Ambiente Agropecuário

Núcleo de Plantas Medicinais e Aromáticas - NUPLAM

O conhecimento tradicional de grupos sociais que fazem uso das plantas é a fonte essencial para a descoberta dos princípios ativos - substâncias capazes de exercer uma ação de cura - responsáveis no combate de doenças.

Envie para um amigo

 

 

Introdução

O Brasil tem a maior biodiversidade do planeta com cerca de 55 mil espécies de plantas superiores conhecidas. A maioria é usada pelo ser humano como fonte de alimento, como matéria-prima para construção, como medicamentos para cura de enfermidades ou no uso de aromatizantes.

O conhecimento tradicional de grupos sociais que fazem uso das plantas é a fonte essencial para a descoberta dos princípios ativos - substâncias capazes de exercer uma ação de cura - responsáveis no combate de doenças.

O Brasil vem sendo alvo de um processo de usurpação de conhecimento tradicional que grupos étnicos e comunidades tradicionais possuem no uso das plantas medicinais; a retirada das plantas medicinais retiradas do país para o exterior, as quais retornam na forma de produtos patenteados, nos leva a pagar caro por uma riqueza nacional.

Atualmente, o comércio de medicamentos fitoterápicos brasileiros movimenta cerca de US$ 260 milhões de dólares ao ano.

Diante dessa situação, para fazer frente à grande pressão extrativista sobre as plantas medicinais, o IBAMA criou em 2001 o NÚCLEO DE PLANTAS MEDICINAIS E AROMÁTICAS - NUPLAM.

O NUPLAM visa conciliar pesquisa científica e conhecimento tradicional, acreditando que a valorização desse conhecimento e a partilha dos benefícios dele resultante são um caminho para a geração de renda, melhoria da qualidade de vida das populações extrativistas e a conservação de ecossistemas naturais.

Propõe-se, ainda, a realizar, incentivar e divulgar a pesquisa científica voltada para o desenvolvimento de técnicas de cultivo e manejo que garantam a sustentabilidade econômica e ecológica do uso de plantas medicinais e aromáticas e a valorização dos conhecimentos e saberes populares.

 

Objetivos do Nuplam

  • Pesquisa para conservação e uso sustentável.

Estudo e melhoria das práticas de uso e manejo de plantas medicinais visando a conservação e uso sustentável das espécies vegetais.

 

  • Articulação entre o setor público, o setor privado, a comunidade local envolvida e organizações não governamentais.

Promover interlocução entre os diferentes setores da sociedade sobre o uso dos recursos e as finalidades medicinais e aromáticas.

 

  • Criação e manutenção de uma rede de informações.

Sistematizar as informações referentes ao conhecimento técnico-científico e o conhecimento e saberes populares. Interlocução e divulgação de informações com outras redes de pesquisa similares no país.

 

  • Resgate e proteção do conhecimento tradicional (etnobotânica).

Reconhecimento da importância de valorizar o saber popular, sua história e sua transmissão aos demais membros das comunidades envolvidas, valorando os bens ambientais e à difusão de práticas e tecnologias ambientais sustentáveis.

 

  • Capacitação e treinamento.

Intercâmbio de informação e conhecimentos enfatizando as formas de interpretar, perceber e apreender o conhecimento entre os diferentes parceiros, respeitando as diferenças culturais, com vistas à melhoria no processo de uso, manejo e conservação.

 

  • Avaliação dos impactos de extração.

Análise das práticas de manejo pelos diferentes atores sociais e a repercussão na sustentação das espécies, dinâmica ecológica, e ainda, no modo de vida das comunidades envolvidas. "Pensar global, agir localmente"

 

Ações Realizadas

Publicação: Plantas Medicinais do Brasil: Aspectos Legais da Legislação e Comércio - 2001 TRAFFIC América do Sul, Quito - Equador /IBAMA, 2001.

Publicação: "Jalapão: Uso de Recursos Naturais" Entorno do Parque Estadual do Jalapão (TO) 2002. IBAMA, Conservation International do Brasil e Associação Capim Dourado. Diagnóstico biológico e sócio-econômico da região; identificação de potencialidades ecológica e economicamente viáveis para a região. O artesanato de CAPIM DOURADO, está entre as principais fontes de renda da região atualmente. Estão sendo desenvolvidos, pelo NUPLAM, em parceria com a EMBRAPA e a PEQUI - Pesquisa e Conservação do Cerrado, estudos ecológicos para elaboração de plano de manejo da espécie.

