Ambiente Agropecuário

Elaboração de Projetos Rurais

O projeto de desenvolvimento rural tem a particularidade de estar voltado para o universo rural. E a primeira característica a ser considerada é esta: o rural como espaço e como local de relações sociais e econômicas. Deduz-se daí que o rural requer um tipo de atuação específica e com projetos específicos, distintos das ações e projetos adotados no meio urbano. É importante destacar também que rural não é sinônimo de agrícola. O rural enfeixa um conjunto de possibilidades econômicas agrícolas e não-agrícolas, e sua dinâmica é orientada por relações sociais e tem natureza próprias desse meio.

Envie para um amigo

 

O meio rural sempre viveu grandes transformações em sua dinâmica produtiva e social. Em maior ou menor escala, essas transformações têm sido devidas a intervenções mais ou menos planejadas por agentes que estavam, de alguma forma, vinculados a esse universo denominado rural.

Em suma, falar de desenvolvimento rural significa promover uma ação que vise melhorar a qualidade de vida das pessoas que vivem nesse meio, incorporando as preocupações relativas ao cultural, ao social, ao econômico e ao ambiental. Portanto, um projeto de desenvolvimento rural refere-se a um conjunto de ações articuladas entre si e dirigidas conscientemente por diversos atores sociais para produzir uma intervenção positiva em uma determinada realidade rural. Em situação de escassez de recursos e de tempo, um projeto deve procurar otimizar o uso de tais limitantes.

Podemos dizer que o projeto é o conjunto de antecedentes que permite estimar as vantagens e desvantagens econômicas que derivam do fato de se haverem designado certos recursos para a produção de determinados bens e serviços.

Os projetos são de caráter específicos, verdadeiros instrumentos de inversão com o propósito de produzir bens e serviços através de criação, ampliação ou aperfeiçoamento de unidades produtoras. Os dados e as informações são apresentados de forma a possibilitar o uso de métodos de análise econômica.

Na elaboração de projetos, devem ser realizadas estimativas de custo de produção, de demanda dos produtos, de preços de fatores e de produtos, de reações dos consumidores, de desenvolvimento da oferta desses mesmos produtos, de possíveis inovações técnicas, de variações nos gostos dos consumidores, etc. Desta forma, ao se considerar o custo de um projeto, devemos estimar uma certa margem com vistas a cobrir os riscos calculados.

Embora, na elaboração de projetos, não exista uma sequencia padrão previamente estabelecida, podemos considerar o processo como envolvendo as seguintes etapas:

  • Determinação de objetivos
  • Preparação de anteprojetos
  • Diagnóstico
  • Estudo e programações
  • Avaliações e redação.

A estrutura de um projeto consiste de uma série de etapas que devem res­ponder a determinadas perguntas-chave. Essas perguntas têm certo ordenamento e devem ser pertinentes e coerentes entre si. A conexão entre as partes requer que, quando se elabora um projeto, não é pertinente dividir tarefas para realizá-las de forma isolada e independente. Quando o projeto estiver concluído, suas diferentes partes devem demonstrar que se trata de um todo harmônico e consistente.

Muitas organizações têm seu próprio formato para a apresentação de projetos. Por vezes, existem conceitos e terminologias diferentes, mas, por via de regra, todos adotam um mesmo formato.

As perguntas-chave a serem respondidas em um projeto e sua correspondência com a estrutura do projeto podem ser visualizadas no quadro abaixo.

 

.

 

Redação Ambiente Brasil



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Agropecuário Açai Acerola Agricultura Agroecologia Agroflorestais Agropecuária Agropecuárias Agrotóxicos Água Alimentação Alimentos Orgânicos Ambientais Ambiental Animais Animal Orgânico Área de Preservação Assentamento Atividades econômicas Autossuficiência Avaliação Benefícios Bibliografia Biodinâmica Biodiversidade Biologia do Solo Biológicas Biorremediação Braquiárias Brasil Café Camu-Camu CAR Características Caramujo Censo Agropecuário Cerca Ecológicas Certificação de Produtos Ciclo do Carbono Clima Cobertura do solo Como Fazer Comprimento da rampa Conceito Conservação Conservação Ambiental Consumo Contaminação Contaminação ambiental Controle Controle Ambiental Controle de praga Convencional Corte Crescimento Econômico Critérios Cultura Cupim Dano e efeitos ambientais DDT Declive Definição Dejetos Desertificação Dessalinização Desvantagens Dificuldades Dioxina Doenças Ecologia Educação Energia Alternativa Erosão Estratégico Estrutura Estrutura Fundiária EXemplos Exploração Extensão Extinção Fatores Feijão Fertilização Fertilizantes Físicas Fitoterápico Florestal Florestas Fontes Energéticas Frutas Nativas Gado de corte Grãos Hidropônico História Impactos Ambientais Indicadores Inseticidas Legislação Lodo Mandioca Manejo Manejo Sustentável Mata Atlântica Matéria Orgânica Medicina Meio Ambiente Migratória Monitoramento Mosca-dos-chifres Natural Nitrogênio Nutrientes Objetivos Ondas do mar Operacional Orgânico Pantanal Particulados Pastagem Pecuária Perda de solo Perigos Permacultura Pesquisa Científica Pimenta Planejamento Planta medicinal Planta Tóxicas Plantas Política Polpa congelada Práticas Conservacionistas Princípios Problemas ecológicos Procedimento Procedimentos Proibidos Produção Produtividade Produtos Programas Projetos Propriedade do solo Proteção Qualidade Nutricional Queimada Químicas Reciclagem Recuperação Ambiental Recursos Naturais Reflorestamento Regiões Requisitos Reserva Legal Rios Riscos à saúde Roraima Rural Saúde Selos Sistema Educativo Situação Soja Solos Suinocultura Tático Técnicas Tecnologia Tipos de Agricultura Topografia Tradicional Transporte Tratamento Tratamento de Efluentes Urbano Uso de terras Uso do Solo Usos Vantagens Velocidade Veneno Vento

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.