Ir direto para o conteúdo

Ambiente Brasil. O maior Portal de Meio Ambiente da América Latina

 

 Ambiente Água

Riqueza e miséria da água

É no diálogo com a legislação ambiental que mais se destacam os desafios de quem pretende salvaguardar os preciosos recursos hídricos brasileiros.

Envie para um amigo

 

 

q

País que conta com a maior reserva de água doce do Planeta - algo em torno de 12% do volume mundial - é surpreendente que o Brasil ainda ostente, ao lado dos sem-terra, milhões de pessoas sem-água. A muitos negamos água por ser o recurso literalmente escasso (sertão nordestino), conseqüência de maléfica combinação de forças da natureza e de intervenções antrópicas que levam ao desmatamento. A outros recusamos água porque, mesmo abundante, não investimos o necessário em saneamento, para levá-la aos consumidores, em condições adequadas de potabilidade. 

Quando nos referimos à fome no Brasil, sempre nos perguntamos: por que, com tanta produção agrícola e exportação de grãos? Na mesma linha, é hora de começarmos a questionar a sede em um país com tamanha fartura de água, bem como o estado terminal de alguns dos nossos mais importantes rios, como o São Francisco e o Tietê, para citar apenas dois deles. 

A água não só é essencial à sobrevivência dos seres humanos, como, entre nós, gera milhões de empregos, na agricultura irrigada, na produção de energia e em várias outras atividades produtivas. Diante de algo tão precioso, dorsal à vida econômica e social, seria de se esperar que a água estivesse no centro das decisões governamentais, em todas as esferas da administração. Infelizmente, não está! 

É certo que se avançou muito nos últimos anos, com a promulgação, em 1997, da Lei de Recursos Hídricos (LRH), e com a criação, em 2000, da Agência Nacional de Águas (ANA). O problema, entretanto, não é legal, mas na implementação da Lei, agravado por um diálogo reticente entre as políticas de recursos hídricos, de saneamento e de meio ambiente. 

No campo da aplicação da LRH, há um inegável vazio entre o que pretendeu o legislador e o que de fato vem ocorrendo na maioria das bacias hidrográficas brasileiras. 

Na cobrança pelo uso da água e na instalação de Comitês de Bacias, dois dos principais instrumentos da legislação, só agora estamos dando, com muita oposição, os primeiros passos. É incompreensível a resistência do setor produtivo à cobrança por um recurso que não é de domínio privado, mas que, por pertencer à coletividade, deve beneficiar a todos. Tampouco se justifica que expressivas Bacias do território nacional ainda não tenham seus Comitês. Ou que, pior, se instalados, não funcionem adequadamente ou agreguem uma participação da sociedade civil que é apenas protocolar. 

Em todos os casos, não é desprezível o risco de captura e cooptação da instância decisória pelos megaconsumidores, o que, a ocorrer, desmoralizará todo o sistema institucional democrático e participativo imaginado pela LRH. 

Mas é no diálogo com a legislação ambiental que mais se destacam os desafios de quem pretende salvaguardar os preciosos recursos hídricos brasileiros. Até o leigo sabe que, sem a manutenção da cobertura florestal, os rios definham e, em dado momento, sofrem danos irreversíveis. 

A vitalidade dos cursos de água depende, diretamente, do regime legal que resguarda as suas nascentes, matas ciliares e outras áreas de preservação permanente. 

Como viabilizar tal proteção dos espaços verdes, genuína maternidade dos rios? São variados os mecanismos, tanto político-jurídicos, como econômicos, atualmente adotados em todo o mundo. Todos, contudo, demandam um marco regulatório claro, estável e implementável. 

Ora, é exatamente o que nos falta hoje no Brasil, pois o principal da matéria florestal continua regrado por medida provisória, que, no limbo parlamentar, não tem qualquer data prevista para a sua votação pelo Congresso Nacional. 

Certamente, poucos proprietários aceitarão cumprir uma norma que não é definitiva, nem mesmo no nome. À falta de um marco regulatório que lhes assegure segurança para investir, em longo prazo, em medidas de recuperação de suas áreas de preservação permanente e reserva legal, melhor esperar por tempos melhores, continuando tudo como está, inclusive o crescente desmatamento. 

No diálogo das agendas, o Conselho Nacional do Meio Ambiental (CONAMA) joga um papel central. Neste momento, são poderosas as pressões para que se flexibilizem as regras de controle da poluição das águas e de proteção contra a erosão de áreas inclinadas, em particular topo e encosta de morros. 

Será difícil explicar à nação que padrões obrigatórios para substâncias tóxicas e perigosas, editados em 1986, com o intuito de resguardar a saúde de todos, mais ainda de crianças e idosos, sejam afrouxados em favor dos poluidores. Ou que, em regiões de montanhas e morros, se libere a plantação de eucalipto, abrindo-se mão da recuperação com espécies nativas, que melhor combatem a erosão e asseguram a boa qualidade dos mananciais, em favor do plantio de espécies exóticas para fins industriais. 

Como lembrou o Papa João Paulo II, na sua mensagem por ocasião do lançamento oficial da Campanha da Fraternidade de 2004, ‘'a água não é um recurso ilimitado'', sendo, por isso mesmo, dever de todos garantir que ‘'permanecerá, de fato, fonte abundante de vida para todos''. 

