Ambiente Agropecuário

Quantidades de N liberadas no solo após incorporação de lodo de esgoto

A taxa agronômica de aplicação deste lodo poderá então ser calculada em função da recomendação de adubação nitrogenada para o cultivo de interesse (disponível em tabelas de adubação), considerando-se os teores de N mineral no lodo com sua umidade natural obtidos por análise química e a fração de mineralização de N orgânico (obtida conforme relatado neste trabalho).

Envie para um amigo

 

Rita Carla Boeira

Engenheira Agrônoma – Pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente

 

Para o estabelecimento de práticas agrícolas seguras de uso de lodo de esgoto como fertilizante nitrogenado são necessários estudos das taxas de mineralização de N nas nossas condições de solos e de climas tropicais.

O potencial de geração de nitrato de lodos de esgoto é um parâmetro técnico obtido através da pesquisa necessário aos ajustes no uso do produto em determinadas condições de clima, solo e cultura. Este parâmetro é utilizado para cálculo de dosagens agronômicas ambientalmente seguras de lodos de esgoto, quando o resíduo não possui em sua composição outros fatores mais limitantes à sua aplicação em solos, tais como potencial de acidificação, presença de poluentes inorgânicos (exemplo: metais pesados potencialmente tóxicos, teores elevados de fósforo), compostos orgânicos persistentes, ou patógenos humanos.

Neste trabalho, a partir de um conjunto de técnicas, foi estimada a taxa de mineralização de um lodo de esgoto - que recebeu tratamento anaeróbio - a qual permite a técnicos e produtores definir quantitativamente o potencial de uso de lodos de esgoto como fonte de N a cultivos agrícolas nas condições tropicais brasileiras, calculando as doses máximas a aplicar desse resíduo.

A avaliação foi feita em laboratório, medindo-se periodicamente as quantidades de N mineral produzidas por uma mistura conhecida de lodo de esgoto de Franca/SP em um Latossolo, durante 105 dias. Essas medidas foram ajustadas a um modelo matemático, obtendo-se a quantidade de N orgânico potencialmente mineralizável em cada dose de lodo aplicada ao solo: 41, 84, 167 e 215 kg/ha, nas doses doses equivalentes à aplicação de 3, 6, 12 e 24 t/ha de lodo seco, respectivamente. Utilizando-se regressão linear, obteve-se a fração de mineralização do lodo de Franca, estimada em 34%. Este valor significa que 34% do N orgânico contido no lodo mineraliza durante o ciclo de uma cultura.

q

A taxa agronômica de aplicação deste lodo poderá então ser calculada em função da recomendação de adubação nitrogenada para o cultivo de interesse (disponível em tabelas de adubação), considerando-se os teores de N mineral no lodo com sua umidade natural obtidos por análise química e a fração de mineralização de N orgânico (obtida conforme relatado neste trabalho).

Por exemplo, no tratamento equivalente à aplicação de 3 t/ha (base seca) deste lodo de esgoto (contendo 120 kg/ha de N orgânico), estima-se um potencial de liberação de 41 kg de N/ha em formas minerais, geradas pela mineralização do lodo no solo (120 kg/ha x 34% = 41 kg/ha). A este valor, deve ser somado o teor de N mineral já presente no lodo úmido (3.000 kg/ha X 0,5% = 15  kg/ha). Ou seja, aplicando-se 3.000 kg/ha deste lodo de esgoto, estaremos adubando este solo com um total de 56 kg/ha de N. Considerando-se um cultivo que requeira 90 kg/ha de N, seria necessária uma adubação mineral complementar com 34 kg/ha de N.

Ainda com a dose aplicada equivalente a 3.000 kg/ha de lodo (base seca), os resultados obtidos mostram que disponibilizaram-se imediatamente no solo quantidades equivalentes a 15 kg/ha de N mineral (devidas ao teor de N mineral já presente no lodo úmido). Iniciada a mineralização, em apenas 10 dias poderão ser liberados à solução do solo 8 kg/ha de nitrogênio mineral, o que representa quase 20% do potencial total de mineralização de N no primeiro ano, que foi de 41 kg/ha. Em 30 dias, poderão ser disponibilizados 20 kg/ha de N. Assim, as épocas de intensa liberação de N pelo lodo de esgoto poderão não coincidir com as épocas de maior absorção pelas plantas, se não houver planejamento adequado da forma e época de aplicação do resíduo ao solo; se não houver raízes para absorvê-lo, além de ser potencialmente lixiviável, pode também volatilizar-se.

