 

O aproveitamento da água implica numa inserção internacional sem perda da autonomia brasileira na gestão de seus próprios recursos. Um desafio nada trivial: “Não se trata de xenofobia, mas de encarar a realidade do mundo globalizado e competitivo. Os investimentos internacionais estrangeiros estão presentes em todos os países, inclusive nas maiores potências, e são fundamentais para o desenvolvimento almejado no Brasil. 

A estratégia básica para garantir a autonomia são as negociações adequadas, baseadas em clara definição das regras do jogo, o que depende de políticas públicas concentradas, fundadas em amplas parcerias domésticas e externas - no caso da Amazônia com os países vizinhos - e legitimadas pela sociedade”. Conclui a geógrafa Bertha Becker. 

A cooperação técnica, científica e financeira é mesmo fundamental nesse processo. Hoje, pesquisadores e cientistas que dedicam seus estudos à região amazônica já podem acessar, pela Internet, os dados coletados nos últimos dez anos pelo Projeto HiBAm (Hidrologia e Geoquímica da Bacia Amazônica). 

O Projeto HiBAm é fruto da cooperação entre Brasil e França, por intermédio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, do CNPq e do IRD, que é uma instituição pública francesa que apóia a pesquisa para o desenvolvimento. 

O objetivo do projeto é desenvolver estudos e pesquisas para o melhor conhecimento das características hidrológicas e geoquímicas ocorrentes nos rios da bacia do Amazonas. Sem dúvida, de acordo com a coordenadora francesa do HiBAm, Laurence Maurice, os dados coletados têm contribuído para o desenvolvimento de projetos de previsão de enchentes, condições de navegabilidade, especialmente no rio Madeira, estudos de impacto ambiental e aperfeiçoamento de novas técnicas de medições. 

Mas, se a cooperação internacional pode contribuir para o desenvolvimento científico e tecnológico, também pode ameaçar a autonomia nacional na gestão e aproveitamento dos seus recursos naturais. O fato é que curiosamente toda a água do Estado do Amazonas é distribuída por uma empresa privada de origem francesa chamada Águas do Amazonas, que pertence à holding Suez, presente em 130 países e é um dos maiores grupos de serviços do mundo atuando nas áreas de meio ambiente e energia. No Brasil a marca Suez é representada pela Suez Ambiental, que também atua nos segmentos de água, resíduo e saneamento, assim como na área de energia, empregando cerca de 12 mil pessoas em 10 estados brasileiros. A Amazônia não é a única região do país onde os serviços de saneamento, abastecimento e captação de água são privatizados, inclusive por outras empresas. Vale destacar, porém, que as atividades da Águas do Amazonas já estão chegando a outros países que compõe a Amazônia sul-americana como a Venezuela. A empresa funciona na Amazônia há pouco mais de três anos através de concessão. Para garantir o abastecimento de água tratada em Manaus, a empresa Águas do Amazonas conta com modernas estações de tratamento dotadas das mais avançadas tecnologias no seu processo de potabilização. O sistema de flotação, um dos maiores e mais modernos do país, assegura fornecimento de água com qualidade exigida pela população e organismos sanitários nacionais e internacionais. A empresa já investiu mais de R$ 400 milhões em 2 anos (2001-02) na implantação de toda a gestão operacional do abastecimento de água. E possui hoje 215.510 clientes ativos. 

Se por um lado a população começa a ser beneficiada por esse abastecimento, por outro lado o País pode vir a perder o controle da comercialização da moeda do Terceiro Milênio e do aproveitamento da maior concentração de água doce do Planeta. A água é um bem que representa garantia para todas as formas de vida. É preciso, porém, ações urgentes na implantação de modelos nacionais de desenvolvimento sustentável para o Brasil não perder seus recursos e garantir a qualidade de vida da população no território nacional.

