Ambiente Agropecuário

Características e Princípios do Planejamento Rural

No planejamento, deve-se ter em conta sua viabilidade econômica, técnica, política e institucional.

Envie para um amigo

 

 


O planejamento é uma atividade inerente à humanidade. Em maior ou menor grau, todos planejam suas atividades individuais ou em grupos. O problema está em que, por não ser sempre uma atividade racionalmente organizada, nem sempre se atingem plenamente os objetivos propostos. Segundo FRIEDMAN, 1960, “o planejamento é uma atividade pela qual o homem, agindo em conjunto e através da manipulação e do controle consciente do meio ambiente, procura atingir certos fins já anteriormente por ele mesmo especificados”. Partindo dessa definição de planejamento, deduz-se que o processo tem uma série de etapas a serem seguidas e alguns objetivos a serem alcançados.

No planejamento, deve-se ter em conta sua:

  • Viabilidade Econômica: que diz respeito aos custos e receitas envolvidos no projeto, às condições de financiamento, à capacidade de pagamento, etc.
  • ViabilidadeTécnica: isto é, o planejamento deve ser compatível com a disponibilidade de matéria-prima, de equipamentos, de know-how, de pessoal especializado etc.
  • Viabilidade Política e Institucional:  isto é, deve-se considerar a situação legal, a aceitabilidade do plano pelos responsáveis por sua execução e pelos que serão atingidos pelo processo.

Com informações positivas e negativas do mercado o produtor rural deve se preparar da melhor forma possível, e deve recorrer aos princípios básicos da Administração aplicados ao agronegócio.

 

Veja abaixo a pirâmide do planejamento estratégico rural e entenda como aplicar no seu Planejamento Rural.

 

.

A base da pirâmide do planejamento estratégico para fazendas (Operacional) – o dia-a-dia do seu planejamento rural.

Nessa fase o produtor deve pensar nos principais pontos do dia a dia de trabalho. Mapear quais processo são importantes e padronizar sua aplicação, se possível elaborar uma cartilha com linguagem simples e direta, utilizando muitas imagens e gráficos. Cada trabalhador tem uma forma de realizar determinada atividade, mas cabe ao produtor rural ter qual o padrão mínimo exigido por ele, assim alinhando as expectativas.

Para atividades de gestão você também deve criar cronogramas de atividades a curto prazo, se reunir com toda a equipe e compartilhar as metas.

O meio da pirâmide do planejamento estratégico para fazendas (Tático) entenda como aplicar no seu planejamento rural.

Nessa etapa você deve deixar claro quais os principais relatórios e o formato desses relatórios para cada diretoria da sua fazenda. Mesmo propriedades menores devem dividir sua gestão nas principais áreas tais como:

-Comercial
-Atendimento
-Financeira
-Produção
-Almoxarifado/Logística
-Manutenção
-Administração

 Dessa forma estabelecer quais os processos e melhores práticas para gestão do departamento.

O topo da pirâmide do planejamento estratégico para fazendas (Estratégico) – O início do seu planejamento rural.

Você pode ter pensado – “Mas porque o passo 1 é a base da pirâmide?” – Pois bem esse trabalho de parar, pensar, colher informações e experiências do que deu e não deu certo até aqui é o topo da pirâmide. Você deve parar se reunir com a equipe e colher frutos dos acertos e ter lições aprendidas com os erros, evoluindo em conjunto com sua equipe.

 

 

 

Fontes: www.brazsoft.com.br; Redação Ambiente Brasil



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Agropecuário Açai Acerola Agricultura Agroecologia Agroflorestais Agropecuária Agropecuárias Agrotóxicos Água Alimentação Alimentos Orgânicos Ambientais Ambiental Animais Animal Orgânico Área de Preservação Assentamento Atividades econômicas Autossuficiência Avaliação Benefícios Bibliografia Biodinâmica Biodiversidade Biologia do Solo Biológicas Biorremediação Braquiárias Brasil Café Camu-Camu CAR Características Caramujo Censo Agropecuário Cerca Ecológicas Certificação de Produtos Ciclo do Carbono Clima Cobertura do solo Como Fazer Comprimento da rampa Conceito Conservação Conservação Ambiental Consumo Contaminação Contaminação ambiental Controle Controle Ambiental Controle de praga Convencional Corte Crescimento Econômico Critérios Cultura Cupim Dano e efeitos ambientais DDT Declive Definição Dejetos Desertificação Dessalinização Desvantagens Dificuldades Dioxina Doenças Ecologia Educação Energia Alternativa Erosão Estratégico Estrutura Estrutura Fundiária EXemplos Exploração Extensão Extinção Fatores Feijão Fertilização Fertilizantes Físicas Fitoterápico Florestal Florestas Fontes Energéticas Frutas Nativas Gado de corte Grãos Hidropônico História Impactos Ambientais Indicadores Inseticidas Legislação Lodo Mandioca Manejo Manejo Sustentável Mata Atlântica Matéria Orgânica Medicina Meio Ambiente Migratória Monitoramento Mosca-dos-chifres Natural Nitrogênio Nutrientes Objetivos Ondas do mar Operacional Orgânico Pantanal Particulados Pastagem Pecuária Perda de solo Perigos Permacultura Pesquisa Científica Pimenta Planejamento Planta medicinal Planta Tóxicas Plantas Política Polpa congelada Práticas Conservacionistas Princípios Problemas ecológicos Procedimento Procedimentos Proibidos Produção Produtividade Produtos Programas Projetos Propriedade do solo Proteção Qualidade Nutricional Queimada Químicas Reciclagem Recuperação Ambiental Recursos Naturais Reflorestamento Regiões Requisitos Reserva Legal Rios Riscos à saúde Roraima Rural Saúde Selos Sistema Educativo Situação Soja Solos Suinocultura Tático Técnicas Tecnologia Tipos de Agricultura Topografia Tradicional Transporte Tratamento Tratamento de Efluentes Urbano Uso de terras Uso do Solo Usos Vantagens Velocidade Veneno Vento

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.