Com a dose equivalente a 6.000 kg/ha de lodo (base seca), poderá haver pronta disponibilização de 30 kg/ha de N, o qual já se encontra no lodo na forma mineral, o que representa aproximadamente um terço das exigências de N em um cultivo de milho, por exemplo. Em função disso, esta dose possivelmente seria desaconselhável à aplicação no campo, no caso de um sistema de incorporação de lodo ao solo antes da semeadura, pois ainda disponibilizaria, nos 15 dias iniciais de decomposição, mais 20 kg/ha de N. Em situações como essa, com disponibilização de grandes quantidade de N, acima da capacidade de absorção radicular, chuvas intensas podem agravar ainda mais o risco potencial de lixiviação, e conseqüentemente de contaminação ambiental com nitrato.

Com as doses mais elevadas (12.000 e 24.000 kg/ha de lodo de esgoto, base seca), acentuam-se os riscos já citados acima, em função do elevado aporte inicial de N mineral contido no lodo de esgoto e da grande quantidade de N orgânico que é mineralizada.

A prática vigente atualmente para definição de dosagens de lodo de esgoto a aplicar em solos é determinada pela Norma P 4.230 da Cetesb, publicada em 1999, que regulamenta o uso de lodo de esgoto na agricultura, e recomenda a utilização do valor de 20% de disponibilização de N para lodos anaeróbios, valor esse obtido na literatura estrangeira, utilizado por não haver dados nacionais publicados até então.

O uso do índice de disponibilidade anual de N orgânico de lodo de esgoto aqui determinado em Latossolo brasileiro, com valor de 34%, estima liberação de N ao solo em quantidades muito superiores àquelas previstas com o índice preconizado até agora na prática vigente (20%), proporcionando vantagens como:

1) estimativas até 35% mais precisas de dosagens a aplicar de lodo em nossos campos agrícolas,

2) diminuição do risco de degradação ambiental de solos agrícolas pela recomendação de uso desse resíduo em quantidades até 28% menores,

3) melhor aproveitamento do N contido nos lodos de esgoto,

4) diminuição de risco de perdas de nitrogênio do lodo de esgoto por volatilização ou lixiviação no perfil do solo e

5) diminuição de riscos de contaminação de corpos d`água por nitrato.

 

Fonte: Rita Carla Boeira (rcboeira@cnpma.embrapa.br). Engenheira Agrônoma – Pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente.



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Agropecuário Açai Acerola Agricultura Agroecologia Agroflorestais Agropecuária Agropecuárias Agrotóxicos Água Alimentação Alimentos Orgânicos Ambientais Ambiental Animais Animal Orgânico Área de Preservação Assentamento Atividades econômicas Autossuficiência Avaliação Benefícios Bibliografia Biodinâmica Biodiversidade Biologia do Solo Biológicas Biorremediação Braquiárias Brasil Café Camu-Camu CAR Características Caramujo Censo Agropecuário Cerca Ecológicas Certificação de Produtos Ciclo do Carbono Clima Cobertura do solo Como Fazer Comprimento da rampa Conceito Conservação Conservação Ambiental Consumo Contaminação Contaminação ambiental Controle Controle Ambiental Controle de praga Convencional Corte Crescimento Econômico Critérios Cultura Cupim Dano e efeitos ambientais DDT Declive Definição Dejetos Desertificação Dessalinização Desvantagens Dificuldades Dioxina Doenças Ecologia Educação Energia Alternativa Erosão Estratégico Estrutura Estrutura Fundiária EXemplos Exploração Extensão Extinção Fatores Feijão Fertilização Fertilizantes Físicas Fitoterápico Florestal Florestas Fontes Energéticas Frutas Nativas Gado de corte Grãos Hidropônico História Impactos Ambientais Indicadores Inseticidas Legislação Lodo Mandioca Manejo Manejo Sustentável Mata Atlântica Matéria Orgânica Medicina Meio Ambiente Migratória Monitoramento Mosca-dos-chifres Natural Nitrogênio Nutrientes Objetivos Ondas do mar Operacional Orgânico Pantanal Particulados Pastagem Pecuária Perda de solo Perigos Permacultura Pesquisa Científica Pimenta Planejamento Planta medicinal Planta Tóxicas Plantas Política Polpa congelada Práticas Conservacionistas Princípios Problemas ecológicos Procedimento Procedimentos Proibidos Produção Produtividade Produtos Programas Projetos Propriedade do solo Proteção Qualidade Nutricional Queimada Químicas Reciclagem Recuperação Ambiental Recursos Naturais Reflorestamento Regiões Requisitos Reserva Legal Rios Riscos à saúde Roraima Rural Saúde Selos Sistema Educativo Situação Soja Solos Suinocultura Tático Técnicas Tecnologia Tipos de Agricultura Topografia Tradicional Transporte Tratamento Tratamento de Efluentes Urbano Uso de terras Uso do Solo Usos Vantagens Velocidade Veneno Vento

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.