Ambiente Água

Perspectivas para o Saneamento Ambiental

O controle da poluição ainda é ineficiente; algumas estações de tratamento apresentam capacidade de tratamento inferior à quantidade de esgotos gerada nas bacias contribuintes ou apresentam limitada capacidade ou "eficiência" de remoção de poluentes.

Envie para um amigo

 

Em geral, em áreas de alta concentração populacional, são os esgotos sanitários os grandes responsáveis pelo comprometimento da qualidade ambiental dos corpos d'água, e no caso da Baía da Guanabara não é diferente. Em áreas urbanas, o controle da poluição por esgotos sanitários requer a implantação de soluções sistêmicas que permitam a coleta, transporte, tratamento e destinação final de forma adequada e viável técnica e economicamente, as quais prevêem dentre outras intervenções, a realização de obras civis, a instalação de equipamentos eletro-mecânicos, procedimentos operacionais e de manutenção específicos, e que resultam, sem outra alternativa, em custos financeiros muito elevados.

Esta realidade, associada à incapacidade de investimentos públicos em infra-estrutura urbana, retarda o salto de qualidade que tanto almejamos, e contrariamente, incrementa o déficit de cobertura por serviços adequados de esgotamento sanitário em nosso país, e novamente, no caso da Baía da Guanabara não é diferente.   Quando em 1995, o Governo do Estado decidiu pela implantação de novos sistemas de esgotamento sanitário em bacias contribuintes à Baía da Guanabara e a ampliação e melhorias de outros sistemas já existentes, optou por denominar o conjunto de intervenções previstas, como o "Programa de Despoluição da Baía da Guanabara (PDBG)". Tal decisão, naturalmente, motivou em toda a população, a idéia de que ao término das intervenções previstas, teríamos de forma definitiva, "despoluída" a Baía da Guanabara, o que infelizmente não é verdade.

Tratava-se apenas do nome dado a um programa de ações, financiado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e pelo Japan Bank International Cooperation, com dependência da contra-partida financeira do Governo do Estado, e que apesar de priorizar intervenções em sistemas de esgotamento sanitário, também previa dentre outras, a ampliação e melhoria dos sistemas de abastecimento de água e de resíduos sólidos de áreas urbanas contribuintes à Baía da Guanabara.

Era mais um programa de intervenções em esgotamento sanitário na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, como os não muito longínquos Reconstrução-Rio, financiado pelo Banco Mundial, e Ambiente-Rio, durante o Governo Collor. Para melhor ilustração e simbolismo dos fatos, especialmente na bacia do Rio Sarapuí, onde se concentra o maior adensamento populacional da Baixada Fluminense e onde até hoje, ainda atua o PDBG, o Governo do Estado investe em esgotamento sanitário desde o início da década de 80; na época denominava-se Programa de Saneamento da Baixada Fluminense.

O PDBG consistia portanto, em parte, em mais um conjunto de intervenções em esgotamento sanitário, que apesar de muitas, não são suficientes. O conjunto de obras que encontra-se em andamento é limitado em sua abrangência, beneficiando somente áreas urbanas prioritárias; diversas bacias hidrográficas da Baixada Fluminense, com alta concentração populacional, nenhum tipo de benefício receberam.

q

Mesmo nas áreas beneficiadas pelo PDBG, o controle da poluição ainda é ineficiente; algumas estações de tratamento apresentam capacidade de tratamento inferior à quantidade de esgotos gerada nas bacias contribuintes ou apresentam limitada capacidade ou "eficiência" de remoção de poluentes.   Enquanto argumentações técnicas já defendem o tratamento dos esgotos ao nível terciário, mais avançado, para a eficaz recuperação das águas da baía, o que certamente merece melhor discussão, temos estações de tratamento de esgotos implantadas através do PDBG ao nível   primário e inicial de tratamento. O que é denominado PDBG-2, de financiamento ainda inexistente, contemplaria o que ainda resta para ser feito, o que é corroborado por estudos recentes da Japan International Cooperation Agency - JICA, assessora técnica do PDBG.

Não obstante muito deva ser feito, alguns passos foram dados nos últimos 20 anos. Passos tímidos, não arrojados como o tema merece, uma vez que destes depende o avanço da qualidade da saúde pública, da qualidade ambiental dos recursos hídricos, e consequentemente, o desenvolvimento econômico e social.  

O comprometimento ambiental dos recursos hídricos fluminenses não resume-se ao caso da   Baía da Guanabara, ocorrendo também na bacia do rio Paraíba do Sul e nas bacias contribuintes aos Sistemas Lagunares Costeiros. Não somente carecemos de novas linhas e modelos de financiamento que permitam a expansão e melhoria dos sistemas de saneamento ambiental, como também carecemos de legislação federal específica que regulamente a prestação dos serviços.

Carecemos de solução adequada para a destinação final do lodo gerado em nossas estações, de ações para o efetivo controle de ligações prediais clandestinas e de extravasores de esgotos ao sistema de drenagem pluvial. Carecemos muito de serviços de excelência para a operação e manutenção dos sistemas já existentes, principalmente daqueles recentemente implantados. Carece a administração pública de urgente reposição e renovação de seu quadro técnico qualificado e especializado em saneamento ambiental.

A questão não resume-se à redução ou à manutenção de fundos orçamentários específicos ou de oportunidades impostas por eventos esportivos que brevemente ocorrerão. A questão é muito mais ampla e grave do que imaginam, e para revertê-la é requerido um outro paradigma de ação política, muito mais contundente e comprometido com a causa, segundo outros princípios que não aqueles que prevalecem na costumeira lógica do poder e da administração pública.

