Ambiente Água

Pesca Profissional: Desafios e Oportunidades

Atualmente, a pesca profissional reúne cerca de 2.900 pescadores no Pantanal de Mato Grosso do Sul, cuja captura registrada pelo SCPESCA/MS corresponde a cerca de 330 toneladas/ano. Todo esse pescado é comercializado fresco ou congelado, mas pode ser processado, obtendo-se maior rendimento e diversificando a oferta de produtos.

Envie para um amigo

 

No Pantanal ocorrem mais de 260 espécies de peixes de grande importância ecológica e sócio-econômica para a região, sobretudo para o setor pesqueiro. Muitas informações sobre essas atividades vêm sendo obtidas desde 1994 pelo Sistema de Controle da Pesca de Mato Grosso do Sul - SCPESCA/MS. Por meio deste Sistema são obtidos subsídios para orientar a política estadual de pesca, identificando suas principais tendências e realizando um prognóstico sobre o uso e a conservação dos recursos pesqueiros, essencial para o planejamento das atividades.

 

q

Pesca Profissional

Atualmente, a pesca profissional reúne cerca de 2.900 pescadores no Pantanal de Mato Grosso do Sul, cuja captura registrada pelo SCPESCA/MS corresponde a cerca de 330 toneladas/ano. Todo esse pescado é comercializado fresco ou congelado, mas pode ser processado, obtendo-se maior rendimento e diversificando a oferta de produtos, tais como filé de peixe embalado e congelado, couro, peixe defumado e óleo, entre outros, gerando novos empreendimentos, mais postos de trabalho e qualificando a mão-de-obra local. A tecnologia de produção de couro de peixe e utensílios para vestuário, por exemplo, foi repassada recentemente para a população de Corumbá através de um projeto de "oficinas" do Governo do Estado, com o apoio da Embrapa Pantanal (Figura 1). Produtos como esses poderão ser oferecidos para turistas e pescadores esportivos que visitam a região, assim como as oficinas de processamento de pescado podem se tornar um roteiro turístico, a exemplo da Casa de Massa-barro em Corumbá.

A produção de pescado pode aumentar capturando-se espécies subaproveitadas como o curimbatá, que embora seja pouco apreciado na região, é o peixe de água doce mais comercializado na cidade de São Paulo. Outra alternativa promissora, é a introdução de pescado na merenda escolar, como foi realizado com sucesso pela Embrapa Pantanal em parceria com a Prefeitura de Corumbá, em 1997 e 1998. Foram oferecidas cerca de 1250 refeições semanais de filé de barbado e piranha, esta última preparada como molho de macarrão, almondegas e farofas, com ampla aceitação pelas crianças. É possível, ainda, certificar os "produtos de origem do Pantanal" e, neste caso, os consumidores são estimulados a adquirir um produto associado a valores como a conservação ambiental e a manutenção das comunidades de pescadores profissionais artesanais do Pantanal.

 

q

Piscicultura

As características ambientais da planície pantaneira, que ocupa grande parte do Estado, impedem o desenvolvimento da piscicultura tradicional, em tanques escavados, e nos desafia a buscar formas alternativas de cultivo, entre elas a utilização de tanques-redes. Entretanto, este sistema também apresenta restrições em razão da "dequada", fazendo com que seu uso fique limitado aos locais onde não há ocorrência deste fenômeno. A piscicultura em tanque-rede é uma técnica de cultivo intensivo, relativamente barata e simples se comparada à piscicultura tradicional em viveiros de terra. Consiste na criação dos peixes em um ambiente cercado por tela que permite a troca de água com o ambiente. Essa técnica pode ser utilizada em uma grande variedade de ambientes aquáticos, dispensando o alagamento de novas terras e reduzindo os gastos com a construção de viveiros. No entanto, além de desenvolver um sistema de cultivo adequado à região, é preciso conhecer as espécies mais promissoras para este sistema. Entre os peixes do Pantanal, muitos apresentam características zootécnicas, organolépticas e mercadológicas bastante atrativas para a piscicultura, principalmente os surubins (pintado Pseudoplatystoma corruscans e cachara P. fasciatum), mas somente há pouco tempo iniciou-se o estudo dos sistemas de cultivo adequados para essas espécies. Outro aspecto importante é a viabilidade econômica desses projetos, fazendo com que o cultivo intensivo de peixes seja uma das melhores alternativas de investimento em criação animal na região, que vem ganhando muitos adeptos entre os produtores do Estado.

Dentro dessa visão, a Embrapa Pantanal vêm desenvolvendo pesquisas na área de piscicultura, com especial ênfase nos peixes nativos de maior interesse econômico e em sistemas de cultivo menos impactantes, procurando atender as crescentes demandas do mercado e as exigências ambientais.

