Ambiente Agropecuário

Camu-camu, Myrciaria dubia

Os frutos são globosos, com 10 a 32mm de diâmetro, de coloração vermelho-escura passando ao roxo-escuro ao final da maturação, possuindo uma polpa ácida com 2 a 3 sementes por fruto.

Envie para um amigo

 

 

O camu-camu, Myrciaria dubia (H.B.K.) Mc Vough, é um arbusto pertencente à família Myrtaceae, nativa das várzeas da Amazônia. Sua área de distribuição estende-se até a região central do Estado do Pará, nos rios Tocantins e Trombetas; no Estado do Amazonas, em Manaus, Manacapuru e nos rios Javari, Madeira e Negro; no Estado de Rondônia, em Ariquemes e Ji-Paraná, nos rios Maçangana e Urupê, respectivamente; em Roraima, nas margens de lagos naturais junto ao rio Cauamé, e no Maranhão, na região pré-amazônica tocantina. As maiores ocorrências de camu-camu encontram-se na Amazônia peruana.

q

A denominação camu-camu é usada no Peru. Em Manaus, Amazônia Ocidental e Amazônia Central, também é conhecido por caçari; em Rondônia recebe o nome de araçá-d’água, e no Maranhão de crista-de-galo.

A árvore frutífica entre os meses de novembro a março. Na terra firme, onde o camu-camu tem demonstrado boa adaptação, a floração ocorre durante praticamente o ano inteiro, sendo que os menores índices de produção ocorrem entre os meses de abril a julho.

Os frutos são globosos, com 10 a 32mm de diâmetro, de coloração vermelho-escura passando ao roxo-escuro ao final da maturação, possuindo uma polpa ácida com 2 a 3 sementes por fruto.

Desde 1980 o INPA (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia) vem estudando o camu-camu nos aspectos agronômico, biológico e tecnológico dos frutos. Estes estudos já apresentam resultados concretos para orientar a agroindústria.

O camu-camu é uma espécie com um potencial econômico capaz de colocá-lo ao nível de outras frutíferas regionais de tradição. A polpa do fruto é utilizada em forma de sucos, sorvetes, vinhos, licores, geléias, doces, coquetéis e para conferir sabor a tortas e sobremesas. Os Estados Unidos já importaram camu-camu da América do Sul para produzir tabletes com nome comercial de "camu-plus", vitamina C natural.

A grande importância do camu-camu como alimento deve-se ao seu elevado teor de vitamina C (ácido ascórbico – 2.880 mg/ 100 g de polpa), bastante superior à maioria das plantas cultivadas: a quantidade de ácido ascórbico do camu-camu é 1,5 vez maior que a da acerola (1.790 mg/100 g); 13 vezes maior que a do caju (219,7 mg/100 g) e 65 vezes maior que a do limão (44,2 mg/100g). Apesar do camu-camu ser fruto de alto valor nutritivo, o mesmo é praticamente ignorado pelos cablocos da região, os quais quando muito, o utilizam como tira-gosto ou isca para peixe, sendo este o principal dispersor das sementes. 

 

Redação Ambiente Brasil


Você vai gostar de ler também

Publicidade
Confira as principais Tags do ambiente Agropecuário Açai Acerola Agricultura Agroecologia Agroflorestais Agropecuária Agropecuárias Agrotóxicos Água Alimentação Alimentos Orgânicos Ambientais Ambiental Animais Animal Orgânico Área de Preservação Assentamento Atividades econômicas Autossuficiência Avaliação Benefícios Bibliografia Biodinâmica Biodiversidade Biologia do Solo Biológicas Biorremediação Braquiárias Brasil Café Camu-Camu CAR Características Caramujo Censo Agropecuário Cerca Ecológicas Certificação de Produtos Ciclo do Carbono Clima Cobertura do solo Como Fazer Comprimento da rampa Conceito Conservação Conservação Ambiental Consumo Contaminação Contaminação ambiental Controle Controle Ambiental Controle de praga Convencional Corte Crescimento Econômico Critérios Cultura Cupim Dano e efeitos ambientais DDT Declive Definição Dejetos Desertificação Dessalinização Desvantagens Dificuldades Dioxina Doenças Ecologia Educação Energia Alternativa Erosão Estratégico Estrutura Estrutura Fundiária EXemplos Exploração Extensão Extinção Fatores Feijão Fertilização Fertilizantes Físicas Fitoterápico Florestal Florestas Fontes Energéticas Frutas Nativas Gado de corte Grãos Hidropônico História Impactos Ambientais Indicadores Inseticidas Legislação Lodo Mandioca Manejo Manejo Sustentável Mata Atlântica Matéria Orgânica Medicina Meio Ambiente Migratória Monitoramento Mosca-dos-chifres Natural Nitrogênio Nutrientes Objetivos Ondas do mar Operacional Orgânico Pantanal Particulados Pastagem Pecuária Perda de solo Perigos Permacultura Pesquisa Científica Pimenta Planejamento Planta medicinal Planta Tóxicas Plantas Política Polpa congelada Práticas Conservacionistas Princípios Problemas ecológicos Procedimento Procedimentos Proibidos Produção Produtividade Produtos Programas Projetos Propriedade do solo Proteção Qualidade Nutricional Queimada Químicas Reciclagem Recuperação Ambiental Recursos Naturais Reflorestamento Regiões Requisitos Reserva Legal Rios Riscos à saúde Roraima Rural Saúde Selos Sistema Educativo Situação Soja Solos Suinocultura Tático Técnicas Tecnologia Tipos de Agricultura Topografia Tradicional Transporte Tratamento Tratamento de Efluentes Urbano Uso de terras Uso do Solo Usos Vantagens Velocidade Veneno Vento

Resolução míninina de 1024 x 768 © Copyright 2000-2017 Todos os direitos reservados. O conteudo deste Site é de propriedade do Ambiente Brasil S/S Ltda. Nenhuma parte poderá ser reproduzida sem permissão por escrito do Portal.