Convivermos, sem muita perspectiva, com a inadequação do que sempre foi considerado um serviço fundamental, básico, daí a denominação Saneamento Básico, não condiz com os nossos verdadeiros anseios e com o salto de qualidade que tanto almejamos. No atual ritmo e compasso de condução do problema, quem infelizmente assistirá ao espetáculo do saneamento; nossos netos ou bisnetos?

A UFRJ demostra sinais de vitalidade e compromisso com a sociedade, com a pujança que a causa do Saneamento Ambiental requer, inaugurando em breve o Centro Experimental de Tratamento de Esgotos (CETE Poli/UFRJ), e passando a oferecer, a partir de 2004 os cursos de graduação em Engenharia Ambiental e de mestrado e doutorado em Saneamento Ambiental. O ritmo e o compasso impostos pela universidade felizmente vem atender aos nossos anseios e aos de nossos filhos. 

 

Por Isaac Volschan Jr Fonte: Isaac Volschan Jr é Professor da Escola Politécnica da UFRJ



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Água "Comandante Ferraz" "dequada" Abastecimento Acqua Project Acre Agenda 21 Agricultura Água Água de lastro Água doce Água Mineral Água Salgada Águas Subterrâneas Algas Alimentação Amapá Amazonas Amazônia Amazônia legal Ambiental Antártica Aproveitamento de água Aqüífero Guarani Araguaia-Tocantins Área de pesca Área Protegida Áreas alagadas Armazenamento Artigo Aspectos Ambientais Atitudes Atividades Atlântico Sul Atmosfera Avaliação Ambiental Bacia Amazônica Bacia do Paraná Bacia do Prata Bacias Hidrográficas Balneabilidade Banco de Sêmen Belém Biodiversidade Bioindicadores Biopesca Biopirataria Brasil Captação Captura de peixes Características Catástrofes Ciclo Hidrológico Cisternas Classificação Clima Cobrança Código Compostagem CONAMA Concessão Conferências Consciência Ecológica Conservação Conservação Ambiental Consórcio Consumidores Consumo de água Contaminação Contaminação ambiental Corredor ecológico Costeiro Costões Rochosos Criação Criadouros Curiosidades Curitiba DBO Declaração Universal Defesa Degradação Desafios Desastres Ambientais Descaso Desenvolvimento Sustentável Desova Desperdício Despesca Despoluição Dessalinização Direito Ambiental Direito do mar Direito Internacional Direitos da água Diversidade DMA Doenças Dunas Economia Ecosistema Ecossistemas aquáticos Educação Ambiental Enchentes Envase Escassez Esgoto Espécies Exóticas Espécies migradoras Esponja Estação Antártica Estação de Tratamento Eutrofização Exploração Fatores Fauna Fauna Silvestre Fenômeno Natural Filtração Flora Floração de algas Florestas Formação Fórum Fotografia Gaseificação Gênero Gerenciamento Ambiental Gestão ambiental Gestão da água Golfinhos Hidrelétricas Hidrografia Hidropirataria Hidrovias História Impactos Ambientais Informação Instituições Inundações Invasão de espécies Irrigação Lagoa Rodrigo de Freitas Lagos do Rio Doce Lambari Legislação Lei Lei da Pesca Licença de Pesca Licenciamento Limnologia Limnológicos Lista Lixo Locais de pesca Localização Macaco Macapá Macroeconomia Macroinvertebrados Aquáticos Maiores Manacial Manaus Manejo Manejo de Pesca Manejo Sustentável Mangue Mar Mar Morto Maranhão Maricultura Matas Ciliares Mato Grosso Meio Ambiente Mercado Mercúrio Mexilhão Mineração Monitoramento Mudanças Climáticas Mundo Navegação Necessidades Humanas Neurotoxina Obrigações Oceano ONGs Órgãos Oriental Origem Osmose reversa Palmito Pantanal Pântanos Pará Paraguai Paraíba do Sul Paraná Parnaíba Peixes Percepção Perdas de água Pesca Pesca Amadora Pesca artesanal Pesca esportiva Pesca profissional Pesquisa Científica Piracema Poluição Poríferos Pororoca Portal das Docas Porto de Santarém Porto de Vila do Conde Porto Velho Portos Praia Praia arenosa Preservação Ambiental Prevenção Principais Problemas ecológicos Produção Produção de jacaré Produção Pesqueira Programas Proibições Projetos ambientais Proliferação Proteção ao meio-ambiente Protocolo de Kyoto Pscicultura Psicultura Pulso de inundação Purificação Qualidade Ambiental Qualidade da água Racionamento Reciclagem Recifes Artificiais Recuperação Ambiental Recurso Sustentável Recursos Hídricos Recursos Naturais Recursos Pesqueiros Redução de Emissão Região Costeira do Norte Regiões Regiões Hidrogtáficas Repovoamento Reprodução Reservas Reservatório Reservatórios de águas Resgate Resolução Restinga Reuso Reutilização Revitalização Rio Iguaçu Rio Paraguay Rio Paraná Rio São Francisco Rio Taquari Rios Riscos Ambientais Rondônia Roraima Rotulagem Salinidade Saneamento Saneamento Ambiental São Francisco Saúde Sistema de Gerenciamento Sudeste Sul Superfície Terrestre Sustentabilidade Tamanho mínimo Tanque-rede Tartaruga Tecnologia Tipo de Piscicultura Tocantins Transposição Tratado Antártico Tratamento de Água Tratamento de Efluentes Tsunami Turismo Turismo Sustentável Uruguai Vaeiações antrópicas Variações sazonais Vida aquática ZEE Zona Costeira

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.