 

Agostinho Carlos Catella (catella@cpap.embrapa.br)e Marco Aurélio Rotta (rotta@cpap.embrapa.br) são pesquisadores da Embrapa Pantanal.


Você vai gostar de ler também

Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Água "Comandante Ferraz" "dequada" Abastecimento Acqua Project Acre Agenda 21 Agricultura Água Água de lastro Água doce Água Mineral Água Salgada Águas Subterrâneas Algas Alimentação Amapá Amazonas Amazônia Amazônia legal Ambiental Antártica Aproveitamento de água Aqüífero Guarani Araguaia-Tocantins Área de pesca Área Protegida Áreas alagadas Armazenamento Artigo Aspectos Ambientais Atitudes Atividades Atlântico Sul Atmosfera Avaliação Ambiental Bacia Amazônica Bacia do Paraná Bacia do Prata Bacias Hidrográficas Balneabilidade Banco de Sêmen Belém Biodiversidade Bioindicadores Biopesca Biopirataria Brasil Captação Captura de peixes Características Catástrofes Ciclo Hidrológico Cisternas Classificação Clima Cobrança Código Compostagem CONAMA Concessão Conferências Consciência Ecológica Conservação Conservação Ambiental Consórcio Consumidores Consumo de água Contaminação Contaminação ambiental Corredor ecológico Costeiro Costões Rochosos Criação Criadouros Curiosidades Curitiba DBO Declaração Universal Defesa Degradação Desafios Desastres Ambientais Descaso Desenvolvimento Sustentável Desova Desperdício Despesca Despoluição Dessalinização Direito Ambiental Direito do mar Direito Internacional Direitos da água Diversidade DMA Doenças Dunas Economia Ecosistema Ecossistemas aquáticos Educação Ambiental Enchentes Envase Escassez Esgoto Espécies Exóticas Espécies migradoras Esponja Estação Antártica Estação de Tratamento Eutrofização Exploração Fatores Fauna Fauna Silvestre Fenômeno Natural Filtração Flora Floração de algas Florestas Formação Fórum Fotografia Gaseificação Gênero Gerenciamento Ambiental Gestão ambiental Gestão da água Golfinhos Hidrelétricas Hidrografia Hidropirataria Hidrovias História Impactos Ambientais Informação Instituições Inundações Invasão de espécies Irrigação Lagoa Rodrigo de Freitas Lagos do Rio Doce Lambari Legislação Lei Lei da Pesca Licença de Pesca Licenciamento Limnologia Limnológicos Lista Lixo Locais de pesca Localização Macaco Macapá Macroeconomia Macroinvertebrados Aquáticos Maiores Manacial Manaus Manejo Manejo de Pesca Manejo Sustentável Mangue Mar Mar Morto Maranhão Maricultura Matas Ciliares Mato Grosso Meio Ambiente Mercado Mercúrio Mexilhão Mineração Monitoramento Mudanças Climáticas Mundo Navegação Necessidades Humanas Neurotoxina Obrigações Oceano ONGs Órgãos Oriental Origem Osmose reversa Palmito Pantanal Pântanos Pará Paraguai Paraíba do Sul Paraná Parnaíba Peixes Percepção Perdas de água Pesca Pesca Amadora Pesca artesanal Pesca esportiva Pesca profissional Pesquisa Científica Piracema Poluição Poríferos Pororoca Portal das Docas Porto de Santarém Porto de Vila do Conde Porto Velho Portos Praia Praia arenosa Preservação Ambiental Prevenção Principais Problemas ecológicos Produção Produção de jacaré Produção Pesqueira Programas Proibições Projetos ambientais Proliferação Proteção ao meio-ambiente Protocolo de Kyoto Pscicultura Psicultura Pulso de inundação Purificação Qualidade Ambiental Qualidade da água Racionamento Reciclagem Recifes Artificiais Recuperação Ambiental Recurso Sustentável Recursos Hídricos Recursos Naturais Recursos Pesqueiros Redução de Emissão Região Costeira do Norte Regiões Regiões Hidrogtáficas Repovoamento Reprodução Reservas Reservatório Reservatórios de águas Resgate Resolução Restinga Reuso Reutilização Revitalização Rio Iguaçu Rio Paraguay Rio Paraná Rio São Francisco Rio Taquari Rios Riscos Ambientais Rondônia Roraima Rotulagem Salinidade Saneamento Saneamento Ambiental São Francisco Saúde Sistema de Gerenciamento Sudeste Sul Superfície Terrestre Sustentabilidade Tamanho mínimo Tanque-rede Tartaruga Tecnologia Tipo de Piscicultura Tocantins Transposição Tratado Antártico Tratamento de Água Tratamento de Efluentes Tsunami Turismo Turismo Sustentável Uruguai Vaeiações antrópicas Variações sazonais Vida aquática ZEE Zona Costeira

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.