Na esteira do pensamento do Santo Padre, no Dia Mundial da Água, mais uma vez devemos renovar nosso compromisso com as presentes e futuras gerações. A estas não queremos deixar rios mortos ou enfermos, mas propiciar-lhes o benefício pleno do bem mais precioso que a natureza nos concedeu. Não é pouco, considerando-se a tradição brasileira de desprezo para com a água.

 

Por José Sarney Filho - Deputado Federal (PV-MA), ex-Ministro do Meio Ambiente Fonte: Eco 21 - www.eco21.com.br



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Água "Comandante Ferraz" "dequada" Abastecimento Acqua Project Acre Agenda 21 Agricultura Água Água de lastro Água doce Água Mineral Água Salgada Águas Subterrâneas Algas Alimentação Amapá Amazonas Amazônia Amazônia legal Ambiental Antártica Aproveitamento de água Aqüífero Guarani Araguaia-Tocantins Área de pesca Área Protegida Áreas alagadas Armazenamento Artigo Aspectos Ambientais Atitudes Atividades Atlântico Sul Atmosfera Avaliação Ambiental Bacia Amazônica Bacia do Paraná Bacia do Prata Bacias Hidrográficas Balneabilidade Banco de Sêmen Belém Biodiversidade Bioindicadores Biopesca Biopirataria Brasil Captação Captura de peixes Características Catástrofes Ciclo Hidrológico Cisternas Classificação Clima Cobrança Código Compostagem CONAMA Concessão Conferências Consciência Ecológica Conservação Conservação Ambiental Consórcio Consumidores Consumo de água Contaminação Contaminação ambiental Corredor ecológico Costeiro Costões Rochosos Criação Criadouros Curiosidades Curitiba DBO Declaração Universal Defesa Degradação Desafios Desastres Ambientais Descaso Desenvolvimento Sustentável Desova Desperdício Despesca Despoluição Dessalinização Direito Ambiental Direito do mar Direito Internacional Direitos da água Diversidade DMA Doenças Dunas Economia Ecosistema Ecossistemas aquáticos Educação Ambiental Enchentes Envase Escassez Esgoto Espécies Exóticas Espécies migradoras Esponja Estação Antártica Estação de Tratamento Eutrofização Exploração Fatores Fauna Fauna Silvestre Fenômeno Natural Filtração Flora Floração de algas Florestas Formação Fórum Fotografia Gaseificação Gênero Gerenciamento Ambiental Gestão ambiental Gestão da água Golfinhos Hidrelétricas Hidrografia Hidropirataria Hidrovias História Impactos Ambientais Informação Instituições Inundações Invasão de espécies Irrigação Lagoa Rodrigo de Freitas Lagos do Rio Doce Lambari Legislação Lei Lei da Pesca Licença de Pesca Licenciamento Limnologia Limnológicos Lista Lixo Locais de pesca Localização Macaco Macapá Macroeconomia Macroinvertebrados Aquáticos Maiores Manacial Manaus Manejo Manejo de Pesca Manejo Sustentável Mangue Mar Mar Morto Maranhão Maricultura Matas Ciliares Mato Grosso Meio Ambiente Mercado Mercúrio Mexilhão Mineração Monitoramento Mudanças Climáticas Mundo Navegação Necessidades Humanas Neurotoxina Obrigações Oceano ONGs Órgãos Oriental Origem Osmose reversa Palmito Pantanal Pântanos Pará Paraguai Paraíba do Sul Paraná Parnaíba Peixes Percepção Perdas de água Pesca Pesca Amadora Pesca artesanal Pesca esportiva Pesca profissional Pesquisa Científica Piracema Poluição Poríferos Pororoca Portal das Docas Porto de Santarém Porto de Vila do Conde Porto Velho Portos Praia Praia arenosa Preservação Ambiental Prevenção Principais Problemas ecológicos Produção Produção de jacaré Produção Pesqueira Programas Proibições Projetos ambientais Proliferação Proteção ao meio-ambiente Protocolo de Kyoto Pscicultura Psicultura Pulso de inundação Purificação Qualidade Ambiental Qualidade da água Racionamento Reciclagem Recifes Artificiais Recuperação Ambiental Recurso Sustentável Recursos Hídricos Recursos Naturais Recursos Pesqueiros Redução de Emissão Região Costeira do Norte Regiões Regiões Hidrogtáficas Repovoamento Reprodução Reservas Reservatório Reservatórios de águas Resgate Resolução Restinga Reuso Reutilização Revitalização Rio Iguaçu Rio Paraguay Rio Paraná Rio São Francisco Rio Taquari Rios Riscos Ambientais Rondônia Roraima Rotulagem Salinidade Saneamento Saneamento Ambiental São Francisco Saúde Sistema de Gerenciamento Sudeste Sul Superfície Terrestre Sustentabilidade Tamanho mínimo Tanque-rede Tartaruga Tecnologia Tipo de Piscicultura Tocantins Transposição Tratado Antártico Tratamento de Água Tratamento de Efluentes Tsunami Turismo Turismo Sustentável Uruguai Vaeiações antrópicas Variações sazonais Vida aquática ZEE Zona Costeira

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.