 

Por Beatriz Becker - Jornalista e professora UFRJ



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Água "Comandante Ferraz" "dequada" Abastecimento Acqua Project Acre Agenda 21 Agricultura Água Água de lastro Água doce Água Mineral Água Salgada Águas Subterrâneas Algas Alimentação Amapá Amazonas Amazônia Amazônia legal Ambiental Antártica Aproveitamento de água Aqüífero Guarani Araguaia-Tocantins Área de pesca Área Protegida Áreas alagadas Armazenamento Artigo Aspectos Ambientais Atitudes Atividades Atlântico Sul Atmosfera Avaliação Ambiental Bacia Amazônica Bacia do Paraná Bacia do Prata Bacias Hidrográficas Balneabilidade Banco de Sêmen Belém Biodiversidade Bioindicadores Biopesca Biopirataria Brasil Captação Captura de peixes Características Catástrofes Ciclo Hidrológico Cisternas Classificação Clima Cobrança Código Compostagem CONAMA Concessão Conferências Consciência Ecológica Conservação Conservação Ambiental Consórcio Consumidores Consumo de água Contaminação Contaminação ambiental Corredor ecológico Costeiro Costões Rochosos Criação Criadouros Curiosidades Curitiba DBO Declaração Universal Defesa Degradação Desafios Desastres Ambientais Descaso Desenvolvimento Sustentável Desova Desperdício Despesca Despoluição Dessalinização Direito Ambiental Direito do mar Direito Internacional Direitos da água Diversidade DMA Doenças Dunas Economia Ecosistema Ecossistemas aquáticos Educação Ambiental Enchentes Envase Escassez Esgoto Espécies Exóticas Espécies migradoras Esponja Estação Antártica Estação de Tratamento Eutrofização Exploração Fatores Fauna Fauna Silvestre Fenômeno Natural Filtração Flora Floração de algas Florestas Formação Fórum Fotografia Gaseificação Gênero Gerenciamento Ambiental Gestão ambiental Gestão da água Golfinhos Hidrelétricas Hidrografia Hidropirataria Hidrovias História Impactos Ambientais Informação Instituições Inundações Invasão de espécies Irrigação Lagoa Rodrigo de Freitas Lagos do Rio Doce Lambari Legislação Lei Lei da Pesca Licença de Pesca Licenciamento Limnologia Limnológicos Lista Lixo Locais de pesca Localização Macaco Macapá Macroeconomia Macroinvertebrados Aquáticos Maiores Manacial Manaus Manejo Manejo de Pesca Manejo Sustentável Mangue Mar Mar Morto Maranhão Maricultura Matas Ciliares Mato Grosso Meio Ambiente Mercado Mercúrio Mexilhão Mineração Monitoramento Mudanças Climáticas Mundo Navegação Necessidades Humanas Neurotoxina Obrigações Oceano ONGs Órgãos Oriental Origem Osmose reversa Palmito Pantanal Pântanos Pará Paraguai Paraíba do Sul Paraná Parnaíba Peixes Percepção Perdas de água Pesca Pesca Amadora Pesca artesanal Pesca esportiva Pesca profissional Pesquisa Científica Piracema Poluição Poríferos Pororoca Portal das Docas Porto de Santarém Porto de Vila do Conde Porto Velho Portos Praia Praia arenosa Preservação Ambiental Prevenção Principais Problemas ecológicos Produção Produção de jacaré Produção Pesqueira Programas Proibições Projetos ambientais Proliferação Proteção ao meio-ambiente Protocolo de Kyoto Pscicultura Psicultura Pulso de inundação Purificação Qualidade Ambiental Qualidade da água Racionamento Reciclagem Recifes Artificiais Recuperação Ambiental Recurso Sustentável Recursos Hídricos Recursos Naturais Recursos Pesqueiros Redução de Emissão Região Costeira do Norte Regiões Regiões Hidrogtáficas Repovoamento Reprodução Reservas Reservatório Reservatórios de águas Resgate Resolução Restinga Reuso Reutilização Revitalização Rio Iguaçu Rio Paraguay Rio Paraná Rio São Francisco Rio Taquari Rios Riscos Ambientais Rondônia Roraima Rotulagem Salinidade Saneamento Saneamento Ambiental São Francisco Saúde Sistema de Gerenciamento Sudeste Sul Superfície Terrestre Sustentabilidade Tamanho mínimo Tanque-rede Tartaruga Tecnologia Tipo de Piscicultura Tocantins Transposição Tratado Antártico Tratamento de Água Tratamento de Efluentes Tsunami Turismo Turismo Sustentável Uruguai Vaeiações antrópicas Variações sazonais Vida aquática ZEE Zona Costeira

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.