Publicação: Estratégias para a conservação e manejo de recursos genéticos de plantas medicinais e aromáticas (IBAMA/EMBRAPA,CNPq - Brasília, 2002):

É o resultado de uma reunião com cerca de 60 pesquisadores que atuam na área de plantas medicinais nos diferentes biomas brasileiros. São indicadas as espécies e as prioridades de pesquisa para a conservação.

Encontro: Estratégias de Conservação e manejo de Espinheira-santa (Maytenus ilicifolia) (UFSC/IBAMA, Florianópolis, 2002).

A Espinheira-santa está entre as espécies indicadas como prioritárias identificadas durante a reunião técnica. Esta espécie, nativa da Mata Atlântica, é usada no combate a úlcera e problemas estomacais, e está seriamente ameaçada de extinção devida à alta demanda extrativista. Este encontro constituiu grande oportunidade de troca de informações sobre formas de cultivo e manejo da espécie.

 

Áreas de Atuação

Assentamentos rurais - identificação de plantas medicinais e aromáticas nos assentamentos de reforma agrária, visando o uso e manejo sustentável garantindo a conservação das espécies e seus habitats

O assentamento Mata Grande, em São Domingos - Goiás, é um exemplo deste tipo de trabalho.

 

Unidades de Conservação

O cultivo e produção de plantas medicinais nas áreas de Flonas representam uma alternativa para a geração de renda e conservação de habitats para a FLONA e sua área de abrangência.

Na Floresta Nacional de Caçador, em Santa Catarina, estão sendo desenvolvidas atividades ligadas ao cultivo, manejo e uso de plantas medicinais nativas da Mata Atlântica.

Maiores informações:

Tel: 61 316-1034

Fax: 61 226 4936

E-mail: plantasmedicinais.sede@ibama.gov.br

End: SCEN - Setor de Clubes Esportivos Norte - Trecho 2, Av. L4 Edifício Sede do IBAMA

Bloco B salas 30 e 31

 

Decretos

Decreto Nº 3.945-2001 - Define a composição do Conselho de Gestão do Patrimônio Genético e estabelece as Normas para o seu Funcionamento.

Decreto Nº 3.607-2000 - Dispõe sobre a implementação da Convenção sobre Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção - CITES, e dá outras providências.

Decreto Nº 23.052-1997 - Regulamenta a lei 2537, que cria o Programa Estadual de Plantas Medicinais.

Decreto Nº 750-1993 - Dispõe sobre o corte, a exploração e a supressão de vegetação primária ou nos estágios avançado e médio de regeneração da Mata Atlântica, e dá outras providências.

Decreto Nº 98.830-1990 - Dispõe sobre a coleta, por estrangeiros, de dados e materiais científicos no Brasil, e dá outras providências.

Decreto N° 97.635-1989 - Regula o Art. 27 do Código Florestal e dispõe sobre a prevenção e combate a incêndio florestal, e dá outras providências.

 

Leis

Lei Nº 10.196-2001 - Altera e acresce dispositivos à Lei no 9.279, de 14 de maio de 1996, que regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial, e dá outras providências.

Lei Nº 9.279-1996 - Regula Direitos e Obrigações Relativos à Propriedade Industrial.

Lei Nº 2537-1996 - Cria o Programa Estadual de Plantas Medicinais.

 

Medidas Provisórias

MP Nº 2.166-65-2001 de 28 de Junho de 2001 - Altera os arts. 1o, 4o, 14, 16 e 44, e acresce dispositivos à Lei no 4.771, de 15 de setembro de 1965, que institui o Código Florestal, bem como altera o art. 10 da Lei no 9.393, de 19 de dezembro de 1996, que dispõe sobre o Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural - ITR, e dá outras providências.

MP No 2.186-16, de 23 de Agosto de 2001 - Regulamenta o inciso II do § 1o e o § 4o do art. 225 da Constituição, os arts. 1o, 8o, alínea "j", 10, alínea "c", 15 e 16, alíneas 3 e 4 da Convenção sobre Diversidade Biológica, dispõe sobre o acesso ao patrimônio genético, a proteção e o acesso ao conhecimento tradicional associado, a repartição de benefícios e o acesso à tecnologia e transferência de tecnologia para sua conservação e utilização, e dá outras providências.

