Ambiente Agropecuário

Broca-gigante (Castnia licus): nova praga da bananeira em Rondônia

Considerada "nova praga" da bananeira porque somente a partir do ano passado é que foi verificado ataque intenso em um plantio de bananeira situado no campo Experimental da Embrapa Rondônia, em Porto Velho.

Envie para um amigo

 

 

A broca-gigante (Castnia licus) é mais conhecida como praga da cana-de-açúcar, sendo considerada uma temível praga desta cultura na região Nordeste do Brasil. Em Rondônia está assumindo importância como uma "nova praga" da bananeira, por estar causando sérios prejuízos as lavouras atacadas. A broca é uma lagarta que atinge 8 cm de comprimento, tamanho muito maior que a da larva da broca-do-rizoma ou moleque-da-bananeira (Cosmopolites sordidus), praga muito conhecida por aqueles que lidam com o cultivo de banana. Outra diferença entre estas pragas é que o adulto da broca-gigante é uma mariposa, enquanto que a da broca-do-rizoma é um besouro. A broca-gigante penetra no pseudocaule da planta em quase toda sua extensão, contudo é mais comum na altura de 1 a 1,5 m a partir do solo. Como a lagarta tem um ciclo de vida longo, podendo chegar a 10 meses e tem tamanho avantajado, faz um estrago muito grande no interior do pseudocaule, comprometendo severamente a planta e consequentemente a produção, devido ao tombamento e morte.

Considerada "nova praga" da bananeira porque somente a partir do ano passado é que foi verificado ataque intenso em um plantio de bananeira situado no campo Experimental da Embrapa Rondônia, em Porto Velho. Porém, sua primeira constatação ocorreu em 1994 em um plantio no Bairro Candelária, também em Porto Velho, sendo um exemplar da lagarta da broca-gigante coletada naquela ocasião e mantida até hoje no Laboratório de Entomologia da Embrapa. A princípio se imaginava que a ocorrência estivesse restrita a esse município, porém já foi verificada a presença da praga em Candeias do Jamari, Alto Paraíso e Machadinho do Oeste. Provavelmente, esteja atingindo outros municípios, já que esses casos foram observados ocasionalmente durante viagens ao interior do Estado, portanto não objetivando levantamento da praga.

Em Unidade de Observação (UO) de banana, situada no Campo Experimental da Embrapa Rondônia, em Porto Velho, RO, verificou-se a ocorrência da citada praga nas bananeiras de cultivares 'Caipira', 'FHIA 01', 'FHIA 18', 'FHIA 21' e 'Thap Maeo' e 'Mysore'. Conforme se observou, a cultivar que apresentou maior porcentagem de plantas brocadas foi a FHIA 21, atingindo 53,57% das bananeiras. Esta infestação superou em mais de três vezes o percentual (17,19%) verificado na cultivar Thap Maeo, em segundo lugar em relação a variável analisada. A constatação é um indicativo de que a broca-gigante, embora tenha ocorrido em todas as cultivares, tem uma maior preferência pela FHIA 21, que é do mesmo grupo da 'Banana-de-fritar' ou 'Comprida', como é conhecida em Rondônia. Nas áreas de produtores de Porto Velho e interior, verificou-se apenas o ataque da praga em "banana-de-fritar".

 

q
Foto 1. Lagarta da broca-gigente

 

q
Foto 2. Pupa da broca-gigente, envolvida em casulo feito de fibras da bananeira.

 

 

q
Foto 3. Mariposa, inseto adulto da broca-gigante.

 

 

Fonte: José Nilton Medeiros Costa - Engenheiro Agrônomo, M. Sc. - Pesquisador Embrapa Rondônia - E-mail: jnilton@cpafro.embrapa.br



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Agropecuário Açai Acerola Agricultura Agroecologia Agroflorestais Agropecuária Agropecuárias Agrotóxicos Água Alimentação Alimentos Orgânicos Ambientais Ambiental Animais Animal Orgânico Área de Preservação Assentamento Atividades econômicas Autossuficiência Avaliação Benefícios Bibliografia Biodinâmica Biodiversidade Biologia do Solo Biológicas Biorremediação Braquiárias Brasil Café Camu-Camu CAR Características Caramujo Censo Agropecuário Cerca Ecológicas Certificação de Produtos Ciclo do Carbono Clima Cobertura do solo Como Fazer Comprimento da rampa Conceito Conservação Conservação Ambiental Consumo Contaminação Contaminação ambiental Controle Controle Ambiental Controle de praga Convencional Corte Crescimento Econômico Critérios Cultura Cupim Dano e efeitos ambientais DDT Declive Definição Dejetos Desertificação Dessalinização Desvantagens Dificuldades Dioxina Doenças Ecologia Educação Energia Alternativa Erosão Estratégico Estrutura Estrutura Fundiária EXemplos Exploração Extensão Extinção Fatores Feijão Fertilização Fertilizantes Físicas Fitoterápico Florestal Florestas Fontes Energéticas Frutas Nativas Gado de corte Grãos Hidropônico História Impactos Ambientais Indicadores Inseticidas Legislação Lodo Mandioca Manejo Manejo Sustentável Mata Atlântica Matéria Orgânica Medicina Meio Ambiente Migratória Monitoramento Mosca-dos-chifres Natural Nitrogênio Nutrientes Objetivos Ondas do mar Operacional Orgânico Pantanal Particulados Pastagem Pecuária Perda de solo Perigos Permacultura Pesquisa Científica Pimenta Planejamento Planta medicinal Planta Tóxicas Plantas Política Polpa congelada Práticas Conservacionistas Princípios Problemas ecológicos Procedimento Procedimentos Proibidos Produção Produtividade Produtos Programas Projetos Propriedade do solo Proteção Qualidade Nutricional Queimada Químicas Reciclagem Recuperação Ambiental Recursos Naturais Reflorestamento Regiões Requisitos Reserva Legal Rios Riscos à saúde Roraima Rural Saúde Selos Sistema Educativo Situação Soja Solos Suinocultura Tático Técnicas Tecnologia Tipos de Agricultura Topografia Tradicional Transporte Tratamento Tratamento de Efluentes Urbano Uso de terras Uso do Solo Usos Vantagens Velocidade Veneno Vento

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.