 

Portarias

Portaria Nº 052-1998 - Exploração seletiva de espécies vegetais nativas.

Portaria Nº 116-1996 - Normas para estudo da toxidade de produtos fitoterápicos.

Portaria 083-1996 - Dispõe sobre exportação de produtos da flora.

Portaria Nº 44-N-1993 - Regulamenta os procedimentos adicionais para a implantação da nova sistemática de Autorização para "Transporte de Produto Florestal - ATPF.

Portaria Nº 118-1992 - Comercialização Erva-Mate.

Portaria Nº 037-1992 - Reconhece como lista oficial de espécies da flora brasileira ameaçada de extinção.

Portaria Nº 055-1990 - Aprovar o regulamento sobre coleta, por estrangeiros, de dados e materiais científicos no Brasil.

Portaria 122-1985 - Comercialização de Plantas Ornamentais, Medicinais, Aromáticas e Tóxicas.

 

Resoluções

Resolução Nº 356-2002 - Determina a apreensão de produtos farmacêuticos a base de Erva Kava-Kava.

Resolução Nº 357-2002 - Produto Erva São João.

Resolução Nº 1757-2002 - Contra-indica o uso de plantas medicinais.

Resolução Nº 1590-2001 - Aprova regulamento técnico para pratica de fitoterapia - RJ.

Resolução Nº 017-2000 - Dispõe sobre o registro de medicamentos fitoterápicos.

 

IBAMA (www.ibama.gov.br)



Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Agropecuário Açai Acerola Agricultura Agroecologia Agroflorestais Agropecuária Agropecuárias Agrotóxicos Água Alimentação Alimentos Orgânicos Ambientais Ambiental Animais Animal Orgânico Área de Preservação Assentamento Atividades econômicas Autossuficiência Avaliação Benefícios Bibliografia Biodinâmica Biodiversidade Biologia do Solo Biológicas Biorremediação Braquiárias Brasil Café Camu-Camu CAR Características Caramujo Censo Agropecuário Cerca Ecológicas Certificação de Produtos Ciclo do Carbono Clima Cobertura do solo Como Fazer Comprimento da rampa Conceito Conservação Conservação Ambiental Consumo Contaminação Contaminação ambiental Controle Controle Ambiental Controle de praga Convencional Corte Crescimento Econômico Critérios Cultura Cupim Dano e efeitos ambientais DDT Declive Definição Dejetos Desertificação Dessalinização Desvantagens Dificuldades Dioxina Doenças Ecologia Educação Energia Alternativa Erosão Estratégico Estrutura Estrutura Fundiária EXemplos Exploração Extensão Extinção Fatores Feijão Fertilização Fertilizantes Físicas Fitoterápico Florestal Florestas Fontes Energéticas Frutas Nativas Gado de corte Grãos Hidropônico História Impactos Ambientais Indicadores Inseticidas Legislação Lodo Mandioca Manejo Manejo Sustentável Mata Atlântica Matéria Orgânica Medicina Meio Ambiente Migratória Monitoramento Mosca-dos-chifres Natural Nitrogênio Nutrientes Objetivos Ondas do mar Operacional Orgânico Pantanal Particulados Pastagem Pecuária Perda de solo Perigos Permacultura Pesquisa Científica Pimenta Planejamento Planta medicinal Planta Tóxicas Plantas Política Polpa congelada Práticas Conservacionistas Princípios Problemas ecológicos Procedimento Procedimentos Proibidos Produção Produtividade Produtos Programas Projetos Propriedade do solo Proteção Qualidade Nutricional Queimada Químicas Reciclagem Recuperação Ambiental Recursos Naturais Reflorestamento Regiões Requisitos Reserva Legal Rios Riscos à saúde Roraima Rural Saúde Selos Sistema Educativo Situação Soja Solos Suinocultura Tático Técnicas Tecnologia Tipos de Agricultura Topografia Tradicional Transporte Tratamento Tratamento de Efluentes Urbano Uso de terras Uso do Solo Usos Vantagens Velocidade Veneno Vento

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.